Páginas


(clique abaixo para ouvir a música)

LITURGIA DIÁRIA

LITURGIA DIÁRIA - REFLEXÕES E COMENTÁRIOS

Diário de Quinta-feira 29/09/2016


Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016


“Não tropeçamos nas grandes montanhas, mas nas pequenas pedras” (Augusto Cury)



EVANGELHO DE HOJE
Jo 1,47-51

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo,
47Jesus viu Natanael que vinha para ele e comentOu:
"Aí vem um israelita de verdade,
um homem sem falsidade".
48Natanael perguntOu:
"De onde me conheces?"
Jesus respondeu:
"Antes que Filipe te chamasse,
enquanto estavas debaixo da figueira,
eu te vi".
49Natanael respondeu:
"Rabi, tu és o Filho de Deus,
tu és o Rei de Israel".
50Jesus disse:
"Tu crês porque te disse:
Eu te vi debaixo da figueira?
Coisas maiores que esta verás!"
51E Jesus continuou:
"Em verdade, em verdade, eu vos digo:
Vereis o céu aberto
e os anjos de Deus subindo e descendo
sobre o Filho do Homem".

www.paulinas.org.br/diafeliz
  

Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz


Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem.
Hoje nós celebramos três arcanjos: Miguel, Gabriel e Rafael. O Evangelho é próprio da festa.
A palavra anjo significa enviado, mensageiro; eles são os mensageiros de Deus para nós.
A Bíblia fala mais de trezentas vezes a respeito dos anjos. E a Igreja sempre acreditou na existência deles. A presença dos anjos em nossa vida é mais um sinal do amor infinito de Deus por nós, e da sua criatividade em promover a nossa felicidade e salvação.
Os anjos estão muito ligados à nossa tradição católica brasileira. Basta ver as nossas igrejas de estilo barroco e colonial, quantos anjos têm.
No Antigo Testamento, os anjos aparecem muitas vezes como simples manifestações de Deus. A expressão “Anjo de Javé”, que aparece muito no Antigo Testamento, designa o próprio Javé (Deus) enquanto se manifesta aos homens.
Nós não sabemos como que os anjos são realmente. Isso nos ultrapassa e não nos foi revelado, talvez porque nem precisa. Mas alguma coisa sabemos. Eles são espíritos, criados por Deus para nos ajudar: “Não são todos eles (os anjos) espíritos que estão encarregados de um ministério, enviados a serviço daqueles que deverão herdar a salvação?” (Hb 1,14).
As representações dos anjos em forma de crianças com asas são puramente imaginárias. É um modo que a tradição cristã encontrou para expressá-los.
Quanto aos três arcanjos da festa de hoje, S. Miguel (Quem é como Deus?) é o arcanjo que se insurgiu contra satanás e seus seguidores (Jd 9; Ap 12,7; Zc 13,1-2). Ele é o defensor dos amigos de Deus (Dn 10,12.21) e o protetor do seu povo (Dn 12,1).
S. Gabriel (Força de Deus) é um dos espíritos que estão diante de Deus (Lc 1,19), revela a Daniel os segredos do plano de Deus (Dn 8,16; 9,21-22), anuncia a Zacarias o nascimento de João Batista (Lc 1,11-20) e a Maria o nascimento de Jesus. S. Gabriel é o mensageiro de Deus, que dá sempre boas notícias.
S. Rafael (Deus cura) está também entre os sete anjos que estão diante do trono de Deus (Tb 12,15; Ap 8,2). Ele acompanha e protege Tobias nas peripécias de sua viagem e cura-lhe o pai cego. A missão de S. Rafael é nos proteger.
A Igreja peregrina sobre a terra associa-se às multidões dos anjos que na Jerusalém celeste contam a glória de Deus (Ap 5,11-14).
Dia 29 de setembro recorda a dedicação da basílica de S. Miguel, em Roma, inaugurada no séc. V.
No Evangelho de hoje Jesus fala: “Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”. É uma referência ao sonho de Jacó (Cf Gn 28,12). Ele viu o céu aberto, uma escada que ligava a terra ao céu, e os anjos de Deus subindo e descendo. Embaixo estava o Filho do Homem, isto é, Jesus, colocando a escada. Na verdade, a escada é o próprio Jesus, que recuperou a ligação entre a terra e o céu, ligação que fora rompida pelo pecado original. A escada simboliza também todas as manifestações de Deus aos homens: a natureza, os acontecimentos da história, os profetas, a Bíblia... e também os anjos. Por essa escada “é chuva que à terra desce, é prece que sobe ao céu”.
Certa vez, em um orfanato ouvia-se um murmúrio excitado, porque uma senhora estava para chegar e levar a pequena Ana Paula com ela para a sua casa. A menina ainda estava confusa em seus pensamentos.
“Você quer ir comigo para casa e ser minha filha?” perguntou a senhora falando delicadamente. “Eu não sei”, respondeu Ana Paula timidamente. “Mas eu vou dar a você roupas bonitas e muitas outras coisas. Você terá um quarto só seu e uma mesa com cadeira”.
Depois de um pequeno momento em silêncio, a menina falou com ansiedade: “Mas o que terei de fazer para ganhar tudo isso?” Com lágrimas correndo pelo rosto, a senhora lhe disse: “Apenas amar-me e ser minha filha”. Disse isso enquanto abraçava a menina junto a seu peito.
Deus nos adotou como filhos e filhas e nos dá tanta coisa, inclusive os anjos como protetores. E tudo o que ele pede de nós é que o amemos e lhe obedeçamos.
S. Gabriel trouxe para nós a maior alegria do mundo, transmitindo a Maria Santíssima a grande notícia vinda de Deus, de que ela foi escolhida para ser a Mãe do Messias. Na primeira parte da Ave Maria, nós repetimos, agradecidos, aquelas palavras do arcanjo S. Gabriel.
Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem.










MUNDO ANIMAL


Dúvida na gravidez: meu gato poderá ser um perigo

O marido não apreciou, a mãe reclamou e a sogra teve chiliques, mas a realidade é que ninguém conseguiu convencer a gestante a doar o gato após o nascimento do bebê.

Questão extremamente delicada, a decisão de manter seu fiel amigo em um dos momentos mais delicados da vida pode ser uma das primeiras sensações de culpa que acompanha os primórdios da maternidade. Família, nessa hora, nem sempre ajuda, jogando ainda mais areia nas (boas) intenções da dona do animal. Isso mesmo, areia. Uma das grandes vilãs da permanência do gato em uma casa com bebê, a areia é onde ficarão os dejetos do gato que de mimoso passa a ser a criatura mais perigosa do mundo. E não adianta dizer “bebê, não toca naquela areia!”. Esqueça. Criança ama areia. E parentes antigatos adoram saber disso.

Mergulhada em todas essas possibilidades de acidentes envolvendo o gato e o filho, está perdida uma gestante e, não raro, aos prantos.

E agora? Estar condenada ao título de Mãe Irresponsável do Ano antes mesmo de o filho nascer? A quem pedir ajuda se o pediatra do priminho condena e a ginecologista absteve-se da votação? Com aliados zero, o coração da futura mamãe continua em apuros. A questão é que não é qualquer gato: é o Mimi, felino que com ela vive desde os tempos de solteira. Pode ter sido presente do pai no dia da formatura, um fiapo de animal que pegou na rua, não importa.

O fato é que Mimi é seu amigo, testemunha muda de suas faltas, seu grande confidente e companheiro e nada disso tem valor para a família que pergunta, a todo instante, se o gato pulguento já foi para outra casa.

mulher-gravida-feliz-gato-petredeDoar o Mimi ?! Nem pensar!

Quer dar uma chance a ele? É possível ficar com Mimi e se livrar da pressão da família? Muito bem, vamos por etapas. Do que todos têm medo, afinal? Antes de dar sumiço no gato, é preciso esclarecer a todos o real risco que mãe e bebê estão submetidos na presença dele, e avaliação profissional é o mais sensato a fazer.

Exames específicos, realizados com algum intervalo de tempo, podem colaborar com as justificativas tão necessárias para escorar a decisão da jovem mãe. O veterinário é o profissional mais adequado para orientar sobre os cuidados que evitarão problemas no futuro, resultados que deixarão a imagem de nosso bichano livre de qualquer arranhão.

Mas atenção!

Se o gato for temperamental _ embora querido com sua dona, é traiçoeiros para outras pessoas –, o desconforto dos familiares passa a ter fundamento. Quando a criança engatinhar e esbarrar no mascote, a estatueta de Irresponsável do Ano terá uma eleita.

Muitas gestantes recorrem à castração dos animais para torná-los mais dóceis. Funciona? Não. Se o gato é adulto e acostumado a esse tipo de conduta, uma castração não reverterá sua personalidade.

Na dúvida, não ultrapasse. Se a dona do gato não está segura sobre as atitudes dele, o melhor a fazer é dar um tempo, o que não quer dizer doar em definitivo. A casa da vovó é uma alternativa. Mais tarde, se Mimi não se mostrar amável na presença da criança, ou se o bebê não parar de espirrar, lamento dizer, mas existem prioridades.

Embora continue sendo a vovó uma boa opção, vizinhos, parentes e amigos também constituem uma outra forma de manter o contato com o querido mascote que, sabemos, gosta muito de sua dona e age apenas seguindo instintos contra essa grande ameaça que se tornou o “filhote” dela.









MOMENTO DE REFLEXÃO


Narra o escritor Bruce Barton que, na Palestina, existem dois mares bem distintos.
O primeiro deles é fresco e cheio de peixes. Possui margens adornadas com bonitas plantas e muitas árvores as rodeiam, debruçando seus galhos em suas águas, enquanto deitam as raízes nas águas saudáveis para se dessedentarem.
Suas praias são acolhedoras e as crianças brincam felizes e tranquilas.
Esse mar de borbulhantes águas é constituído pelo rio Jordão. Ao redor dele, tudo é felicidade.
As aves constroem os seus ninhos, enchendo com seus cantos a paisagem de paz e de risos. Os homens edificam suas casas nas redondezas para usufruírem dessa classe de vida.
Mas, o rio Jordão prossegue para além, em direção ao sul, em direção a outro mar.
Ali tudo parece tristeza. Não há canto de pássaros, nem risos de crianças. Não há traços de vida, nem murmúrio de folhas.
Os viajantes escolhem outras rotas, desviando-se desse mar de águas não buscadas por homens, nem cavalgaduras, nem ave alguma.
Se ambos os mares recebem as águas do mesmo rio, o generoso Jordão, por que haverá entre ambos tanta diferença?
Num, tudo canta a vida, noutro parece pairar a morte.
Não é o rio Jordão o culpado, nem causa é o solo sobre o qual estão, ou os campos que os rodeiam.
A diferença está em que o Mar da Galiléia recebe o rio, mas não detém as suas águas, permitindo que toda gota que entre, também saia, adiante.
Nele, o dar e receber são iguais.
O outro é um mar avarento. Guarda com zelo todas as gotas que nele ingressam. A gota chega e ali fica. Nele não há nenhum impulso generoso.
O Mar da Galiléia dá de forma incessante e vive de maneira abundante.
O outro nada dá e é chamado de Mar Morto.




Diário de Quarta-feira 28/09/2016


Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016


“Fazer todos os dias um bom dia, essa é a mais elevada das artes.” (Henry Thoreau)




EVANGELHO DE HOJE
Lc 9,57-62

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo:
57Enquanto estavam caminhando,
alguém na estrada disse a Jesus:
'Eu te seguirei para onde quer que fores.'
58Jesus lhe respondeu:
'As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos;
mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça.'
59Jesus disse a outro: 'Segue-me.'
Este respondeu: 'Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai.'
60Jesus respondeu:
'Deixa que os mortos enterrem os seus mortos;
mas tu, vai anunciar o Reino de Deus.'
61Um outro ainda lhe disse: 'Eu te seguirei, Senhor,
mas deixa-me primeiro despedir-me dos meus familiares.'
62Jesus, porém, respondeu-lhe:
'Quem põe a mão no arado e olha para trás,
não está apto para o Reino de Deus.'
www.paulinas.org.br/diafeliz
  

Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz


Não desprezeis nenhum desses pequeninos.
Eu te seguirei para onde quer que fores.
Este Evangelho narra três exemplos de vocações. O primeiro e o terceiro são as pessoas que se apresentam a Jesus, e o segundo é Jesus que chama.
O primeiro vocacionado é generoso: “Eu te seguirei para onde quer que fores”. Mas Jesus joga água fria no entusiasmo dele, dizendo: “As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça”. Este recado vale para nós hoje. Se alguém assume a vocação cristã, ou qualquer específica dentro da Igreja, pensando em ter algum retorno em bens materiais, ou em boa vida, vai dar com os burros n’água, pois acontecerá o contrário: será pobre e carregará a cruz.
Jesus era pobre e fazia questão que as pessoas que queriam segui-lo soubessem disso, a fim de não terem ilusões. Soubessem não só que Jesus era pobre, mas que essa era a sorte dos seus seguidores. Deus é infinitamente poderoso e é nosso Pai; ele não deixa nenhum de nós passar necessidade de qualquer bem material que necessita.
Ao segundo vocacionado Jesus apresenta outra condição: “Deixa que os mortos (espiritualmente) enterrem os seus mortos (materialmente), mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. Em outras palavras, o discípulo deve sentir-se livre frente aos compromissos com a sua família e o seu ambiente. Dificilmente um cristão poderá sentir-se livre, se não está disposto a viver e agir de forma diferente dos padrões aceitos pelos parentes, vizinhos e os de sua terra natal. Por exemplo, Francisco de Assis tornar-se mendigo, pertencendo a uma família rica.
Durante séculos, as ordens religiosas foram o caminho quase único que libertava do todo-poderoso ambiente familiar e permitia seguir melhor o caminho do Evangelho.
Ao terceiro vocacionado, que quer despedir-se da família, Jesus responde: “Quem põe a mão no arado e segue olhando para trás, não está apto para o Reino de Deus”. Há pessoas que dizem a Jesus que querem segui-lo, mas a vida diz o contrário. Outras dizem a Jesus: eu gostaria, eu quereria, eu tenho vontade... Nada disso vale para Jesus. O que vale para ele é: “Eu quero”, e ponto final.
Nesta última resposta de Jesus: “Quem põe a mão no arado e segue olhando para trás, não está apto para o Reino de Deus”, há uma referência bíblica à mulher de Lot (Gn 19,26). Deus permitiu um grande incêndio que destruiu Sodoma e Gomorra, duas cidades que viviam no pecado. Mas antes Deus quis salvar os seus amigos Lot e a família. Os anjos de Deus colocaram-nos fora da cidade e recomendaram: “Não olheis para trás (Gn 19,17). A esposa de Lot desobedeceu e olhou para trás, e tornou-se uma estátua de sal.
O touro, quando vai numa direção, nem cerca o segura. Assim devemos ser. Prometer pouco, mas o que prometemos, cumprimos, ainda que caia o mundo ao nosso redor.
Vivemos uma cultura do descartável: o copo é descartável, o guardanapo é descartável... E muitos consideram os compromissos também descartáveis.
Sobre o casamento, alguns dizem: “O casamento dura enquanto dura o amor”. Vêem o amor como simples sentimento. Mas amor não é só sentimento. É compromisso. “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por quem ama”.

Maria Santíssima, quando foi chamada por Deus, deu uma resposta imediata, generosa e total. Não só acolheu o chamado, mas disse para Deus que estava à disposição dele para o que der e vier, pois era sua escrava. Santa Maria , rogai por nós.
Eu te seguirei para onde quer que fores.









CURIOSIDDES


Fatos que você desconhecia


1-Os doadores de sangue na Suécia recebem uma mensagem de texto a cada vez que uma pessoa é salva pela doação.


2- Toda a equipe da Pixar precisou se graduar em Biologia Marinha para produzir o filme “Procurando Nemo” sem nenhum erro.


3- Estudos mostraram que a internet está nos tornando pessoas sozinhas, depressivas e possivelmente loucas.


4- Você sabia que o famoso personagem Pateta teve uma esposa, mas ela acabou morrendo?


5- O Facebook perde $24.420 dólares a cada vez que sai do ar.


6- Katy Perry e Michael Jackson são os únicos artistas que tiveram 5 músicas número 1 vindas do mesmo disco.


7- As modelos da Victoria’s Secret são escolhidas com base no seu apelo com as mulheres e não com os homens.


8- Jack Chan começou a sua carreira na indústria pornográfica. Você sabia?


9- A anuptafobia é o medo de permanecer solteiro. Você tem isso?


10- Passar por experiências ruins, na verdade, te faz uma pessoa mais inteligente e planejadora.









MOMENTO DE REFLEXÃO


-Conclua um projeto que estava pendente há tempos.

-Surpreenda alguém dando um pouco mais do que era esperado.

-Aproveite o tempo para aprender algo novo.

-Ofereça sua companhia ou conforto a alguém que precise.

-Ensine o que você sabe a alguém.

-Procure entender um ponto-de-vista oposto ao seu.

-Elogie alguém com sinceridade.

-Saia para uma boa caminhada.

-Organize os papéis na sua mesa.

-Diga obrigado a alguém.

-Preste atenção quando outros estiverem falando.

-Faça algo divertido, apenas pelo prazer de fazê-lo.

-Seja mais paciente consigo mesmo e com as pessoas ao seu redor.

-A vida é tão especial quanto você a faz.

-Gratifique-se hoje e veja quão brilhante você pode fazer o seu amanhã.




Diário de Terça-feira 27/09/2016


Terça-feira, 27 de Setembro de 2016


“Fazer o bem é a minha religião.” (Thomas Paine)



EVANGELHO DE HOJE
Lc 9,51-56

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


51Estava chegando o tempo de Jesus ser levado para o céu. Então ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém 52e enviou mensageiros à sua frente. Estes puseram-se a caminho e entraram num povoado de sama­ritanos, a fim de preparar hospedagem para Jesus. 53Mas os samaritanos não o receberam, pois Jesus dava a impressão de que ia a Jerusalém. 54Vendo isso, os discípulos Tiago e João disseram: “Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los?” 55Jesus, porém, voltou-se e repreendeu-os. 56E partiram para outro povoado.

www.paulinas.org.br/diafeliz
  

Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz


Bom dia!
Se recordarmos outro trecho do evangelho (o da Samaritana) poderemos criar um desfecho equivocado a esse evangelho.
”(…) Ora, devia passar por Samaria. Chegou, pois, a uma localidade da Samaria, chamada Sicar, junto das terras que Jacó dera a seu filho José. Ali havia o poço de Jacó. E Jesus, fatigado da viagem, sentou-se à beira do poço. Era por volta do meio-dia. Veio uma mulher da Samaria tirar água. Pediu-lhe Jesus: Dá-me de beber“. (João 4, 4-7)
Poderíamos pensar: “não foram esses mesmos samaritanos que se converteram ao ouvir a mulher falar de Jesus”? “não são eles que acolheram a mensagem e agora não querem que Jesus passe por seu território”?
Nada podemos afirmar se era a mesma região ou o mesmo povoado visto que a região da Samaria era extensa e se assim for verdade cairia por terra nossa primeira impressão de traição. Quem não imaginaria a cena e não se revoltaria com o povo. Sem saber da plena verdade dos fatos criamos algo odioso chamado pré-conceito.
É claro que nossas convicções poderiam estar certas sobre o fato, mas nossos esquemas pessoais sobre o mundo e sobre as pessoas precisam mudar. Precisamos “adivinhar” menos!
Quem nunca ouviu estórias e contos de pessoas simples, trajando roupas simples entrarem em lojas e não serem atendidas, pois os vendedores “pensavam que era perca de tempo”? Quem nunca ouviu também estórias de pessoas desprezadas aos olhos comprarem a loja à vista?
Jesus era um “problema”. Sua presença na região trazia a atenção dos poderosos e influentes para onde estava e com quem falava. Quantos não foram interrogados pelos mestres da lei após serem curados buscando um traço de mentira nos milagres do homem de Nazaré? Muita gente não queria que Jesus as encontrasse, pois tinham receio de serem vistos como um dos seus. Que o diga Nicodemos, José de Arimatéia e outros que foram seus seguidores em silêncio
Muita gente preferia admirá-lo de longe, sem se comprometer; viam talvez nele a esperança, mas o medo as impedia de segui-lo. Reparem na seqüência imediata desse evangelho que alguns desejam segui-lo mas ainda não conseguem abandonar o velho regime. Cada qual a seu tempo, pois todos temos nossas limitações e cárceres.
Esse trecho antecede o envio dos discípulos (setenta e dois) de dois em dois pelas regiões da Judéia. Jesus identifica o medo que os impedia de mudar sua vida, mas não deseja que  se exponham. “(…) O senhor quer que a gente mande descer fogo do céu para acabar com estas pessoas? PORÉM JESUS, VIRANDO-SE PARA ELES, OS REPREENDEU”.
O Senhor talvez não desejasse que fossem julgados pelo medo (pré-conceito, limitações pessoais) e sim pelas atitudes de fé e coragem. Na passagem seqüencial que manda que os setenta e dois aos vilarejos, propõe uma mudança de atitude: o medo deve dar lugar a paz! Uma pequena porta que se abre para a acolher a Jesus torna-se maior que os pecados e erros de outrora.
Talvez essa narrativa explique por que tanta gente cantou aquela música “faz um milagre em mim”.
“(…) Entra na minha casa. Entra na minha vida. Mexe com minha estrutura; Sara todas as feridas. Me ensina a ter Santidade; Quero amar somente a Ti, Porque o Senhor é o meu bem maior, Faz um Milagre em mim”
Muita gente que também o ama em segredo com medo de se expor. Somos muito mais que setenta e dois, levemos a paz!
Um imenso abraço fraterno.







COMPORTAMENTO


O poder transformador da empatia nas relações humanas


“A empatia é a arte de se colocar no lugar do outro por meio da imaginação, compreendendo seus sentimentos e perspectivas e usando essa compreensão para guiar as próprias ações.” Segundo John Donne, nenhum homem é uma ilha, sendo cada indivíduo um pedaço do continente, uma parte do todo.
Durante muito tempo pensou-se que a empatia fosse uma capacidade exclusivamente humana. Hoje, sabemos que diversas espécies animais são capazes de sentir empatia e coordenar impulsos “levando em consideração” o outro. Assim, nossa capacidade de sentir empatia está ligada à herança genética, que é uma consequência evolucionista.

Segundo o autor (KRZNARIC, p. 28) do livro “O Poder da Empatia – A arte de se colocar no lugar do outro para transformar o mundo”, a empatia é o antídoto para o individualismo absorto em si mesmo, que herdamos do século passado. A necessidade de desenvolver empatia está no cerne do esforço de encontrarmos soluções para problemas mundiais como violência étnica, intolerância religiosa, pobreza extrema, fome, abusos dos direitos humanos, aquecimento global. O autor denomina esta capacidade como uma espécie de pílula da paz.
Historicamente, conseguimos enxergar alguns “impedimentos” que nos colocamos para usarmos intensamente a empatia: Preconceito, autoridade, distância e negação. O preconceito é como uma venda em nossos olhos, é um julgamento feito em um momento considerando informações superficiais, sem comprovação; é um estereótipo do qual devemos fugir. Ao exercer enorme influências sobre os indivíduos, a autoridade foi utilizada como desculpa para cumprir tarefas execráveis. Também, não só a distância física, mas a temporal e, principalmente, a social, nos induzem a ser menos empáticos. E ainda, após sermos bombardeados com imagens de problemas sociais em diversas partes do mundo, com o tempo vamos nos tornando insensíveis a elas, “negando’’ sua existência.
O uso de nosso eu empático pode também estar intrinsecamente ligado à resolução de questões do nosso dia a dia. Ao tentar se colocar no lugar do outro no ambiente de trabalho, temos muito a ganhar expandindo nossa capacidade de compreensão dos problemas que nos rodeiam. Este exercício nos proporciona experimentar outras visões diferentes das nossas e observar aspectos antes ignorados por nós, pela simples constatação que enxergamos tudo a nossa volta considerando nossas próprias experiências pregressas. Essas mesmas experiências nos moldam ao longo do tempo, desenvolvendo, mesmo que inconscientemente, o poder da empatia.
A habilidade de aceitar e conviver bem com a diversidade nos torna mais empáticos e tolerantes. É o que vai nos permitir entrar numa sala de reuniões de uma organização transnacional para uma apresentação a ser feita e transmitir a mensagem que queremos de forma adequada para cada membro da plateia.
Outro aspecto muito importante que a empatia contribui é para a liderança. Nos dias de hoje, e com o modelo dinâmico de organizações que vivemos, não cabe mais o líder autocrático, altamente técnico, mas que não consegue se comunicar bem com seus liderados. É um exercício diário observar os colegas, subordinados e superiores e desenvolver a habilidade de ser empático com cada um deles.
Isso significa compreender as demandas individuais e atendê-las de forma abrangente. Um subordinado demanda orientações para o desenvolvimento da tarefa de forma a contribuir com a meta do grupo em que está inserido. Um superior demanda informações já tratadas para o processo decisório. Mesmo tratando de um assunto comum, as abordagens são completamente diversas e cabe ao líder compreender essa diferença. Para isso, vai usar muito de sua capacidade de ser empático com ambos.
Ser empático não se restringe às pessoas que conhecemos, mas principalmente com os desconhecidos ou mesmo com personalidades antagônicas. Este é um grande esforço que demanda sensibilidade, inteligência emocional e vontade, para se colocar no lugar do outro e experimentar uma nova perspectiva. Esta é uma habilidade que pode ser aprendida, mas que precisa ser diariamente cultivada.
As organizações têm muito a ganhar desenvolvendo a empatia em seus colaboradores, que naturalmente passam a trabalhar mais alinhados com seus líderes, uma vez que se sentem compreendidos. Isso gera coesão na equipe, e é um diferencial de mercado, que impacta na rentabilidade, gerando mais resultados.
Precisamos reconhecer a empatia como uma força capaz de promover mudanças nos diversos meios onde atuemos. Podemos fazer esse exercício diariamente, em nossas famílias e em nosso ambiente de trabalho, melhorando nossas relações interpessoais.
Fazer esforço consciente para se colocar no lugar de outra pessoa – inclusive no de nossos inimigos – para rasgar rótulos, reconhecer sua humanidade, individualidade e perspectivas: eis um dos grandes diferenciais daqueles que se esforçam para se destacarem em liderança.

* Este artigo é de autoria de Alzira Azeredo








MOMENTO DE REFLEXÃO

Certa manhã, meu pai, muito sábio, convidou-me para dar um passeio no bosque e eu aceitei com prazer.

Após algum tempo, ele se deteve numa clareira e, depois de um pequeno silêncio, me perguntou:

– Além do canto dos pássaros, você está ouvindo mais alguma coisa?

Apurei os ouvidos alguns segundos e respondi:

– Estou ouvindo um barulho de carroça.

– Isso mesmo – disse meu pai – e é uma carroça vazia!

Perguntei a ele:

– Como pode saber que a carroça está vazia, se ainda não a vimos?

– Ora – respondeu meu pai – é muito fácil saber que uma carroça está vazia por causa do barulho. Quanto mais vazia a carroça, maior é o barulho que faz.

Tornei-me adulto e até hoje, quando vejo uma pessoa falando demais, gritando (no sentido de intimidar), tratando o próximo com grosseria inoportuna, prepotente, interrompendo a conversa de todo mundo e querendo demonstrar ser o dono da razão e da verdade absoluta, tenho a impressão de ouvir a voz do meu pai dizendo:

– Quanto mais vazia a carroça, mais barulho ela faz!





Diário de Segunda-feira 26/09/2016


Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016


“Fazemos nossos caminhos e lhes chamamos destino.” (Benjamin Disraeli)



EVANGELHO DE HOJE
Lc 9,46-50


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo:
46Houve entre os discípulos uma discussão, para saber qual deles seria o maior.
47Jesus sabia o que estavam pensando.
Pegou então uma criança, colocou-a junto de si 48e disse-lhes:
'Quem receber esta criança em meu nome, estará recebendo a mim.
E quem me receber, estará recebendo aquele que me enviou.
Pois aquele que entre todos vós for o menor, esse é o maior.'
49João disse a Jesus:
'Mestre, vimos um homem que expulsa demônios em teu nome.
Mas nós o proibimos, porque não anda conosco.'
50Jesus disse-lhe:
'Não o proibais, pois quem não está contra vós, está a vosso favor.'

www.paulinas.org.br/diafeliz
  

Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Canção Nova


O Evangelho de hoje trata de um assunto que nunca sai de moda: a vaidade, a soberba, o orgulho, a avareza, ou seja, dos sete pecados capitais que se resume no desejo de ser grande. O desejo de se sentir importante é um dos mais primitivos desejos do ser humano. Aliás, o ditado popular diz que o coração do homem é insaciável de ambições. Quanto mais tem mais quer.

Diferentemente da nossa maneira de pensar, olhar e ver humanos, Jesus nunca olha para uma pessoa, mas sempre olha através da pessoa. Quando olhamos para alguém, não percebemos o que aquela pessoa está passando, pensando, sentindo. Isso nós só conseguimos saber quando nos anulamos e nos colocamos no lugar da outra pessoa. Jesus foi, então, o maior de todos os psicólogos que já existiu. Ele sondava o coração, e era capaz de ser aquela pessoa.

Na passagem de hoje, Ele sondou o coração dos discípulos e sentiu que eles se perguntavam quem, dentre os Doze, seria o maior. Eles eram humanos como nós, e dentro do grupo, procuravam uma posição de destaque. Observe que Jesus não coloca todos no mesmo patamar. Jesus admite que haja a possibilidade de alguém ser maior que os outros. Existe uma hierarquia no Reino dos Céus! Mas essa hierarquia é o inverso da nossa.

Aqui, neste mundo, quanto maior for a sua posição, mais inacessível você se torna. Na hierarquia de Jesus, quanto mais acessível você for, maior a sua posição. Viu como inverte duplamente? Neste mundo, você cresce e se torna inacessível; no Reino dos Céus, você se torna acessível e cresce!

Quando as pessoas tiverem medo e resistência em falar com você, significa que algo está errado. O primeiro passo é assumir. Se você não assumir, não vai conseguir nem passar para o segundo passo: descobrir o porquê. A maioria das pessoas quer interagir mais, ter mais e melhores amigos. Mas só o farão se encontrarem abertura no seu coração. E isto pode ser na forma de um sorriso, uma brincadeira ou até em você saber o nome da pessoa e chamá-la pelo nome. E esse já é o terceiro passo: abrir-se. Em pouco tempo, você já vai ser tão solicitado, que não vai dar nem conta de tanta responsabilidade.

O missionário do Reino, portanto, não pode desprezar ninguém! A criança que Jesus tomou em seus braços nesta passagem, representa não só as crianças, mas todos os que são excluídos neste mundo.

Jesus nos revela hoje a novidade do projeto de Deus: é um mundo de justiça, de vida plena para todos, abolindo os privilégios daqueles que concentram poder a partir da acumulação de riquezas ou do prestígio religioso. Percebe-se, nos Evangelhos, que os discípulos vindos do judaísmo sempre tiveram dificuldades em compreendê-lo. Estavam tomados pela ideologia messiânica nacionalista. Como Jesus falou para eles sobre a fragilidade de sua condição humana, vulnerável ao sofrimento e à morte, aludindo ao fim que pressentia acontecer em Jerusalém e os discípulos não entenderam e logo em seguida, passam a discutir quem seria o maior, pensando que Jesus estaria na iminência de conquistar o poder, assim também Ele quer falar para nós. Jesus nos apresenta como exemplo e, sobretudo, condição para sermos os maiores no Seu Reino o olhar puro e simples de uma criança. A criança como símbolo e modelo de humildade e exclusão do Reino dos Céus. Somos chamados a viver dedicados ao serviço, sem pretensões ao poder e a privilégios.

Pai, que eu busque sempre destacar-me no serviço ao meu semelhante, de modo especial, aos mais necessitados, pois nisto consiste minha verdadeira grandeza de discípulo. E que nesta busca eu seja simples, puro e humilde como as crianças.










MOTIVAÇÃO NO TRABALHO


Cumprir a palavra
Luiz Marins


Tenho recebido dezenas de mensagens de pessoas que reclamam do desaparecimento da virtude de cumprir a palavra. O que mais me chama a atenção nessas mensagens é que a maioria delas é de pessoas jovens, abaixo dos 35 anos. Digo isso porque há uma ideia de que cumprir a palavra é coisa do passado ou de “pessoas velhas”.



É realmente incrível como as pessoas não cumprem a palavra. Dizer ou não dizer; prometer ou não prometer parece ser a mesma coisa. E a consequência do desaparecimento dessa pequena virtude é que todos perdem. Perde o que deu a palavra e não cumpriu, pois sua credibilidade foi para o ralo e ninguém mais, em sã consciência, acreditará em qualquer coisa que ela disser ou prometer e perde, obviamente, a vítima do não cumprimento que foi enganada, acreditando na palavra de alguém.



Conversei com vários profissionais do comportamento humano sobre as possíveis causas dessa praga que está assolando o mundo atual e poucos conseguiram me responder. Não se cumpre mais horário, nem prazo, nem mesmo pequenas coisas de pouco valor. Dar retorno é quase um milagre. As pessoas prometem retornar uma ligação ou uma informação e simplesmente desaparecem.
Isso sem falar nos negócios. As mensagens que recebo contam histórias incríveis de vendedores que prometeram e não cumpriram, enganaram e até mesmo de clientes que prometeram um determinado pagamento e depois disseram não ter prometido. Pequenos golpes parecem ser absolutamente a regra.

 

“Deposito amanhã o seu dinheiro” e não depositar; mudar cláusulas de uma negociação; fazer medições fraudulentas, etc. etc. E um respeitado advogado me disse que nem mesmo contratos assinados são hoje cumpridos totalmente – o que sobrecarrega a justiça. Parece que ninguém mais cumpre a palavra, me disse um juiz de direito com inúmeras causas desse teor.



Será que realmente cumprir a palavra caiu de moda? Como viver num mundo onde a desconfiança é a regra? Como conviver numa realidade em que o que as pessoas falam e prometem nem sempre será a verdade? Será que não estamos dando, todos nós, um tiro nos próprios pés e todos perdendo?



Pense nisso. Sucesso!









MOMENTO DE REFLEXÃO


*Um certo dia, a professora perguntou às crianças quem saberia explicar quem* *é Deus, uma das crianças chamada Arthur, levantou o braço e disse:*
*- Deus é o nosso pai, fez a terra, o mar e tudo que está nela e Ele nos fez como filhos Dele.*
*A professora, querendo buscar mais respostas, foi mais longe:*
*- Como você sabe que Deus existe, se nunca o viu?*
*A sala ficou toda em silêncio... Arthur que é um menino muito* *inteligente, levantou a sua mão e disse:*
*- A minha mãe e meu pai me disseram que Deus é como o açúcar no *meu* *leite que* *ela faz todas as manhãs.* *Eu não vejo o açúcar que está* *dentro da caneca no meio do leite, mas se eles tiram, fica sem* *sabor. Deus existe, e está sempre no nosso meio, só que não o* *vemos, mas se Ele sair de perto, nossa* *vida fica... sem sabor algum.*
*A professora sorriu, e disse:*
*- Muito bem Arthur, eu ensinei muitas coisas a vocês, mas você me ensinou algo mais profundo que* *tudo o que eu já sabia. Eu agora sei que Deus é o nosso açúcar e está todos os dias* *adoçando a nossa vida!*
*Deu-lhe um beijo e saiu surpresa com a resposta daquele menino muito esperto.*

*🍃🌸Então, não* *esqueça de colocar:*
*"AÇÚCAR" EM SUA VIDA!*
*Compartilhe, se você sentir este açúcar na sua vida!!!!*



Diário de Domingo 25/09/2016


Domingo, 25 de Setembro de 2016


“Nenhum caminho é longo demais quando um amigo nos acompanha”



EVANGELHO DE HOJE
Lc 16,19-31

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: 19“Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias.
20Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. 21Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.
22Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado. 23Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado. 24Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.
25Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te de que recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. 26E, além disso, há grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’.
27O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa de meu pai, 28porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’. 29Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os profetas, que os escutem!’
30O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’. 31Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos”’.

www.paulinas.org.br/diafeliz
  

Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Pe. Antônio Queiroz CSsR

Recebeste teus bens durante a vida e Lázaro os males. Agora ele encontra, aqui, consolo e tu és atormentado.
Este Evangelho nos traz a parábola do rico e do Lázaro, aquele homem rico que se banqueteava todos os dias, sem nem ligar para o pobre Lázaro que ficava sentado no chão, à sua porta, querendo matar a fome com as sobras que caiam da mesa do rico.
Certamente lhe davam algumas migalhas, mas isso não foi suficiente para o rico entrar no céu. Na outra vida, Lázaro foi para o céu e o rico foi para o inferno.
Além disso, a situação se inverteu: Lázaro tem nome, o rico não. Lázaro tem advogado (Abraão), o rico não. Lázaro é cidadão, o rico é excluído.
O rico faz três pedidos, que lhe são negados:
1) “Molhar a ponta do dedo para lhe refrescar a língua.” Resposta: Recebeste teus bens na terra e Lázaro os males; agora ele encontra consolo e tu és atormentado. Além disso, há um abismo intransponível entre nós.
2) “Mande Lázaro à casa de meu pai, alertar meus cinco irmãos...” Resposta: Eles têm lá Moisés e os profetas, e os escutem!
3) “Não, pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter.” Resposta: Se não escutam a Moisés e aos profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos.
O nosso amor aos pobres é necessário para entrarmos no céu. Mas deve ser um amor prático, manifestado em obras de ajuda e de partilha do que temos. Em resumo, ver o necessitado como nosso irmão, nossa irmã.
Apesar desta clareza, alguns ainda têm dúvida sobre o caminho para entrarmos no céu!
A nossa sociedade é parecida com a casa daquele rico: o povo usa todo tipo de segurança para se prevenir dos Lázaros: chaves, portões eletrônicos, cães bravos, polícia, condomínios fechados. Ela quer os Lázaros bem distantes, para não vê-los. Assim, nem as migalhas eles ganham.
Vendo isso, os jovens, a nova geração que se prepara para entrar nessa sociedade, se revolta e parte para a droga ou a delinqüência.
“Moisés e os profetas”, lembrados por Abraão ao rico, são a Sagrada Escritura (Moisés) e os pastores da santa Igreja (profetas). Nós damos pouco valor à Palavra de Deus; entra por um ouvido e sai pelo outro. Moisés e os profetas são os últimos alertas de Deus a nós. A sua próxima manifestação a nós será no Juízo Final.
Quaresma. As festas litúrgicas não são simples recordações de fatos passados, como bodas de prata ou de ouro, celebração de aniversário etc. Na festa litúrgica o fato celebrado acontece de novo agora, em seus efeitos. Na celebração da páscoa – a passagem de Jesus da morte para a vida – todos os seus frutos salvíficos se derramam sobre a Assembléia cristã que a celebra. A celebração repete-se todos os anos porque cada ano a nossa situação é diferente e há nova necessidade de conversão. Daí a necessidade da preparação, para que a nossa páscoa vá além do ovo de páscoa.
A quaresma teve sua origem na preparação dos catecúmenos para o batismo, celebrado no sábado santo. A preparação foi estendida a todos os cristãos, a fim de reassumirmos os compromissos do nosso batismo.
Certa vez, um homem, depois de muita luta, conseguiu ficar rico: casa boa, carro bom, filhos na faculdade e vários imóveis alugados rendendo o suficiente para ele viver.
Mas o anjo da morte apareceu para ele e disse: “Vim buscar você”. Ele respondeu: “Ah, sr. anjo! Bem agora que eu ia começar a viver uma vida mais tranqüila! Deixe-me viver pelo menos mais três anos.” O anjo respondeu: “Não”.
O homem insistiu: “Por favor, sr. anjo, então me deixe viver apenas mais três dias! O anjo respondeu: “Também não”. “E três minutos de vida, o sr. me dá?” O anjo concordou.
Nesses três minutos o homem pegou um pincel e escreveu a seguinte frase: “Não seja bobo, empregue bem a sua vida!”
Jesus contou uma história bem parecida com essa, que está em Lc 12,16-21. Aquela homem que teve uma grande colheita, construiu novos celeiros e disse para si mesmo: “Agora vou comer, beber, gozar a vida”. Mas Deus lhe disse: “Tolo! Ainda nesta noite, sua vida será retirada”.
Maria Santíssima era bastante sensível aos pobres e necessitados do seu tempo. Socorreu os noivos, ajudou a prima necessitada... e uma das páginas mais veementes da Bíblia sobre este assunto é o seu hino Magnificat. Que ela nos ajude neste tempo de conversão!
Recebeste teus bens durante a vida e Lázaro os males. Agora ele encontra, aqui, consolo e tu és atormentado.









VÍDEO DA SEMANA


O namoro deve ser pautado na comunhão dos valores – Pe. Fábio de Melo





https://www.youtube.com/watch?v=twgzReqYez4







MOMENTO DE REFLEXÃO


Devemos criar os filhos para o mundo. Torná-los autônomos, libertos, até de nossas ordens. A partir de certa idade, só valem conselhos.
Especialistas ensinaram-nos a acreditar que só esta postura torna adulto  aquele bebê que um dia levamos na barriga.
E a maioria de nós pais acredita e tenta fazer isso.
O que não nos impede de sofrer quando fazem escolhas diferentes daquelas que gostaríamos ou quando eles próprios sofrem pelas escolhas que recomendamos.
Então, filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores  defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da  incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado... Perder? Como? Não é nosso, recordam-se?
Foi apenas um empréstimo! Então, de quem são nossos filhos?
São deles próprios, donos de suas vidas, porém, um tempo precisaram ser dependentes dos pais para crescerem, biológica, sociológica, psicológica e emocionalmente.
E o meu sentimento, a minha dedicação, o meu investimento? Não deveriam retornar em sorrisos, orgulho, netos e amparo na velhice?
Pensar assim é entender os filhos como nossos e eles, não se esqueçam, são do mundo!
Volto para casa ao fim do plantão, início de férias, mais tempo para os filhos, olho meus pequenos pimpolhos e penso como seria bom se não fossem apenas empréstimo! Mas é.
Eles são do mundo. O problema é que meu coração já é deles.
É a mais concreta realidade. Só resta a nós, mães e pais, torcer e aproveitar todos os momentos possíveis ao lado das nossas 'crias', que mesmo sendo 'emprestadas' são a maior parte de nós !!!
"A vida é breve, mas cabe nela muito mais do que somos capazes de viver "


José Saramago