Páginas


(clique abaixo para ouvir a música)

LITURGIA DIÁRIA

LITURGIA DIÁRIA - REFLEXÕES E COMENTÁRIOS

Diário de Sábado 31/12/2016


Sábado, 31 de dezembro de 2016


“O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de uma pessoa pelo tempo suficiente para que ele coloque o outro um pouco mais alto.”



EVANGELHO DE HOJE
Jo 1,1-18


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!


No começo aquele que é a Palavra já existia. Ele estava com Deus e era Deus. Desde o princípio, a Palavra estava com Deus. Por meio da Palavra, Deus fez todas as coisas, e nada do que existe foi feito sem ela. A Palavra era a fonte da vida, e essa vida trouxe a luz para todas as pessoas. A luz brilha na escuridão, e a escuridão não conseguiu apagá-la.
Houve um homem chamado João, que foi enviado por Deus para falar a respeito da luz. Ele veio para que por meio dele todos pudessem ouvir a mensagem e crer nela. João não era a luz, mas veio para falar a respeito da luz, a luz verdadeira que veio ao mundo e ilumina todas as pessoas.
A Palavra estava no mundo, e por meio dela Deus fez o mundo, mas o mundo não a conheceu. Aquele que é a Palavra veio para o seu próprio país, mas o seu povo não o recebeu. Porém alguns creram nele e o receberam, e a estes ele deu o direito de se tornarem filhos de Deus. Eles não se tornaram filhos de Deus pelos meios naturais, isto é, não nasceram como nascem os filhos de um pai humano; o próprio Deus é quem foi o Pai deles.
A Palavra se tornou um ser humano e morou entre nós, cheia de amor e de verdade. E nós vimos a revelação da sua natureza divina, natureza que ele recebeu como Filho único do Pai.
João disse o seguinte a respeito de Jesus:
- Este é aquele de quem eu disse: "Ele vem depois de mim, mas é mais importante do que eu, pois antes de eu nascer ele já existia."
Porque todos nós temos sido abençoados com as riquezas do seu amor, com bênçãos e mais bênçãos. A lei foi dada por meio de Moisés, mas o amor e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. Ninguém nunca viu Deus. Somente o Filho único, que é Deus e está ao lado do Pai, foi quem nos mostrou quem é Deus.
  
Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Jailson Ferreira


Neste último dia do ano, a mensagem da Igreja vem pelo Evangelho de João, o mais profundo dos evangelistas, e o meu preferido. Refletir sobre o Ano que termina e um outro que começa, usando esta passagem bíblica como ponto de partida é um verdadeiro presente, para quem sabe aproveitar...
Veja que no Evangelho de hoje não se fala em manjedoura, pastores, Maria ou José... Só em Deus. Já se falou em João Batista, José, Maria, e até nos pais de João Batista. Hoje é dia de falar em Jesus Cristo. Por isso o evangelista nos fala no projeto de Deus:
No princípio só existia Deus e a escuridão. Um Deus em três: Pai (o Criador), Filho (a Palavra) e Espírito Santo (a Luz). Deus criou TUDO, menos a escuridão, porque ela também já existia no princípio. E tudo o que Deus criou ficou bom! Mas a escuridão começou a se infiltrar na obra de Deus, então Deus precisou vir pessoalmente ao mundo, se fazer um de nós, para nos fazer igual a Ele. (A nossa é a única religião em que não é o homem que tenta se aproximar do divino, mas que o Deus se torna humano, para nos ensinar como devemos SER).
Esse foi o plano de Deus, mas Ele já sabia que a sua obra não iria reconhecê-lo, exceto por algumas pessoas, e a estas foi dada a possibilidade de se tornarem Filhos e Filhas de Deus! Portanto, ser Filho de Deus é uma decisão pessoal: só é Filho de Deus quem consegue reconhecer Deus.
Nesta época do ano,  em que a maioria de nós recebe e envia mensagens prontas... A mesma mensagem que mandamos para o amigo de perto é a que mandamos para o colega de longe... Jesus vem a nós com uma mensagem personalizada, uma mensagem escrita só para você, outra só para mim... E que mensagem é essa? Você só vai descobrir se parar um pouco, silenciar a mente e refletir: Jesus, o que Tu queres me dizer hoje? Como devo agir nessa situação em que me encontro?
Se estiver difícil escutar a mensagem de Jesus, procure uma "ponte", um "intermediário", alguém em quem você confie e que possa lhe ajudar a ouvir a mensagem de Jesus. Hoje é um dia propício para isso. Não se deixe abater pelas ausências, mas se deixe contagiar pela enorme alegria: Jesus nascendo no seu coração. Se você reconhecê-lo, será Filho de Deus!
FELIZ ANO NOVO!!





Diário de Sexta-feira 30/12/2016


Sexta-feira, 30 de dezembro de 2016


O objetivo de um ano novo não é que nós deveríamos ter um ano novo. É que nós deveríamos ter uma alma nova.” (Gilbert Keith Chesterton)



EVANGELHO DE HOJE
Mt 2,13-15.19-23


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Depois que os visitantes foram embora, um anjo do Senhor apareceu num sonho a José e disse:
- Levante-se, pegue a criança e a sua mãe e fuja para o Egito. Fiquem lá até eu avisar, pois Herodes está procurando a criança para matá-la.
Então José se levantou no meio da noite, pegou a criança e a sua mãe e fugiu para o Egito. E eles ficaram lá até a morte de Herodes. Isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito por meio do profeta: "Eu chamei o meu filho, que estava na terra do Egito."
Depois que Herodes morreu, um anjo do Senhor apareceu num sonho a José, no Egito, e disse:
- Levante-se, pegue a criança e a sua mãe e volte para a terra de Israel, pois as pessoas que queriam matar o menino já morreram.
Então José se levantou, pegou a criança e a sua mãe e voltou para a terra de Israel. Mas, quando ficou sabendo que Arquelau, filho do rei Herodes, estava governando a Judéia no lugar do seu pai, teve medo de ir morar lá. Depois de receber num sonho mais instruções, José foi para a região da Galiléia e ficou morando numa cidade chamada Nazaré. Isso aconteceu para se cumprir o que os profetas tinham dito: "O Messias será chamado de Nazareno."

  
Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Jailson Ferreira


Neste domingo, dia da Sagrada Família, o Evangelho nos traz dois aspectos singulares da família de Jesus: a fé e a obediência.
É natural que, ao falarmos da Sagrada Família, olhamos para ela como um exemplo de família perfeita. Todas as qualidades de um pai perfeito estão em José; as qualidades de uma mãe perfeita estão em Maria; e as qualidades de um filho perfeito estão em Jesus. Mas hoje o Evangelho se concentra na figura do pai da família. Sendo assim, qual a característica mais marcante que José nos transmite, de acordo com a narrativa de hoje? A fé e a obediência a Deus.
José foi um homem que ficou marcado na Bíblia como um sonhador. Ele sonhava, acreditava e obedecia imediatamente. Agora pense um pouco: Quantos sonhos quase reais você já teve? Inúmeros, com certeza! Todos têm. E, ao acordar, mesmo lembrando o que sonhou, não dá tanta importância... Mas José sonhava, acordava no meio da noite, e obedecia imediatamente! Isso é que é fé e obediência! Certamente, Jesus aprendeu essa fé e obediência do seu pai terreno: São José. Como é bonito e exemplar, para um filho, ver que seu pai também é obediente a DEUS e ao seu PAI TERRENO. E da mesma forma, como é contraditório quando um pai exige a obediência e o respeito do seu filho, mas não obedece nem respeita o seu próprio pai.
Para quem desobedece e desrespeita seus pais, o maior castigo (ou a maior lição) é quando chegam os seus próprios filhos. Como conseguir a obediência quando não é pelo respeito e admiração? Só tem um jeito: pela imposição e pelo castigo. O que vai fazer com que os filhos desejem (ardentemente) sair da casa dos pais o quanto antes.

Portanto, pais: sejam exemplo de carinho, obediência e respeito. Assim, vocês conseguirão fazer com que seus filhos obedeçam e respeitem vocês não por medo, mas por admiração. E filhos: sejam obedientes como Jesus foi obediente a Maria e José, respeitem, amem, e aprendam pelos bons e maus exemplos, para serem pessoas melhores a cada dia.





Diário de Quinta-feira 29/12/2016


Quinta-feira, 29 de dezembro de 2016


“Uma crença não é uma ideia realizada pela mente, é uma ideia que segura a mente.” Elly Roselle



EVANGELHO DE HOJE
Lc 2,22-35

 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


22Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor. 23Conforme está escrito na Lei do Senhor: “Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”. 24Foram também oferecer o sacrifício – um par de rolas ou dois pombinhos – como está ordenado na Lei do Senhor. 25Em Jerusalém, havia um homem chamado Si­meão, o qual era justo e piedoso, 26e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor.
27Movido pelo Espírito, Simeão veio ao Templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a Lei ordenava, 28Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus: 29 “Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; 30porque meus olhos viram a tua salvação, 31que preparaste diante de todos os povos: 32luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel”.
33O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. 34Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: “Este menino vai ser causa tanto de queda como de re-erguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. 35Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”.

  
Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.





 
MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Queiroz


Luz para iluminar as nações.
Este Evangelho narra a apresentação de Jesus no Templo e a purificação de Nossa Senhora. Nós o contemplamos no quarto mistério gozoso do terço. Nele aparece três vezes a expressão “conforme a Lei do Senhor”. Maria e José viviam atentos em cumprir direitinho todas as leis de Deus. Aí está um recado para nós: o segredo da nossa felicidade está na fidelidade à Lei do Senhor. Para Maria e José, eram as Leis do Antigo Testamente; para nós, são os mandamentos de Deus e da Igreja.
A apresentação de Jesus no Templo corresponde à nossa celebração do batizado das crianças. Mas não basta batizá-las, é preciso fazer com que elas cresçam cheias de sabedoria e da graça de Deus, como Jesus cresceu.
Como disse o profeta Simeão, Jesus foi a Luz que Deus Pai enviou para iluminar as nações.
“Agora, Senhor, podeis deixar teu servo partir em paz.” Simeão sabia que ninguém consegue partir deste mundo com a esperança da vida eterna, se não está ligado a Jesus. Ter a graça de segurar o Menino Jesus foi para ele um sinal de que Deus o segurava em seus braços, portanto, podia morrer. Isso vale para nós. Se queremos, ao sair deste mundo, ganhar a vida eterna, temos de segurar Jesus em nossos braços, agarrar-nos a ele e não largá-lo mais.
“Os que se deixam guiar pelo Espírito de Deus, esses são os filhos de Deus” (Rm 8,14). Foi o Espírito Santo que levou Simeão ao Templo. Se queremos ter Jesus em nossos braços, e assim ser dignos da vida eterna, dirijamo-nos ao Templo, à Igreja, porque lá nos encontraremos com Jesus. “Vós, como pedras vivas, formai um edifício espiritual, um sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus, por Jesus Cristo” (1Pd 2,5). Se vamos à Igreja domingo, nós a carregamos conosco durante a semana, e assim nos tornamos também um edifício santo e agradável a Deus. Na Igreja, nós encontramos a paz em plenitude. “E a paz de Deus, que supera todo entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos no Cristo Jesus” (Fl 4,7).
Outro destaque do Evangelho é a união do casal. Aliás, Maria e José estavam sempre unidos, nas horas difíceis e nas horas alegres: no nascimento de Jesus; na fuga para o Egito, na perda e encontro do menino no Templo... A família de Nazaré era unida e todos os membros colaboravam, cada um do seu modo. Assim, só podia dar no que deu: uma família que formou três santos. No casamento, o casal faz um juramento diante de Deus, da Igreja e dos familiares; um juramento de permanecerem unidos até o fim da vida.
Quando o profeta Simeão pegou Jesus nos braços, ele disse a Maria: “Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”. O mundo tem outros valores e segue outro caminho. Por isso que Jesus foi um sinal de contradição, e a mãe sofreu com ele. Todos os seguidores de Jesus têm a mesma sina: ser um sinal de contradição e ter a espada de dor.
Simeão disse, em sua profecia, que “serão revelados os pensamentos de muitos corações”. Diante de Jesus, caem as máscaras. As pessoas malandras não conseguem esconder suas falcatruas. As maldades aparecem, e os primeiros a sofrerem as conseqüências são os cristãos.
Certa vez, um viajante contratou um burro para levar uma pequena carga porque estava indo para um lugar distante. O dono do animal foi junto, porque sabia lidar com ele.
Como o calor estava muito forte e o sol brilhava intensamente, o viajante parou para descansar e buscou abrigo na sombra do burro. Acontece que a sombra só protegia uma pessoa e tanto o viajante como o dono do burro a reivindicavam. Por isso surgiu entre eles uma violenta disputa sobre qual teria o direito de desfrutá-la. O proprietário dizia que alugou apenas o burro e não a sua sombra. O viajante afirmava que ao alugar o burro alugou também a sua sombra.
A disputa prosseguiu com palavras e socos e, enquanto os homens brigavam, o burro galopou para longe.
Ao disputar pela sombra, frequentemente nós perdemos a substância. Precisamos trabalhar pela nossa união, a fim de imitarmos a família de Nazaré.
Muitas vezes, por questões pequenas e sem nenhuma importância, acabamos perdendo a nossa paz e até o estímulo para seguir em frente. Perdemos a amizade de pessoas que por longo tempo estiveram ao nosso lado e afastamos pessoas queridas simplesmente porque não concordamos com situações que, sem esforço, poderiam ser desprezadas. Deixamos que um ato de teimosia, nosso ou de alguém com quem lidamos, interfira em nosso relacionamento, ditando regras de conduta para nossas atitudes.
Vamos pedir à Família de Nazaré que nos ajude a segui-la em tudo, mesmo que nos venham espadas e cruzes. No meio de um mundo de mentira, que vivamos na verdade. No meio de um mundo de violência, que vivamos na paz. No meio de um mundo de tristeza, que vivamos na alegria. No meio de um mundo de egoísmo, que vivamos no amor. No meio de um mundo ganancioso, que pratiquemos a partilha.
Luz para iluminar as nações.



Diário de Quarta-feira 28/12/2016


Quarta-feira, 28 de dezembro de 2016


“Entre as coisas que pretende suprimir nas suas resoluções para o ano novo, inclua a palavra "impossível!”



EVANGELHO DE HOJE
Mt 2,13-18


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 31os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. 32E ele lhes disse: “Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?”
33Os judeus responderam: “Não queremos te apedrejar por causa das obras boas, mas por causa de blasfêmia, porque sendo apenas um homem, tu te fazes Deus!” 34Jesus disse: “Acaso não está escrito na vossa Lei: ‘Eu disse: vós sois deuses’?
35Ora, ninguém pode anular a Escritura: se a Lei chama deuses as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus, 36por que então me acusais de blasfêmia, quando eu digo que sou Filho de Deus, eu a quem o Pai consagrou e enviou ao mundo? 37Se não faço as obras do meu Pai, não acre­diteis em mim. 38Mas, se eu as faço, mesmo que não queirais acreditar em mim, acreditai nas minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em mim e eu no Pai”.
39Outra vez procuravam prender Jesus, mas ele escapou das mãos deles. 40Jesus passou para o outro lado do Jordão, e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado. E permaneceu ali. 41Muitos foram ter com ele, e diziam: “João não realizou nenhum sinal, mas tudo o que ele disse a respeito deste homem, é verdade”. 42E muitos, ali, acreditaram nele.
  
Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Queiroz


Procuravam prender Jesus, mas ele escapou-lhes das mãos.
Este Evangelho narra mais uma vez a total rejeição das autoridades a Jesus. E ele não queria morrer, por isso que lhes escapou das mãos. Mas ele tinha outro desejo mais forte: ser fiel à missão que recebera do Pai.
“Por que me acusais de blasfêmia, quando eu digo que Filho de Deus?” Aí está o motivo central da condenação de Jesus: ele se considera Filho de Deus, não só ele, mas nós também, como ele disse várias vezes, e, no Pai Nosso, ensinou-nos a chamar Deus de Pai.
Se Jesus dissesse que os ricos e mandantes de povo eram filhos de Deus, não seria blasfêmia. O problema é que ele, pobre, e o povo que o seguia, também pobres, não podiam ser considerados filhos e filhas de Deus. Pobre não pode ser filho de Deus.
Hoje a desigualdade e a recusa aos pobres continua a mesma. “Todos são iguais; entretanto, alguns são mais iguais que os outros”. “Todos têm direito aos bens necessários a uma vida digna; entretanto, alguns têm mais direito que os outros”. E se alguém quer “virar essa mesa”, seja no campo ou na cidade, logo é eliminado. Não há judeu nem grego, escravo nem livre, pobre nem fico, todos vós sois um em Cristo (Cf S. Paulo).
“Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos! Se o mundo não nos conhece, é porque não conhecer o Pai. Caríssimos, desde já somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos! Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é.”
Se realmente acreditarmos que somos filhos queridos de Deus, não nos preocuparemos com o dia de amanhã nem com o dia de ontem. Deus cuida dos dois. Cabe a nós dedicar-nos ao momento presente.
Certa vez, uma criança estava com medo de dormir sozinha no quarto. Então a mãe lhe disse: “Você não vai dormir sozinho. Vocês serão seis aqui no quarto: você, o Pai, o Filho, o Espírito Santo, o Anjo da Guarda e Nossa Senhora!” E o bom é que, apesar de tantos dormindo juntos, a cama não se quebra.
Diante dessa grande dignidade nossa, de sermos filhos e filhas de Deus, S. Pedro conclui: “Por isso, dedicai todo o esforço em juntar à vossa fé a fortaleza, à fortaleza o conhecimento, ao conhecimento o domínio próprio, ao domínio próprio a constância, à constância a piedade, à piedade a fraternidade, e à fraternidade, o amor. Se essas qualidades existirem e crescerem em vós, não vos deixarão vazios... Por isso, irmãos, cuidai cada vez mais de confirmar a vossa vocação e eleição. Procedendo assim, jamais tropeçareis” (2Pd 1,5-10).
Certa vez, um grupo de jovens foi passear numa montanha. Para o lanche, levaram apenas um frango, que a mãe de um deles tinha assado.
Ao meio dia, quando todos já estavam mortos de fome, reuniram-se para comer o frango. A turma se ajuntou em cima do frango, cada um arrancando um pedaço. Um rapaz que estava lá atrás e não conseguia chegar até o frango, gritou logo: “Êi! Eu também sou filho de Deus!”
É interessante: nessas horas a gente se lembra que é filho de Deus. Vamos nos lembrar dessa maravilha durante a nossa vida inteira, e agradecer a Jesus o presente que nos deu.
Campanha da fraternidade.
O Profeta Isaías anuncia que o Messias será o Príncipe da Paz (cf. Is9, 1-5). De fato, a vida de Jesus foi marcada pelo sofrimento, pela perseguição e, conseqüentemente, pela insegurança. Por seus pais não encontrarem lugar na hospedaria de Belém, Jesus nasceu na estrebaria (cf. Lc 2,7). Seus pais precisaram fugir com ele para o Egito por causa da perseguição de Herodes, que queria matá-lo, sendo que os Santos Inocentes morreram por causa dele (cf. Mt 2,13-18). O temor pela sua vida continuou presente em seus pais quando Herodes, após sua morte, foi sucedido por seu filho Arquelau e, por isso, vão para a Galiléia (cf. Mt 2,19-23). 
Quando Jesus começou sua vida pública, foi expulso da Sinagoga de Nazaré e seus concidadãos quiseram matá-lo no precipício (cf. Lc 4,23-30). Daí para a frente, a sua vida foi sempre ameaçada. Quando Jesus, na sinagoga e em dia de sábado, curou o homem de mão seca, os fariseus tomaram a decisão de matá-lo (cf. Mt 12,9-14). Por fim, foi traído, preso, julgado e executado. Ele foi acusado injustamente de diversos delitos e, quando respondia, era tratado com violência: “Se falei mal, mostra em que errei, mas se falei certo por que me bates bates?” (Jo 18,23). Apesar de tudo isso, o Príncipe da Paz afirma do alto da cruz: “Pai, perdoa-lhes! 
Eles não sabem o que fazem!” (Lc 23,34).
Maria Santíssima ganha de nós de longe, porque ela é filha de Deus Pai, Mãe de Deus Filho e esposa do Deus Espírito Santo. Que ela nos ajude a sermos bons filhos e filhas de Deus.
Procuravam prender Jesus, mas ele escapou-lhes das mãos.




Diário de Terça-feira 27/12/2016


Terça-feira, 27 de dezembro de 2016


“Se não mudar o que faço hoje, todos os “amanhãs” serão iguais a ontem!”



EVANGELHO DE HOJE
Jo 20,2-8


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!


No primeiro dia da semana, 2Maria Madalena saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. 3Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. 4Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. 5Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou.
6Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão 7e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte. 8Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu e acreditou.
  
Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Queiroz


O outro discípulo correu mais depressa que Pedro, e chegou primeiro ao túmulo.
Hoje celebramos a festa de S. João Evangelista. A comemoração vem logo após o Natal, porque João foi o primeiro discípulo a acompanhar Jesus. Portanto, foi uma das primeiras pessoas a beber dessa Água Viva que nos foi dada no Natal.
O Evangelho narra o momento, após a morte de Jesus, em que os Apóstolos Pedro e João foram informados por Maria Madalena de que Jesus não estava no túmulo. Os dois foram correndo ao túmulo. Mas João correu mais e chegou antes de Pedro. Ele não precisava fazer isso, mas o seu amor a Jesus era tão grande que o fez correr mais depressa. O amor é assim, ele nos dá pressa.
Dos doze Apóstolos, João era, provavelmente, o mais novo. Quando começou a seguir Jesus, tinha aproximadamente dezessete anos. Por isso, foi também o último a morrer. Faleceu com perto de noventa anos.
João é irmão de outro Apóstolo: Tiago. Seus pais se chamam Zebedeu e Salomé. Os dois irmãos exerciam, junto com o pai, a profissão de pescadores. Antes de pertencer ao grupo de Jesus, eles eram discípulos de João Batista.
O próprio João narra, em seu Evangelho, o chamado que recebeu de Jesus (Jo 1,35-39). Um dia, João Batista apontou para Jesus, que passava, e disse para os seus discípulos: “Eis aí o Cordeiro de Deus”, expressão que significa Messias. João e André, irmão de Pedro, deixaram então João Batista e passaram a seguir Jesus. Jesus olhou para trás e perguntou-lhes: “Que procurais?” Eles responderam: “Mestre, onde moras?” Jesus disse: “Vinde e vede”. Eles foram, viram, e ficaram com Jesus até o fim da vida.
Como Apóstolo, João, junto com Pedro e Tiago, formavam o trio que Jesus levava consigo nas missões especiais, como a ressurreição da filha de Jairo, a transfiguração, a agonia no Jardim das Oliveiras...
Mc 10,35-41 narra que um dia João e seu irmão Tiago pediram a Jesus: “Mestre, quando estiveres na tua glória, nós dois podemos nos assentar, um a tua direita e o outro a tua esquerda?” Jesus respondeu: “Vós não sabeis o que estais pedindo. Podeis beber do cálice que eu vou beber?” Eles responderam: “Podemos”. Jesus disse: “De fato, vós bebereis do meu cálice; mas, quanto a sentar-se à minha direita ou à esquerda, isso não compete a mim, mas ao meu Pai”. Esta cena mostra que, no início, João não era nada santinho. Era ambicioso a cargos de destaque.
Em outra ocasião (Lc 9,52-55), um vilarejo de samaritanos não quis receber o grupo de Jesus. João e Tiago disseram a Jesus: “Mestre, podemos pedir fogo do céu para devorá-los?” Jesus os repreendeu. A partir daí, os dois receberam, no grupo, o apelido de Boanerges, que significa filhos do trovão (Cf Mc 3,17). Isso mostra mais uma vez que João não era muito boa bisca. Era um rapaz de temperamento impulsivo e vingativo.
Foi a convivência com Jesus que o mudou, fazendo dele o Apóstolo do amor e aquele que nos deu a maravilhosa definição de Deus: Deus é amor.
A convivência transforma as pessoas, tornando-as parecidas, no pensar, no sentir e no agir. O processo é lento e imperceptível, mas é implacável. É o que diz o provérbio: “Diz-me com quem andas, e eu te direi quem és”.
Quem fica perto do fogo, se aquece. O ferro, em contato com o fogo, muda até de cor.
O livro dos Atos dos Apóstolos narra que, após Pentecostes, João exerceu uma atividade missionária intensa. Foi justamente este seu cuidado pastoral que o levou a escrever cinco livros da Bíblia: O quarto Evangelho, as três cartas e o Apocalipse.
Podemos resumir a vida do Apóstolo João com a seguinte frase: Ele tinha um grande amor a Jesus, um grande amor à Igreja e um grande amor ao próximo. É um verdadeiro modelo de cristão.
E João recebeu de Jesus uma missão muito especial e bonita: cuidar de sua mãe, após a sua morte (Cf Jo 19,25-17). Os teólogos dizem que, ali no Calvário, João representava todos os cristãos de todos os tempos. nós. Portanto, naquele momento, ganhamos Maria por mãe.
Vamos, a exemplo de João, levar Maria para a nossa casa. Se o fizermos, podemos ter certeza que com ela irá o céu inteiro, pois ela é a Rainha do céu e da terra.
O outro discípulo correu mais depressa que Pedro, e chegou primeiro ao túmulo.




Diário de Segunda-feira 26/12/2016


Segunda-feira, 26 de dezembro de 2016


“Glória a Deus nas maiores alturas do céu! E paz na terra para as pessoas a quem ele quer bem!.”



EVANGELHO DE HOJE
Mt 10,17-22


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, disse Jesus aos seus apóstolos: 17“Cuidado com os homens, porque eles vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas. 18Vós sereis levados diante de governadores e reis, por minha causa, para dar testemunho diante deles e das nações. 19Quando vos entregarem, não fiqueis preo­cupados como falar ou o que dizer. Então naquele momento vos será indicado o que deveis dizer. 20Com efeito, não sereis vós que havereis de falar, mas sim o Espírito do vosso Pai é que falará através de vós. 21O irmão entregará à morte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se levantarão contra seus pais, e os matarão. 22Vós sereis odiados por todos, por causa do meu nome. Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo.

Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Queiroz


Não sereis vós que havereis de falar, mas sim o Espírito do vosso Pai.
Iniciamos um novo ciclo litúrgico, o do Natal, em que celebramos o mistério da Encarnação, isto é, a humanização de Deus para a divinização do homem.
Hoje é a festa de Santo Estevão, o primeiro mártir da Igreja. Por isso que nós o celebramos logo após o Natal. Ele foi o primeiro discípulo dessa criança que nasceu em Belém, e que o seguiu até no martírio.
No Evangelho, próprio da festa, Jesus nos alerta sobre a perseguição que todo cristão sofre, vivendo no meio desse mundo pecador. E ele nos dá orientações sobre como nos comportar nessas horas. Ele pede para não nos preocuparmos com o que falar, pois “não sereis vós que havereis de falar, mas sim o Espírito do vosso Pai”.
Santo Estevão foi a primeira vítima dessas perseguições, depois de Jesus. A primeira Leitura da Missa de hoje narra o seu martírio (At 6).
Veja um resumo do que narra At 6-8: Estevão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo... Entretanto, começaram a discutir com ele. Como não conseguiam resistir à sabedoria de Estevão, subornaram alguns indivíduos, que disseram: “Ouvimos este homem dizer blasfêmias contra Moisés e contra nosso Deus”. Então os doutores da Lei o prenderam e o conduziram ao sinédrio.
Lá, o sumo sacerdote perguntou a Estevão: “É verdade o que estão dizendo?” Estevão aproveitou a oportunidade para provar, pelas Escrituras, que Jesus é o Messias esperado. Ele fez um discurso longo e belíssimo. Destaques:
- O testemunho de Abraão a respeito do Messias.
- José foi perseguido por seus irmãos, por inveja (indireta às autoridades ali presentes). O exílio Babilônico aconteceu devido à dureza do coração do povo (outra indireta).
- Citando Is 66, Estevão relativiza o Templo de Jerusalém, dizendo que o Altíssimo não mora em casa feita por mãos humanas: “O céu é o meu trono, e a terra é o apoio dos meus pés. Que casa construireis para mim? Não foi minha mão que fez todas essas coisas? Tudo o que existe fui eu que fiz! Eu olho para o aflito e o de espírito abatido, e também para aquele que estremece diante das minhas palavras!”
Em seguida, Estevão falou claro e direto: “Homens teimosos, insensíveis e fechados à vontade de Deus! Vocês sempre resistiram ao Espírito Santo. São hoje como foram seus pais! A qual dos profetas os pais de vocês não perseguiram? Eles mataram aqueles que anunciavam a vinda do Justo, do qual agora vocês se tornaram traidores e assassinos. Vocês receberam a Lei promulgada através de anjos, e não a observam!”
“Ao ouvir essas palavras, eles ficaram enfurecidos e rangeram os dentes contra Estevão. Repleto do Espírito Santo, Estevão olhou para o céu e disse: ‘Estou vendo o céu aberto, e o Filho do Homem, de pé, à direita de Deus’. Então eles, dando grandes gritos e tapando os ouvidos, avançaram contra Estevão, arrastaram-no para fora da cidade e o apedrejaram. As testemunhas deixaram suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo. Enquanto o apedrejavam, Estevão clamou dizendo: ‘Senhor Jesus, acolhe o meu espírito’. Depois dobrou os joelhos e gritou forte: ‘Senhor, não os condenes por este pecado.’ E, ao dizer isto, adormeceu.” (At 7,51-60).
Este “Saulo” é São Paulo. Santo Agostinho fala que foi certamente aquela oração de Estevão que conseguiu de Deus a conversão de São Paulo. Ele disse: “Se Estevão não tivesse rezado certamente hoje não teríamos o grande Apóstolo dos gentios”.
Estevão deixou muitos exemplos para nós. Podemos destacar: a oração por aqueles que o estavam matando, o comportamento firme na hora da perseguição, o testemunho dado no tribunal etc.
Havia, certa vez, uma alta figueira, cujo tronco era bem grosso. Os animais gostavam de ficar debaixo dela, por causa da sombra. Um dia, deu um vendaval, e a figueira caiu. Aí que descobriram que ela estava oca. Sem ninguém perceber, as brocas comeram o interior daquela figueira.
Nós temos alguma coisa a aprender dessa figueira. Pelo batismo, nós nos tornamos participantes da natureza divina. Não podemos ser ocos, pois assim não resistiremos o vendaval do mundo pecador e das perseguições.
Que Maria Santíssima e Santo Estevão, nos ajudem a ser testemunhas de Jesus, nas horas fáceis e também nas difíceis.
Não sereis vós que havereis de falar, mas sim o Espírito do vosso Pai.




Diário de Domingo 25/12/2016 - DIA DE NATAL

Domingo, 25 de dezembro de 2016


“O Natal começou no coração de Deus. Só está completo quando alcançar o coração do homem.”



EVANGELHO DE HOJE
Lc 2,1-14


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 67Zacarias, o pai de João, repleto do Espírito Santo, profetizou, dizendo: 68"Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, 69que fez aparecer para nós uma força de salvação na casa de seu servo Davi, 70como tinha prometido desde outrora, pela boca de seus santos profetas, 71para nos salvar dos nossos inimigos e da mão de todos os que nos odeiam. 72Ele usou de misericórdia para com nossos pais, recordando-se de sua santa aliança 73e do juramento que fez a nosso pai Abraão, para conceder-nos, 74que, sem temor e libertos das mãos dos inimigos, nós o sirvamos, 75com santidade e justiça, em sua presença, todos os nossos dias.


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Queiroz


O sol que nasce do alto nos visitará.
Temos neste Evangelho o belíssimo cântico de Zacarias, chamado Benedictus, que ele cantou após o nascimento do filho João Batista. É um hino à fidelidade de Deus às suas promessas. Este cântico, assim como o magnificat, a Igreja repete todos os dias, nas Laudes e Vésperas respectivamente.
A primeira parte é um hino de ação de graças a Deus pela redenção iniciada. E a segunda parte é uma visão esperançosa do futuro, graças à intervenção do precursor, que abre caminho para o Messias.
O Benedictus começa dizendo: “Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo”. A redenção foi o maior presente que a humanidade recebeu. Hoje, tantos séculos depois, podemos repetir essa mesma explosão de alegria que teve Zacarias, pois a redenção é uma fonte inesgotável. Cristo veio para ficar conosco.
“Fez aparecer para nós a força da salvação.” Deus é maior que as forças do mal que querem nos levar à perdição.
“Como tinha prometido”. Deus cumpre as promessas que faz. Ele não tem pressa porque quem tem todo o poder na mão não tem pressa. A pressa é ligada à insegurança de quem não tem todo o poder.
“Para salvar-nos dos nossos inimigos.” Todos temos inimigos. São os que nos prejudicam ou querem levar-nos para o mal. Até nós, sem querer, podemos ser inimigos de alguma pessoa. Mas nenhum inimigo, da terra ou do outro mundo, isto é, o demônio, tem poder sobre nós, graças ao batismo que recebemos, pelo qual Deus nos visitou e libertou. Jesus nos deu todos os meios para nos libertarmos dos inimigos, sejam eles quais forem. Cabe a nós usar esses meios. Um deles é a Santa Igreja, que é a vida em Comunidade.
“Para que, sem temor e libertos das mãos dos nossos inimigos, nós o sirvamos, com santidade e justiça.” Santidade é viver bem com Deus. Justiça é viver bem com o próximo. E isso “sem temor”. Precisamos libertar-nos do medo, pois ele é o primeiro obstáculo que entrava na caminhada.
“Nós o sirvamos... em sua presença todos os dias da nossa vida.” Mesmo que a nossa vida dure noventa, cem ou mais anos, vamos servir a Deus todos os dias sem cansaço nem desânimo. A Bíblia está cheia de exemplos de idosos que serviram a Deus até o fim. Por exemplo, os profetas Simeão e Ana (Lc 2,25-38).
Em seguida, Zacarias se volta para seu filho: “E tu, menino, serás profeta do Altíssimo, pois irás adiante do Senhor para preparar-lhe os caminhos”. Também nós somos chamados a preparar os caminhos do Senhor.
Mas Zacarias volta a falar do Verbo encarnado: “Graças à misericordiosa compaixão do nosso Deus, o sol que nasce do alto nos visitará”. Jesus é como o sol que vence as trevas da noite e ilumina toda a terra. Que bom se saíssemos da sombra e nos deixássemos iluminar e aquecer por esse sol!
“Para iluminar os que jazem nas trevas e nas sombras da morte.” Ao vermos as luzes do Natal brilhando em toda parte, lembremo-nos de que somos portadores da luz de Cristo, especialmente para iluminar os que jazem nas trevas e sombras da morte.
Nós devíamos ser como aquelas tomadas fosforescentes. Elas recebem a luz durante o dia e a guardam. À noite, elas brilham para que as pessoas possam vê-las mesmo no escuro.
Natal é a festa da esperança. O nascimento de Jesus foi e é uma nova esperança: a nossa vida e o mundo têm conserto, porque Deus veio visitar o seu povo.
“E dirigir nossos passos no caminho da paz.” Nós queremos ter paz e ser instrumentos de paz.
Vamos olhar o nascimento de Jesus assim, com os olhos de Zacarias. Mas sem cair na fraqueza dele, tendo dúvidas a respeito da ação divina.
Certa vez, um rapaz estava caindo num barranco e se agarrou às raízes de uma árvore. Em cima do barranco havia um leão querendo devorá-lo.O leão rosnava e mostrava os dentes. Embaixo, prontas para engoli-lo quando caísse, estavam nada menos que seis onças.
Ele erguia a cabeça, via o leão; abaixava a cabeça, via as onças miando e de olhos fitos nele. Em determinado momento, ele olhou para o lado e viu um morango vermelho, madurinho e cheiroso. Com grande esforço, conseguiu apanhar o morango, levou-o à boca e se deliciou com o seu sabor doce e suculento. Foi um grande prazer comer aquele morango tão gostoso.
Agora você me pergunta: E o leão? Dane-se! Esqueça o leão e as onças e coma os morangos, pois Deus visitou e redimiu o seu povo. Deus veio nos visitar, vamos soltar-nos em suas mãos!
Que Maria Santíssima, Zacarias, Isabel e João Batista intercedam por nós, para que celebremos bem o nascimento de Jesus.
O sol que nasce do alto nos visitará.







VÍDEO DA SEMANA

Ainda dá tempo de você viver verdadeiramente este natal.
Veja o vídeo no link abaixo e reflita.





http://www.youtube.com/watch?v=wORD3IrTJ_k







MOMENTO DE REFLEXÃO

Natal é mais, muito mais...

Natal...
Como vejo o Natal?!
Um abraço, um sorriso, um cartão virtual?
Natal é mais, muito mais...

É este desejo profundo de um momento
de harmonia e de paz;

É o poder olhar nos olhos de quem se gosta
e celebrar o amor sem fim;

É a ternura que se expressa numa reunião familiar
por uma pequena criança
numa manjedoura;

É a pessoa que se entrega, que se doa,
que respeita e se compromete;

É muito mais que um nascimento a ser lembrar,
não é apenas uma festa a se organizar;

Não é apenas liberar os que tem penas a cumprir,
mas indultar os que tem necessidade de justiça;

Não é apenas época de uma ajuda natalina,
o Natal passa e a necessidade continua;

Passa a ceia suculenta e permanece
o frio, a fome, a solidão, a agonia, os maus-tratos,
a falta de cidadania;

Lembre-se o Natal é muito mais...
Enxergue os invisíveis que caminham a seu lado,
pessoas que não são ouvidas, lamentadas, sentidas...

O Natal não é só um dia,
não olvide e aqueça o teu
com um fraterno abraço

Pobre ou rico,
neste dia de renascimento
o essencial é o amor!

Delasnieve Daspet






Diário de Sábado 24/12/2016- Noite de Natal


Sábado, 24 de dezembro de 2016



"Dar o exemplo não é a melhor maneira de influenciar os outros. É a única." (Albert Schweitzer)



EVANGELHO DE HOJE
Lc 1,67-79


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 67Zacarias, o pai de João, repleto do Espírito Santo, profetizou, dizendo: 68"Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, 69que fez aparecer para nós uma força de salvação na casa de seu servo Davi, 70como tinha prometido desde outrora, pela boca de seus santos profetas, 71para nos salvar dos nossos inimigos e da mão de todos os que nos odeiam. 72Ele usou de misericórdia para com nossos pais, recordando-se de sua santa aliança 73e do juramento que fez a nosso pai Abraão, para conceder-nos, 74que, sem temor e libertos das mãos dos inimigos, nós o sirvamos, 75com santidade e justiça, em sua presença, todos os nossos dias.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Queiroz


O sol que nasce do alto nos visitará.
Temos neste Evangelho o belíssimo cântico de Zacarias, chamado Benedictus, que ele cantou após o nascimento do filho João Batista. É um hino à fidelidade de Deus às suas promessas. Este cântico, assim como o magnificat, a Igreja repete todos os dias, nas Laudes e Vésperas respectivamente.
A primeira parte é um hino de ação de graças a Deus pela redenção iniciada. E a segunda parte é uma visão esperançosa do futuro, graças à intervenção do precursor, que abre caminho para o Messias.
O Benedictus começa dizendo: “Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo”. A redenção foi o maior presente que a humanidade recebeu. Hoje, tantos séculos depois, podemos repetir essa mesma explosão de alegria que teve Zacarias, pois a redenção é uma fonte inesgotável. Cristo veio para ficar conosco.
“Fez aparecer para nós a força da salvação.” Deus é maior que as forças do mal que querem nos levar à perdição.
“Como tinha prometido”. Deus cumpre as promessas que faz. Ele não tem pressa porque quem tem todo o poder na mão não tem pressa. A pressa é ligada à insegurança de quem não tem todo o poder.
“Para salvar-nos dos nossos inimigos.” Todos temos inimigos. São os que nos prejudicam ou querem levar-nos para o mal. Até nós, sem querer, podemos ser inimigos de alguma pessoa. Mas nenhum inimigo, da terra ou do outro mundo, isto é, o demônio, tem poder sobre nós, graças ao batismo que recebemos, pelo qual Deus nos visitou e libertou. Jesus nos deu todos os meios para nos libertarmos dos inimigos, sejam eles quais forem. Cabe a nós usar esses meios. Um deles é a Santa Igreja, que é a vida em Comunidade.
“Para que, sem temor e libertos das mãos dos nossos inimigos, nós o sirvamos, com santidade e justiça.” Santidade é viver bem com Deus. Justiça é viver bem com o próximo. E isso “sem temor”. Precisamos libertar-nos do medo, pois ele é o primeiro obstáculo que entrava na caminhada.
“Nós o sirvamos... em sua presença todos os dias da nossa vida.” Mesmo que a nossa vida dure noventa, cem ou mais anos, vamos servir a Deus todos os dias sem cansaço nem desânimo. A Bíblia está cheia de exemplos de idosos que serviram a Deus até o fim. Por exemplo, os profetas Simeão e Ana (Lc 2,25-38).
Em seguida, Zacarias se volta para seu filho: “E tu, menino, serás profeta do Altíssimo, pois irás adiante do Senhor para preparar-lhe os caminhos”. Também nós somos chamados a preparar os caminhos do Senhor.
Mas Zacarias volta a falar do Verbo encarnado: “Graças à misericordiosa compaixão do nosso Deus, o sol que nasce do alto nos visitará”. Jesus é como o sol que vence as trevas da noite e ilumina toda a terra. Que bom se saíssemos da sombra e nos deixássemos iluminar e aquecer por esse sol!
“Para iluminar os que jazem nas trevas e nas sombras da morte.” Ao vermos as luzes do Natal brilhando em toda parte, lembremo-nos de que somos portadores da luz de Cristo, especialmente para iluminar os que jazem nas trevas e sombras da morte.
Nós devíamos ser como aquelas tomadas fosforescentes. Elas recebem a luz durante o dia e a guardam. À noite, elas brilham para que as pessoas possam vê-las mesmo no escuro.
Natal é a festa da esperança. O nascimento de Jesus foi e é uma nova esperança: a nossa vida e o mundo têm conserto, porque Deus veio visitar o seu povo.
“E dirigir nossos passos no caminho da paz.” Nós queremos ter paz e ser instrumentos de paz.
Vamos olhar o nascimento de Jesus assim, com os olhos de Zacarias. Mas sem cair na fraqueza dele, tendo dúvidas a respeito da ação divina.
Certa vez, um rapaz estava caindo num barranco e se agarrou às raízes de uma árvore. Em cima do barranco havia um leão querendo devorá-lo.O leão rosnava e mostrava os dentes. Embaixo, prontas para engoli-lo quando caísse, estavam nada menos que seis onças.
Ele erguia a cabeça, via o leão; abaixava a cabeça, via as onças miando e de olhos fitos nele. Em determinado momento, ele olhou para o lado e viu um morango vermelho, madurinho e cheiroso. Com grande esforço, conseguiu apanhar o morango, levou-o à boca e se deliciou com o seu sabor doce e suculento. Foi um grande prazer comer aquele morango tão gostoso.
Agora você me pergunta: E o leão? Dane-se! Esqueça o leão e as onças e coma os morangos, pois Deus visitou e redimiu o seu povo. Deus veio nos visitar, vamos soltar-nos em suas mãos!
Que Maria Santíssima, Zacarias, Isabel e João Batista intercedam por nós, para que celebremos bem o nascimento de Jesus.
O sol que nasce do alto nos visitará.

Lc 2,1-14 (Missa da noite, Solenidade do Natal)

Hoje, nasceu para vós um Salvador.
Com muita alegria, celebramos nesta noite o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. O Evangelho narra como foi o nascimento de Jesus. Chama a nossa atenção a situação de pobreza em que Maria deu à luz. Todos nós tivemos uma cama ou um berço onde fomos colocados quando nascemos. Jesus teve de ser colocado numa manjedoura, isto é, num coxo de animais. Admira-nos também a beleza com que os anjos deram a notícia aos pastores.
“Glória a Deus no mais alto dos céus, e paz na terra aos homens por ele amados.” Essas palavras dos anjos expressam bem os nossos sentimentos nesta noite. Damos glória a Deus e pedimos a paz para a terra, especialmente para os homens e mulheres mais queridos de Deus.
Nós nunca conseguimos entender o tamanho do amor de Deus por nós, manifestado no Natal. Somos felizes, porque Deus nos abraçou e fez um eterno pacto de amor conosco. “De tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único” (Jo 3,16).
Com o pecado original, quem ofendeu a Deus e separou-se dele foi o homem. Entretanto, Deus não esperou que o homem o procurasse, mas ele mesmo o procurou, através de seu Filho. Deus deu o primeiro passo. Cabe a nós corresponder a esse gesto. “Nós amamos, porque Deus nos amou primeiro” (1Jo 4,19).
“O que é o homem, Senhor, para que o ames tanto assim? O que o ser humano tem em si, que conseguiu fascinar-te desse jeito?” (Sl 8,5). Por isso que a festa do Natal é tão bonita. É uma eterna explosão de alegria e de gratidão a Deus.
Antes, as pessoas se perguntavam: Por que a dor? Por que a humilhação? Qual é o sentido do sofrimento?... No Natal temos as respostas. Deus, tornando-se homem, humilhou-se, sentiu dor e passou pelos mais diversos sofrimentos, para dizer que o amor é maior que tudo isso. Ele veio dizer que não estamos sozinhos nas intempéries da vida. “Se conhecesses do Dom de Deus!” (Jo 4,10).
Pelo batismo, fomos inseridos em Cristo, participamos da sua missão e conseqüentemente dos seus sofrimentos, perseguições e humilhações, pela redenção do mundo. Infelizmente, o presente que é Jesus ainda não chegou a milhões de pessoas, simplesmente porque não há pessoas disponíveis em levá-lo!
“Não tenhais medo! Eu vos anuncio uma grande alegria, que o será para todo o povo: Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós um Salvador...” Vamos atender ao apelo do anjo, vencer o medo e nos deixar contagiar por essa alegria do Natal.
O Verbo eterno, vindo à terra, não só recuperou tudo o que o ser humano tinha perdido pelo pecado, mas o enriqueceu muito mais. Agora temos em nós a natureza divina e somos filhos e filhas de Deus!
Entretanto, a recusa à Luz continua. A recusa de abrir o coração para Jesus vir e nascer, continua. Por isso que todos os anos repetimos a festa do Natal. Cada ano estamos numa situação diferente, e é nesta nova situação que Jesus quer nascer. Assim, a festa do Natal todos os anos se torna real e não algo repetitivo. Jesus bate de novo à nossa porta e pede entrada.
O advento teve a finalidade de nos preparar para este Natal vivo e atualizado. Precisamos nivelar os morros, tapar os buracos e endireitar as curvas, diz Isaías, um dos profetas do advento. As luzes que vemos brilhar em toda parte nesta noite vêm nos convidar a ser também luz de Deus no mundo. Assim, não somos meros espectadores da festa do Natal, mas nos inserimos nela para acolher novamente o Salvador.
Certa vez, uma família estava preparando a ceia de Natal, e a filhinha de nove anos pediu se podia convidar uma amiguinha. Os pais permitiram. Na hora da festa, a menina apareceu. Foi aquele espanto, porque era uma menina de rua, bem pobre e mal vestida. Todos ali vestidos com roupas de luxo, e a pobrezinha no meio deles. A filha foi uma verdadeira profetiza.
Que Maria Santíssima e S. José nos ajudem a corresponder a esse amor de Deus, tendo um coração novo, igual ao de Jesus. Que sejamos também envolvidos por aquela luz que veio aos pastores, e nos tornemos estrelas, como aquela que guiou os reis magos.
Hoje, nasceu para vós um Salvador.







CASA, LAR E FAMÍLIA


Se puder escolher, a melhor escolha será sempre o amor
As pessoas, as comunidades, os países e os governos já tentaram todo tipo de abordagem para obterem paz e realização. Até agora, todos falharam.
Luiz Higino Polito


Vemos, assombrados, as notícias do Brasil e do mundo onde a intolerância, a violência, a ganância, a corrupção, o egoísmo e a sede de poder têm levado as pessoas a se sentirem cada vez mais inseguras, infelizes e com medo do futuro.

Insegurança, infelicidade e medo

Sonhamos com um lugar seguro para nós e nossos filhos: um lugar onde pudéssemos viver sem medo de sermos assaltados, enganados, maltratados ou mesmo mortos pela violência de todos os tipos.

Todos nós queremos ser felizes, termos recursos suficientes pelo menos para a nossa sobrevivência. Queremos sentir alegria por estarmos vivos, precisamos nos sentir amados, queremos ter controle sobre nós mesmos, ansiamos por nos sentirmos realizados em nossa vida.

Também não queremos sentir medo do futuro, nem medo do vizinho, nem dos desconhecidos, nem dos poderosos e nem medo da morte.

Será mesmo possível de se alcançar esses objetivos, ou seja, o de nos sentirmos seguros, felizes e sem medo?

O mundo em que vivemos

A desintegração dos valores como honestidade, decência, respeito, tolerância, altruísmo e empatia, tem levado o mundo a se tornar esse lugar árido, perigoso e hostil. Existem países que vivem na mais completa miséria. Outros países, em guerras entre seus próprios conterrâneos com os combatentes apoiados por poderosos fabricantes de armas de destruição, que, hipocritamente, demonstram interesse em resolver os problemas domésticos dos países em guerra, quando na verdade, o interesse deles é o lucro e o poder.

Doenças antes praticamente erradicadas voltam a assombrar a todos os viventes, como dengue, malária, e novas doenças surgem como ebola, chikungunya, e muitas outras piores.

Que abordagem é a melhor?

No caso de se obter felicidade pessoal, vi que o amor (amor caridade, amor fraterno, amor amizade e o amor sentimental), funcionam de verdade.

Sei que o amor funciona em muitas das facetas da nossa vida, mas como o amor pode funcionar com as bombas caindo sobre nossas cabeças? Como conseguir sentir amor pelos adversários que matam nossos filhos da forma mais cruel que existe? Como sentir amor por pessoas que trucidam nossos pais, filhos, parentes, amigos, sob o efeito de drogas alucinantes, ou buscam o poder através da mentira e outros meios imorais e ilegais?

Religião

A religião, para alguns, lembra abusos e guerras que mataram milhões de pessoas. Só que essa "religião" não é a religião verdadeira. A religião verdadeira prega o amor ao próximo, frugalidade, nenhuma busca de riquezas materiais extraordinárias, prega a ajuda aos necessitados, respeito, amor ao próximo, amor a Deus e amor a si mesmo, pois todos somos filhos do mesmo Pai dos Céus.

Quando aprenderemos que todos nós somos irmãos, todos terráqueos, todos humanos, todos vivendo dentro do mesmo barco que, se afundar, vai afundar com todos nós dentro dele?

A grande dificuldade é que a maioria da humanidade se esqueceu de Deus (ou não quer pensar nisso), e preferem viver de mentiras (nas quais acabam acreditando, de tanto as repetirem ou defenderem), não se constrangem em se apropriarem do que não lhes pertence, nem de usufruir do que não trabalharam para conseguir. Querem aproveitar do bem desta Terra sem se esforçarem e sem ligarem para o prejuízo que estão causando ao seu próximo ou a inúmeras pessoas que não conhecem. Usam fórmulas ultrapassadas ou então, deliberadamente, usam fórmulas que acham serem melhores para obterem o poder para dominar as pessoas mais simples, esquecendo-se da infalível terceira Lei de Newton, que postula que "Actioni contrariam semper et aequalem esse reactionem: sine corporum duorum actiones in se mutuo semper esse aequales et in partes contrarias dirigi", ou seja, " A toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade: as ações mútuas de dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas em sentidos opostos."

Até o último centavo

As Leis do Universo existem de tal forma que ninguém escapa de seus efeitos, seja cedo ou tarde, aqui ou em alguma outra dimensão, ou eternidade. Quem se acha mais esperto do que os outros e se aproveita deles, um dia terá que reparar o dano causado. A crença em tal lei de causa e efeito é aceita pela grande maioria da humanidade, seja de pessoas religiosas ou não.

Escolha sempre o bem, quando tiver escolha

Somos fracos, imperfeitos e acomodados, muitas vezes. Quando estivermos em nosso juízo perfeito e em condições de saúde para escolher entre a guerra ou a paz, a violência ou o diálogo, a intolerância ou a empatia, que todos nós possamos escolher o caminho da paz, do diálogo e da empatia. Outras escolhas trarão a nós dores a curto ou a longo prazo.

O que realmente muda as pessoas a longo prazo?

Um grande e inspirado homem, Spencer Kimball, disse certa vez uma coisa que deveria ser escrita em mármore e sempre lembrada por todos nós: "A longo prazo, o que muda as pessoas é o amor" (amor aqui se referindo à fraternidade, caridade, paciência com o próximo, respeito pelas diferenças e desejo real de ajudar).

O amor (caridade) parece ser mesmo o único catalizador que poderá salvar as pessoas, países e humanidade.

Será que um dia conseguiremos entender e aceitarmos isso? Tomara que sim, talvez ainda tenhamos tempo







MOMENTO DE REFLEXÃO


Na noite de Natal olhe para o céu e procure a estrela guia.
Na imensidão dessa pintura que é o céu, uma estrela vai brilhar mais intensamente pra você.
Essa é a sua estrela.
Olhe nessa direção e pense em Jesus.
Lembre-se que há mais de 2000 anos atrás, uma estrela anunciou a sua chegada.
Imagina-te cercada de luz por sua estrela.
Acalme seu coração.
Esqueça os problemas do ano que acaba.
Concentre-se na luz. Concentre-se nas possibilidades que se abrem com um novo ano. Peça saúde e paz..
Que neste Natal, seus olhos apontem mais do que um caminho e te mostrem a direção correta.
Que seus braços sirvam de amparo para os que caem pelo caminho.
Que seus pés levem socorro aos infelizes.
Que seu lindo sorriso seja mais constante e sirva de consolo aos que choram.
Que suas palavras continuem sendo doces e elevem qualquer pessoa.
Que o seu coração se abra e receba a luz.
Que a sua vida seja luz.
Que seu maior amigo seja sempre Ele, Jesus.
Que neste Natal, seu maior presente seja a paz de Cristo
Antes de abraçares qualquer pessoa, primeiro aprenda a gostar de você, amar-se como és e acima de tudo, aprenda a respeitar-se.
Na noite de natal, seja feliz, muito feliz.