Páginas


(clique abaixo para ouvir a música)

LITURGIA DIÁRIA

LITURGIA DIÁRIA - REFLEXÕES E COMENTÁRIOS

Diário de Sábado 27/08/2016


Sábado, 27 de agosto de 2016


“Para saber quantos amigos você tem, dê uma festa. Para saber a qualidade deles, fique doente.”



EVANGELHO DE HOJE
Mt 25,14-30

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


“O Reino dos Céus é também como um homem que ia viajar [...] Chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens: a um, cinco talentos, a outro, dois e ao terceiro, um – a cada qual de acordo com sua capacidade. Em seguida viajou. O servo que havia recebido cinco talentos saiu logo, trabalhou com eles e lucrou outros cinco. [...], o que havia recebido dois lucrou outros dois. Mas o que havia recebido um só, foi cavar um buraco na terra e escondeu o dinheiro [...] Depois de muito tempo, o senhor voltou e foi ajustar contas com os servos. O que havia recebido cinco talentos entregou-lhe mais cinco, dizendo: ‘Senhor,[...]. Aqui estão mais cinco que lucrei’. O senhor lhe disse: ‘Parabéns, servo bom e fiel! Como te mostraste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da alegria do teu senhor!’ Chegou o que havia recebido dois talentos e disse: ‘Senhor,(...]. Aqui estão mais dois que lucrei’. O senhor lhe disse: ‘Parabéns, servo bom e fiel! Como te mostraste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da alegria do teu senhor!’ Por fim, chegou aquele que havia recebido um só talento, e disse: ‘Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantaste e ajuntas onde não semeaste. Por isso fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence’. O senhor lhe respondeu: ‘Servo mau e preguiçoso! [...] devias ter depositado meu dinheiro no banco, para que, ao voltar, eu recebesse com juros [...]. Em seguida, o senhor ordenou: [...] ‘Quanto a este servo inútil, lançai-o fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes!’”

www.paulinas.org.br/diafeliz
  



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Fr. Lucas Emanuel Almeida. CSsR

A Palavra de Deus nos apresenta uma parábola. Jesus sempre contava parábolas quando queria simplificar e fazer entender, em formas metafóricas, a lógica da vivência do amor e da construção do Reino de Deus. Hoje, ele nos fala de TALENTOS!
 O que são TALENTOS? Talentos são dons que recebemos gratuitamente das mãos generosas de Deus. Isso significa que todos temos dons e, por isso, a parábola quer mostrar que não podemos escondê-los. Talento não é para se esconder, talento é serviço a se fazer!
No texto encontramos três exemplos: aquele que recebeu cinco talentos, o que recebeu dois e o que recebeu apenas um. O que havia recebido cinco, conquistou mais cinco; da mesma forma o que tinha dois, conquistou mais dois e aquele que tinha um deixou que o MEDO o “cegasse” e nada fez com o talento que recebeu, apenas o enterrou e nada conquistou.
Quando o patrão retornou, percebeu que os dons foram multiplicados e se alegrou com isso dizendo: “Servo bom e fiel... será lhe confiado muito mais” e disse ainda: “Vem participar da minha alegria”. O patrão se entristeceu apenas com a COVARDIA daquele que enterrou o dom que recebeu não sendo capaz de cultivá-lo.
Perceba que o importante na parábola de Jesus não é, de forma nenhuma, a quantidade de talentos, uma vez que o patrão se alegrou porque viu que eles frutificaram!
Esse patrão é o próprio Deus que, ao nos criar, cumulou-nos de muitos talentos.
Se você ainda não conhece seus dons, não deixe de conhecê-los e desfrute deles fazendo-os multiplicar. Lembre-se: não importa a quantidade de dons, o importante é que você não deixe o MEDO tirá-los de suas mãos. Confie em Deus e em suas próprias capacidades! Você pode ser bem melhor do que você imagina!

ONDE ESTÃO OS SEUS TALENTOS? Não deixe de encontrá-los e colocá-los a serviço, pois o Reino de Deus se constrói a partir de nossos dons que, unidos, são capazes de grandes mudanças.

lc_viola@yahoo.com.br









CASA, LAR E FAMÍLIA

Microondas: utilidades que não conhece


Das invenções  que vieram para só facilitar a nossa vida, o microondas é sem dúvida umas das melhores . Além da rapidez para aquecer, descongelar e até cozinhar pratos inteiros, ele ainda tem a vantagem de ocupar pouco espaço, ser fácil de usar e estar cada vez mais barato. E o melhor: tem usos que muita gente ainda não conhece e que podem facilitar ainda mais o dia-a-dia de quem não tem muito tempo pra perder. Veja essas dicas!

1-Limpar esponjas de louça – para desinfetar e desodorizar uma esponja, coloque um pouco de água com vinagre ou sumo de limão em cima dela e leve ao micro-ondas por um minuto. Na hora de retirar a esponja, use luvas para evitar queimaduras.

2-Desinfectar tábua plástica de carne – depois que a tábua estiver bem limpa, esfregue um pedaço de limão sobre ela e leve ao micro por um minuto.


3-Cozinhar batatas – fure toda a batata com um garfo e leve ao microondas por dois minutos. Depois vire e programe mais dois minutos. Para fazer um purê, aqueça o leite no próprio microondas antes de misturá-lo com as batatas.


4-Descristalizar mel – cubra o pote de mel e coloque no microondas na potência média entre 30 segundos e um minuto.


5-Acelerar fermentação de massas – 15 minutos no micro são capazes de acelerar o processo de fermentação de pães. Coloque a massa em um recipiente grande, cubra , coloque o recipiente sobre um prato com água e abaixe a potência ao mínimo possível. Aqueça três minutos, deixe descansar outros três, aqueça três minutos novamente e descanse mais seis minutos.


6-Aquecer kits de primeiros socorros – o microondas também pode ser usado para aquecer pacotes de gel contra dores de cabeça e bolsas de sementes.


7-Aquecer cosméticos – a cera de depilação e as máscaras faciais, entre outros produtos, podem ser levados ao microondas sem problema.


8-Assar alho – no forno  gastaria 45 minutos, mas no microondas é possível obter o mesmo resultado em oito. Corte a parte de cima da cabeça para expor os dentes, ponha os alhos em um recipiente com sal e pimenta e regue com azeite. Adicione duas colheres de sopa de água no fundo do recipiente, cubra com plástico e leve para cozinhar em potência média por sete minutos e meio.


9-Tirar mais sumo de frutas cítricas –  Limas e limões podem dar mais e mais facilmente sumo. Bastam colocar 20 segundos no microondas antes espremer.


10-Torrar castanhas e coco – vai gastar apenas 1/4 do tempo que usaria no fogão se tiver microondas em casa. Basta programar cerca de dois a três minutos na potência máxima.


11-Cozinhar vegetais – não é preciso usar água fervente para cozinhar vegetais no microondas. Basta colocar os legumes em um prato, de preferência uns sobre os outros, cobrir com uma tampa e cozinhar em alta potência. O tempo varia, por isso é importante ir conferindo a consistência. Cogumelos e espinafre levam 30 segundos, enquanto cenouras, por exemplo, demoram quatro minutos para ficarem prontas.
Para cobrir o que coloca no micro ondas use a tampa especifica para isso.







MOMENTO DE REFLEXÃO

A felicidade é um susto. Chega na calada da noite, na fala do dia, no improviso das horas. Chega sem chegar, insinua mais que propõe... Felicidade é animal arisco. Tem que ser admirada à distância porque não aceita a jaula que preparamos para ela. Vê-la solta e livre no campo, correndo com sua velocidade tão elegante é uma sublime forma de possuí-la.
Felicidade é chuva que cai na madrugada, quando dormimos. O que vemos é a terra agradecida, pronta para fecundar o que nela está sepultado, aguardando a hora da ressurreição.
Felicidade é coisa que não tem nome. É silêncio que perpassa os dias tornando-os mais belos e falantes. Felicidade é carinho de mãe em situação de desespero. É olhar de amigo em horas de abandono. É fala calmante em instantes de desconsolo.
Felicidade é palavra pouca que diz muito. É frase dita na hora certa e que vale por livros inteiros.
Eu busco a frase de cada dia, o poema que me espera na esquina, o recado de Deus escrito na minha geladeira... Eu vivo assim... Sem doma, sem dona, sem porteiras, porque a felicidade é meu destino de honra, meu brasão e minha bandeira. Eu quero a felicidade de toda hora. Não quero o rancor, não quero o alarde dos artifícios das palavras comuns, nem tampouco o amor que deseja aprisionar meu sonho em suas gaiolas tão mesquinhas.
O que quero é o olhar de Jesus refletido no olhar de quem amo. Isso sim é felicidade sem medidas. O café quente na tarde fria, a conversa tão cheia de humor, o choro vez em quando.
Felicidades pequenas... O olhar da criança que me acompanha do colo da mãe, e que depois, à distância ,sorri segura, porque sabe que eu não a levarei de seu lugar preferido.
A felicidade é coisa sem jeito, mas com ela eu me ajeito. Não forço para que seja como quero, apenas acolho sua chegada, quando menos espero.
E então sorrio, como quem sabe, que quando ela chega, o melhor é não dispersar as forças... E aí sou feliz por inteiro na pequena parte que me cabe.
O que hoje você tem diante dos olhos? Merece um sorriso? Não pense duas vezes...


Padre Fábio de Melo



Diário de Sexta-feira 26/08/2016


Sexta-feira, 26 de agosto de 2016


"Computadores não servem para nada. Só sabem dar respostas." (Pablo Picasso)



EVANGELHO DE HOJE
Mt 25,1-13

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


"O Reino dos Céus pode ser comparado a dez moças que, levando suas lamparinas, saíram para formarem o séquito do noivo. Cinco delas eram descuidadas e cinco eram previdentes. As descuidadas pegaram suas lâmpadas, mas não levaram óleo consigo. As previdentes levaram jarros com óleo junto com as lâmpadas. Como o noivo demorasse, todas acabaram cochilando e dormindo. No meio da noite, ouviu-se um alvoroço: ‘O noivo está chegando. Ide acolhê-lo!’ Então todas se levantaram e prepararam as lâmpadas. As descuidadas disseram às previdentes: ‘Dai-nos um pouco de óleo, porque nossas lâmpadas estão se apagando’. As previdentes responderam: ‘De modo algum, pois o óleo pode ser insuficiente para nós e para vós. É melhor irdes comprar dos vendedores’. Enquanto elas foram comprar óleo, o noivo chegou, e as que estavam preparadas entraram com ele para a festa do casamento. E a porta se fechou. Por fim, chegaram as outras e disseram: ‘Senhor! Senhor! Abre-nos a porta!’ Ele respondeu: ‘Em verdade vos digo: não vos conheço!’ Portanto, vigiai, pois não sabeis o dia, nem a hora.”

www.paulinas.org.br/diafeliz
  



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz

O noivo está chegando: ide ao seu encontro!
Neste Evangelho, Jesus nos conta a parábola das dez jovens que foram, com suas lamparinas acesas, esperar o noivo para a festa nupcial. Cinco delas eram imprevidentes e não levaram reserva de óleo, caso o noivo atrasasse. As outras cinco levaram. Aconteceu que o noivo atrasou e as cinco imprevidentes, com suas lamparinas apagadas, não puderam entrar para a festa! Vemos que a parábola trata da vigilância, isto é, do cuidado constante que devemos ter a fim de que estejamos sempre preparados para o encontro com o Senhor. Jesus mesmo fala no final da parábola: “Portanto, ficai vigiando, pois não sabeis qual será o dia, nem a hora”.
Esta parábola era facílima de entender pelo povo daquele tempo, porque trata de um procedimento comum nos casamentos: Eles geralmente eram celebrados à noite, e no mesmo local da festa. A noiva ficava ali esperando, e era o noivo que chegava de forma festiva. Um grupo de moças o recebia do lado de fora, segurando lamparinas acesas, e o levavam em cortejo até a sua noiva. As moças tinham de esperar já com as suas lamparinas acesas, porque não dava tempo de acendê-las na hora. O atraso do noivo era comum, assim como hoje o atraso da noiva. Mas, quando ele chegava, o cortejo já devia estar pronto, com suas lamparinas acesas. As moças o recebiam e entravam com ele no local da festa. Era certamente muito bonito ver o noivo cercado de luzes e de garotas bonitas. Mas neste casamento aconteceu um problema: O noivo atrasou muito e a metade das moças não haviam levado reserva de óleo, contando com esse possível atraso. Elas foram comprar e chegaram atrasadas, sendo impedidas pelo porteiro de participarem da festa.
Aqui a parábola muda de tom. As atrasadas chamam o noivo de Senhor: “Senhor, abre-nos a porta!” Na verdade, não se trata mais do noivo, mas de Deus. O sentido da parábola é claro: As jovens somos nós, e o casamento é o nosso encontro definitivo com Deus.
As lamparinas acesas representam a graça de Deus em nós. Deus virá ao nosso encontro para a grande festa nupcial, que acontecerá no céu. O seu atraso é a duração da nossa vida, que pode chegar a cem anos. Não sabemos quando ele vai chegar, por isso é melhor providenciar muita reserva de óleo. Esta reserva são as virtudes cristãs e as boas obras, que alimentam em nós a graça de Deus. Se alguém se descuidar, de uma hora para outra pode perder a graça de Deus, e “dormir”, aí pronto: Cristo chega de repente e estaremos sem a graça, sendo portanto excluídos do céu!
No batismo, nós recebemos a luz da fé e da graça de Deus. Mas precisamos estar com esta luz acesa na hora do encontro definitivo com ele. E como não sabemos o dia nem a hora, precisamos estar sempre preparados. Não podemos brincar com coisa séria. Podemos cometer imprudências em tudo na vida, menos neste ponto, pois aí está em jogo a nossa eternidade!
Encontrar-nos com Deus é tão bom que Jesus comparou esse encontro com uma festa, um encontro nupcial. Entretanto, Jesus conhece a nossa fraqueza e a importância de estarmos preparados para esse encontro, por isso nos adverte: “Ficai vigiando, pois não sabeis qual será o dia, nem a hora”. Vigiar é estar atento, permanecer acordado. Muitas coisas acontecem em nossa vida. Mas existe uma que ganha em importância: um dia vamos morrer. E ali não haverá mais tempo de rever a vida, isto tem de ser feito agora! A maioria das pessoas se esquece disso. Não precisamos ter medo da morte, e sim estarmos sempre preparados para ela.
A nossa vida é uma luta, pois os mais variados apegos são oferecidos a nós. E esses apegos nos levam a deixar de lado o principal. Mas quem ama a Deus sobre todas as coisas, faz tudo em função desse amor.
Hoje celebramos a memória de Santo Agostinho, filho de Santa Mônica, que celebramos ontem. Como jovem, morando em Cartago, longe da família, Agostinho afunda-se nos vícios e na devassidão, seguindo o exemplo do pai. Entretanto, ele sentia um grande desejo de procurar a verdade. Terminado o curso de retórica, fez a faculdade de filosofia, mas não encontrou a verdade. Havia em Cartago uma seita chamada maniqueísmo, baseada na separação entre alma e corpo. Segundo eles, o corpo nos puxa para o mal e a alma para o bem, produzindo uma luta interna. Por muito tempo Agostinho seguiu a seita, mas não se convenceu.
Mudou-se para Roma, e lá, graças à oração da mãe, se converteu ao cristianismo. Ele mesmo descreve, em seu livro chamado Confissões, como foi a sua conversão:
“Um dia eu estava chorando, debaixo de uma figueira, debatendo-me entre sentimentos e forças opostas. Resolvi abrir a Bíblia e ler o que estivesse na frente. Li o seguinte:
‘Caminhemos como de dia. Nada de desonestidades nem de contendas. Ao contrário, revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e não procureis satisfazer os desejos da carne’ (Rm 13,13-14). Eu não quis ler mais nada. Fechei a Bíblia. Ali estava a verdade que sempre procurei na vida”.
Agostinho levantou-se, procurou o seu amigo Dom Ambrósio, bispo de Milão, hoje Santo Ambrósio, e pediu o batismo. A partir daí foi crescendo na fé, na sabedoria e em todas as virtudes, tornando-se um dos maiores teólogos da Igreja.
“Toda Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar, para argumentar, para corrigir, para educar conforme a justiça” (2Tm 3,16).
Peçamos a Maria Santíssima e a Santo Agostinho que nos ajudem a seguir o exemplo das cinco jovens previdentes.
O noivo está chegando: ide ao seu encontro!










CULINÁRIA

Arroz de Forno Cremoso com Atum

Eu adoro esses pratos únicos porque além de quase não sujar louça não precisa de muitos acompanhamentos, no máximo uma salada. Essa receita fica muito saborosa e pode ser feita com frango desfiado também que fica deliciosa. Se não gostar de comida cremosa (tipo meu pai) pule a  etapa do requeijão.

Ingredientes:
3 colheres (sopa) de azeite;
1 cebola pequena picada;
2 dentes de alho picados;
1 lata de atum (usei a versão em água);
1 cenoura pequena sem casca cortada em cubinhos;
1/2 xícara (chá) de ervilhas frescas;
1 xícara (chá) de 240ml de arroz cru;
500ml de água fervente;
1 pote de requeijão cremoso;
Sal a gosto;
1 xícara (chá) de quejo mozzarella ralado.

Refogue a cebola e alho no azeite, junte o atum, a cenoura e a ervilha e misture bem. Acrescente o arroz e mexa por 1 minutos. Acrescente a água fervente e deixe cozinhar como faz com o arroz branco comum, até secar a água. Assim que cozinhar, junte o requeijão e misture. Acerte o sal e se quiser pode colocar os temperos que gostar.

Coloque o arroz em um refratário, cubra com o queijo e leve ao forno em 200ºC até gratinar.


Torta de Carne com Legumes

Como dar nome para uma receita que você inventou na hora? Tarefa difícil, porque essa na verdade não é nem uma torta, porque não tem massa, e nem um escondidinho porque não tem purê sobre a carne, mas como usei cobertura de quiche e tem recheio, achei que estava mais perto de uma “torta sem massa”.
Como ganhei bebê a pouco tempo preciso de receitas práticas, que sustentem e sejam nutritivas, e essa ficou bem gostosa.

Comecei fazendo um purê rústico com o que tinha na geladeira e foi 1 batata,1 cenoura e  2 mandioquinhas (batata baroa). Cozinhei no vapor, amassei, coloquei aproximadamente 1/2 xícara de leite, uma colher (sopa) de manteiga e sal. Aí coloquei o purê no fundo do refratário.

Para o recheio:
Refoguei 1/2 cebola e 2 dentes de alho picados no azeite. Juntei 300g de carne moída, 2 tomates sem pele e sem sementes, ervilhas (compro aquelas congeladas), e ainda acrescentei aproximadamente 1 xícara de berinjela refogada que tinha sobrado do almoço anterior. Temperei tudo com sal, pimenta-do-reino e uns temperinhos à base de especiarias e ervas que tenho sempre em casa. Coloquei a carne refogada sobre o purê.

Para a cobertura, bati dois ovos (como se fosse fazer omelete), juntei 100g de creme de leite (que equivale a 1/2 caixinha) e 1/2 xícara de queijo prato ralado (usei esse queijo porque era o que tinha, mas poderia ser parmesão ou mozzarella).

Levei ao forno em 200ºC por aproximadamente 25 minutos para dourar por cima e formar uma casquinha. Ficou bom viu!








MOMENTO DE REFLEXÃO

Se você confiou em Deus e andou pelo caminho Dele, se você O sentiu a guiar você todos os dias, mas agora seus passos o levam por outro caminho, comece de novo.
Se você fez planos que não deram certo, se você tentou dar o melhor de si e não há mais o que tentar, se você falhou consigo mesmo sem saber porquê, comece de novo.
Se você contou aos seus amigos o que planejava fazer, se você confiou neles e eles não o apoiaram, se agora você está sozinho, só podendo contar consigo mesmo, comece de novo.
Se você falhou com seus familiares, se agora você já não é tão importante para eles, se eles perderam a confiança em você, se você se sente um estranho em seu próprio lar, comece de novo.
Se você orou a Deus, respeitando sempre a vontade Dele, se você orou e orou e ainda se sente infeliz, se você quer parar, sentindo que atingiu seu limite, comece de novo.
Se você está certo de que está acabado e quer desistir, se você chegou ao fundo do poço, se você tentou e tentou e não conseguiu subir, comece de novo.
Se os anos passam tão depressa e os sucessos são poucos, se chega dezembro e você se sente triste, Deus dá um novo janeiro a você, comece de novo.
Começar de novo significa: "Vitórias alcançadas"
Começar de novo significa: "Uma corrida bem feita"
Começar de novo significa: "Deus sempre vencerá!"
Não fique aí sentado no trono da derrota: COMECE DE NOVO!

Silvia Schmidt





Diário de Quinta-feira 25/08/2016


Quinta-feira, 25 de agosto de 2016


"A tragédia do homem é o que morre dentro dele enquanto ele ainda está vivo." (Albert Schweitzer)



EVANGELHO DE HOJE
Mt 24,42-51

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


De fato, Herodes tinha mandado prender João e acorrentá-lo na prisão, por causa de Herodíades, mulher de seu irmão Filipe, com a qual ele se tinha casado. Pois João vivia dizendo a Herodes: “Não te é permitido ter a mulher do teu irmão”. Por isso, Herodíades lhe tinha ódio e queria matá-lo, mas não conseguia, pois Herodes temia João, sabendo que era um homem justo e santo, e até lhe dava proteção. Ele gostava muito de ouvi-lo, mas ficava desconcertado. Finalmente, chegou o dia oportuno. Por ocasião de seu aniversário, Herodes ofereceu uma festa para os proeminentes da corte, os chefes militares e os grandes da Galileia. A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e a seus convidados. O rei, então, disse à moça: “Pede-me o que quiseres, e eu te darei”. E fez até um juramento: “Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino”. Ela saiu e perguntou à mãe: “Que devo pedir?” A mãe respondeu: “A cabeça de João Batista”. Voltando depressa para junto do rei, a moça pediu: “Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista”. O rei ficou muito triste, mas, por causa do juramento e dos convidados, não quis faltar com a palavra. Imediatamente, mandou um carrasco cortar e trazer a cabeça de João. O carrasco foi e, lá na prisão, cortou-lhe a cabeça, trouxe-a num prato e deu à moça. E ela a entregou à sua mãe. Quando os discípulos de João ficaram sabendo, vieram e pegaram o corpo dele e o puseram numa sepultura.

www.paulinas.org.br/diafeliz
  



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.









MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz


Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista.
Hoje nós celebramos a memória do martírio de S. João Batista. O Evangelho narra o fato. Ele é o protótipo do profeta, o homem possuído totalmente pela missão de pregar a Palavra, de anunciar aos homens a vontade divina. Nada pode demovê-lo desta missão ou intimidá-lo.
O próprio Jesus disse a respeito de João: “Que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento?... Um profeta? Sim, eu vos digo, e mais do que profeta. Este é de quem está escrito: Eis que envio meu mensageiro à tua frente, para preparar o teu caminho diante de ti” (Mt 11,7-10).
A missão de João Batista foi a de precursor do Messias; ele deu testemunho de Cristo pelas altas virtudes, pelas rigorosas penitências, pela palavra vigorosa em denunciar os vícios, as injustiças, animando a sociedade judaica a converter-se a Deus na sinceridade do coração.
À frente do governo da Galiléia estava Herodes Antipas, filho daquele Herodes, chamado o Grande, criminoso e déspota, que viveu no tempo do nascimento de Cristo.
Herodes Antipas vivia escandalosamente com a própria cunhada, esposa de seu irmão Filipe. Essa união ilícita era motivo de grande escândalo no meio judaico. Ainda mais que naquele tempo o povo procurava imitar o rei e a rainha em tudo.
E não havia quem se sentisse com coragem de censurar o monarca. João Batista não podia, como profeta, ficar omisso, e declarou publicamente e com toda franqueza: “Não te é lícito viver com a mulher de teu irmão”.
Herodíades, a mulher escandalosa, não aturou essa censura, e queria vingar-se. Conseguira que Herodes mandasse encarcerar João Batista, apesar de o monarca lhe dedicar grande veneração. Agora, ela leva a cabo a sua vingança.
“João era a lâmpada que iluminava com sua chama ardente, e vós gostastes, por um tempo, de alegrar-vos com a sua luz” (Jo 5,35).
Muita gente pensa que as faltas sexuais não têm maior importância, e pouco têm a ver com a salvação da humanidade. A Bíblia, ao contrário, nos mostra que não se dá um passo adiante, senão com homens e mulheres responsáveis, que são capazes de colocar o sexo a serviço do amor, em vez de se deixar escravizar por seus instintos.
Por isso, João Batista não podia falar de justiça, sem recordar os compromissos do matrimônio; e, como profeta, devia colocar o rei Herodes igual a qualquer cidadão.
Nós somos convidados a imitar João Batista, e falando a verdade, mesmo que, com essa fala, possamos atingir pessoas poderosas que vão depois nos dar o troco.
O mundo continua não suportando a verdade, porque vive na mentira e na corrupção. E nós cristãos, muitas vezes, “fechamos um olho” porque temos medo de perder cargos, oportunidades, a vida. Se um dia você estiver, em nome de Cristo, anunciando a justiça e a verdade, e for por isso atacado por alguém, alegre-se, porque você foi premiado com uma bem-aventurança: “Felizes os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus” (Mt 5,10).
Certa vez, uma senhora bem idosa teve um sonho. Ela sonhou que havia morrido e estava na porta do céu, esperando. Havia várias almas lá, todas em fila. De repente S. Pedro chegou e abriu a porta do céu. Então a senhora olhou para dentro e viu uma infinidade de velas. Umas acesas, outras apagadas, algumas já estavam quase no fim e outras no começo. Umas estavam se apagando e outras tinham a chama grande e bonita.
A senhora perguntou para S. Pedro que velas eram aquelas. Ele respondeu: “São as velas que cada um recebeu no dia do seu batismo. Uns cuidam bem, outros não cuidam e até a deixam apagar. A situação é esta que a senhora está vendo”.
A mulher então perguntou: “S. Pedro, e a minha está aí?” “Está sim” – disse S. Pedro – é aquela ali”. Era uma vela que estava já no toquinho, mas ainda acesa. E S. Pedro continuou: “Depois que a pessoa entra aqui, este fogo da sua vela se junta com a luz de Deus que ilumina todo céu”.
Resta saber como está a nossa vela! “Vós sois a luz do mundo”. Todos somos profetas, e o profeta deve ser como João Batista: a luz de Deus deve brilhar forte através de nós, anunciando a justiça e denunciando as injustiças pecados, sem medo das conseqüências.
Maria Santíssima é chamada, na Ladainha, de Rainha dos Profetas. Vamos pedir a ela que nos ajude a sermos também bons e corajosos profetas.
Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista.










MUNDO ANIMAL


Abraçar seu cachorro pode não ser boa ideia, aponta estudo


Na próxima vez que você quiser abraçar um cachorro, pense nisto: você pode estar fazendo que ele se sinta péssimo, segundo um especialista.
Para o amante de cães normal, as orelhas penduradas e as patas gorduchas são simplesmente fofas. Mas há uma verdadeira ciência por trás do design: eles são animais cursórios, isto é, adaptaram-se para correr como sua principal linha de defesa, disse Stanley Coren, professor emérito de psicologia na Universidade da Columbia Britânica e especialista em treinamento de cães.
Assim, quando uma pessoa, por mais bem-intencionada ou carente que seja, parte para um abraço de corpo inteiro, ela imobiliza o cachorro e aumenta o nível de estresse do animal, escreveu ele no blog da revista “Psychology Today”.
A recomendação de Coren é: “Economize seus abraços para seus familiares e namorados bípedes. É claramente melhor do ponto de vista do cachorro se você manifestar seu carinho com um afago, uma palavra gentil e talvez uma guloseima”.
A postagem no blog não é, certamente, um estudo científico revisado por outros cientistas, mas apenas sua observação de especialista. Mas o conselho repercutiu nas redes sociais, e os amantes de cães uivaram sua reação no Twitter.
Coren analisou 250 imagens no Google e no Flickr que mostram pessoas abraçando cães. Em cerca de 81% das fotos, os animais davam pelo menos um sinal de desconforto, ansiedade ou estresse, segundo ele. O restante das fotos mostrava cães que pareciam à vontade com os abraços ou exibiam reações neutras ou ambíguas.
Como os cães e os humanos não podem conversar –pelo menos não da maneira tradicional–, Coren ofereceu indicadores que podemos notar na linguagem corporal canina, que ele captou em suas observações.
Dentes expostos é um sinal de ansiedade, escreveu Coren. Virar a cabeça para o outro lado é preocupante, assim como fechar os olhos, pelo menos em parte. Os cachorros incomodados muitas vezes mostram o que é chamado de “olho meia-lua” ou “olho de baleia”, quando a parte branca dos olhos no canto da pálpebra é visível, disse ele.
Outros sinais que Coren notou são lamber-se, bocejar ou levantar uma pata. O cão também pode baixar as orelhas ou apontá-las para trás, junto da cabeça.
Mas outros especialistas questionaram as conclusões de Coren, incluindo Corey Cohen, um terapeuta de comportamento animal da organização A New Leash on Life, na Pensilvânia.

“Meus cães adoram ser abraçados”, disse ele.

Cohen disse que os cães podem parecer ansiosos nas fotos porque não gostam que tirem fotos deles, ou porque uma pessoa estava tentando fazê-los posar ou chamando sua atenção. Mas Cohen, que também faz massagens caninas, disse acreditar que os cães podem ficar à vontade com abraços quando há familiaridade e confiança.
Como ele sabe que seu cachorro gosta desse carinho? Ele disse que pode sentir a tensão ser liberada em certos músculos do animal: a respiração desacelera e o olhar se atenua. Em alguns animais, disse ele, os cantos da boca se erguem, como num sorriso.
“Eu posso saber com certeza”, disse Cohen. “A expressão facial deles muda: ‘Oh, quero mais!'”
O elo de confiança também o leva a rejeitar uma ideia comum entre as pessoas de que não se deve olhar fixamente para cães, o que seria um gesto de confronto.
“A verdade é que se você tiver uma relação decente com seu cachorro isso libera oxitocina”, disse ele, referindo-se ao chamado hormônio do amor. “Não acho que haja outra criatura na Terra que faça isso.”
Erica Lieberman, uma treinadora de cães e consultora de comportamento na Pawsibilities Pets, em Nova York, disse que em geral os cães não devem ser abraçados, mais pelo lado da segurança.
Por exemplo, pessoas que adotam um cachorro resgatado talvez não saibam a história social do animal. Ele pode ter associações negativas, por exemplo, com uma criança que lhe dava abraços dolorosos ou apertava sem intenção.
Lieberman disse que os cães entendem as expressões faciais e aprendem que os abraços deixam as pessoas felizes. Portanto, eles podem estar suportando algo que realmente não apreciam.
“Por isso eu gosto da mensagem”, disse ela, referindo-se à teoria contra os abraços. “Acredito que as pessoas devem preferir o lado da cautela.”
Para ela, as pessoas devem sempre procurar sinais de “pare”. Além dos que Coren notou, Lieberman disse que os cães podem se sacudir em sinal de desprazer depois de um abraço, como fazem depois do banho para livrar-se da água.
“Se você não vir nada disso, há muitos cães que não se importam, pois entendem que é isso o que os torna companheiros das pessoas”, disse ela.
Lieberman, que também trabalhou como avaliadora de terapia canina, disse que outro erro de julgamento é que é certo estender sua mão diante do focinho do cachorro como apresentação.
“Isso é incorreto, porque você está sendo invasivo. Mantenha as mãos ao lado do corpo e veja se o cão se aproxima. Você permite que seja uma decisão do cachorro.”
Lieberman disse que há alternativas aos abraços, como coçar as costas ou a barriga do animal. Mas, para os amantes de cães que não vivem sem abraçá-los, ela disse que podem tentar um “contracondicionamento”, até ter certeza de que o cão aceita o carinho.
Isto é, abrace seu cachorro rapidamente e depois lhe dê uma guloseima. Repita conforme necessário.







MOMENTO DE REFLEXÃO

Não há quem caminhe pelas estradas da vida sem que cruze, em algum momento, pelos caminhos da dor. Em um mundo inconstante, onde as certezas são relativas, a dor é processo quase que inevitável.
Algumas vezes, ela vem carregando consigo a separação de quem amamos, pelo fenômeno da morte. Outras vezes é a doença que se instala, no nosso ou no corpo alheio.
Outras ainda, a dor é o revés financeiro, que nos perturba a mente e desfaz alguns planos.
Seja qual for sua origem, a dor vai sempre provocar momentos de reflexão e análise. Ela é o freio que a vida faz em nosso cotidiano, em nossos valores, em nossas manias mesmo, provocando o questionamento das coisas da vida e dos caminhos que percorremos.
Nesse questionamento, alguns optam pelo caminho da revolta. São os que maldizem a Deus, que se veem injustiçados, pois não mereciam tal desdita, que não veem utilidade nenhuma na dor, a não ser o sofrimento pelo sofrimento.
Outros utilizam a dor como aprendizado. São os que entendem os mecanismos de Deus como justos, e Deus como infinitamente amoroso para cada um de nós. Isso porque se Deus é a síntese maior do amor, certamente Seus desígnios são pautados pelo amor.
As perguntas: Por que comigo?, Será que eu mereço isso?, ou Para que tudo isso?, são os anseios de nossa alma a tentar entender as Leis da vida.
É necessário que repensemos qual o papel da dor para cada um de nós. Ela não é simples ferramenta de castigo de Deus, ou ainda, obra do acaso. Um Deus amoroso jamais agiria por acaso, ou castigaria Seus filhos.
Toda dor que nos surge é convite da vida para o progresso, para a reflexão, para a análise de nossos valores e de nosso caminhar.
Sempre que ela surge, traz consigo a oportunidade do aprendizado, que não se faria melhor de outra forma, caso contrário, Deus acharia outros caminhos.
Não que devamos ser apologistas da dor, e buscá-la a todo custo. De forma alguma. Deus nos oferece a inteligência, e os recursos das mais variadas ciências, para diminuir nossas dificuldades e dores.
Assim, para as dores da alma, devemos buscar os recursos da psicologia e da psiquiatria. Para as dificuldades do corpo físico, os recursos clínicos ou cirúrgicos.
Porém, quando todos esses recursos ainda se mostrarem limitados, a dor que nos resta é nosso cadinho de aprendizado. A partir daí, nossa resignação dinâmica perante os desígnios da vida nos ajudará a entender qual recado e qual lição a vida nos está oferecendo.
Quando começarmos a entender que a dor sempre vem acompanhada do aprendizado, começaremos a entender melhor a música da vida, e qual canção ela está nos convidando a aprender a cantar.
Afinal, nada que nos aconteça é obra do acaso. Somos herdeiros de nós mesmos, desde os dias do ontem, e hoje inevitavelmente nos encontramos com nossas heranças.
As carências de hoje é o que ontem desperdiçamos, e as dores que surgem são espinhos que colhemos agora, de um plantio que se fez deliberadamente nos caminhos percorridos.
A dor é mecanismo que a vida nos oferece de crescimento e aprendizado. Porém ela somente será necessária como ferramenta de progresso enquanto o amor não nos convencer e tomar conta do nosso coração.
A partir de então, não mais a dor será visita em nossa intimidade, pois toda ela estará tomada em plenitude pelo amor, que, como bem nos lembra o Apóstolo Pedro, é capaz de cobrir a multidão dos pecados.

(Momento de Reflexão)





Diário de Quarta-feira 24/08/2016


Quarta-feira, 24 de agosto de 2016


É a nossa conduta verdadeira e não a nossa crença aparente que nos identifica com Deus e  os homens.



EVANGELHO DE HOJE
Mt 1,45-51

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.­
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Filipe foi procurar Natanael e disse:
- Achamos aquele a respeito de quem Moisés escreveu no Livro da Lei e sobre quem os profetas também escreveram. É Jesus, filho de José, da cidade de Nazaré.
Natanael perguntou:
- E será que pode sair alguma coisa boa de Nazaré?
- Venha ver! - respondeu Filipe.
Quando Jesus viu Natanael chegando, disse a respeito dele:
- Aí está um verdadeiro israelita, um homem realmente sincero.
Então Natanael perguntou a Jesus:
- De onde o senhor me conhece?
Jesus respondeu:
- Antes que Filipe chamasse você, eu já tinha visto você sentado debaixo daquela figueira.
Então Natanael exclamou:
- Mestre, o senhor é o Filho de Deus! O senhor é o Rei de Israel!
Jesus respondeu:
- Você crê em mim só porque eu disse que tinha visto você debaixo da figueira? Pois você verá coisas maiores do que esta. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem.

www.paulinas.org.br/diafeliz
  



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.









MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz

Aí vem um israelita de verdade, um homem sem falsidade.
Este Evangelho narra a vocação de Natanael, que é o Apóstolo Bartolomeu. Filipe é um verdadeiro Apóstolo. Logo após ser chamado por Cristo, já o anuncia ao colega.
Ao saber que Jesus era de Nazaré, e por esta cidade ser pequena, do interior e mal afamada, Natanael duvida se Jesus é mesmo o Messias. Os judeus esperavam que o Messias viesse de uma cidade melhor. Diante disso, Filipe toma a melhor atitude: Leva-o até Jesus. Quando o evangelizador não dá conta, joga as pessoas perto de Cristo, que ele faz o resto.
Que bom quando alguém está mal informado, está “picado” pelo preconceito da sociedade, mas não é fingido, como Natanael! Só assim a graça pode entrar e transformar.
A primeira coisa que Jesus fez em sua vida pública foi chamar companheiros para trabalhar com ele. Filipe também fez isso. É como alguém que assiste a um teatro bom e divulga para que seus amigos também aproveitem.
Jesus, primeiro elogia Natanael, chamando-o de israelita de verdade, homem sem fingimento. “De onde me conhecer?” Apesar de ser um elogio, Natanael quer saber se tem fundamente, ou é apenas bajulação.
Jesus então quebra a segurança de Natanael, mostrando que ele não está falando com um homem comum: “Enquanto estavas debaixo da figueira, eu te vi”. O prodígio derruba Natanael, que fica pequenino, lá no chão, diante de Jesus, aberto portanto, para a sua mensagem, para a conversão, para atender ao chamado. O nosso testemunho é o maior prodígio, que derruba as falsas seguranças das pessoas e as abre à conversão.
“Tu és o Filho de Deus, tu és o Rei de Israel!” A fé nos leva a nos humilharmos e nos curvarmos diante de Deus, de Cristo e da sua Igreja, mesmo que ela venha de Nazaré, isto é, esteja cheia de falhas e é vítima de preconceitos. Não compensa passar para uma seita quando descobrimos falhas na Igreja!
“Coisas maiores que esta verás!... Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”. Trata-se do sonho de Jacó (Gn 28,12). Jacó viu uma escada que ia da terra até o céu e os anjos subindo e descendo por ela. Essa escada é Jesus, que religou o céu com a terra. Natanael vai ver a maravilha da redenção sendo realizada por Jesus. Não só vai ver, mas vai colaborar e dar a vida pela redenção.
Para nós, hoje, esse “homem que veio de Nazaré” é a Igreja que, como Jesus, é humana e divina, cheia de limitações, mas una, santa, católica e apostólica. Se nós a acolhemos, mesmo sendo “de Nazaré”, isto é, fraca e limitada, um dia a veremos, no céu, bela e transformada. “Vem! Vou mostrar-te a noiva, a esposa do cordeiro... Seu brilho é como uma pedra preciosa, como o jaspe” (Ap 21,9-12).
A nossa Comunidade cristã é para nós a Igreja de Jesus. Diante dela, não sejamos como foi Natanael diante de Jesus, destacando suas limitações, mas pelo contrário, procuremos salientar as suas qualidades e virtudes, e torná-la ainda mais virtuosa. Quando uma pessoa se santifica, o mundo fica mais santo; quando uma pessoa cai no pecado, o mundo todo cai um pouquinho e fica mais pecador.
S. Bartolomeu Natanael nasceu em Caná, a cidade onde Jesus fez o milagre da transformação da água em vinho, numa festa de casamento. Conforme antiga tradição, depois que Jesus foi para o céu, ele pregou o Evangelho na Índia e na Síria, onde sofreu o martírio. Os sírios tinham uma forma terrível de tortura: Esfolar, isto é, tirar a pele da pessoa. Conforme uma tradição, Bartolomeu foi esfolado e, em seguida, degolado. Em Roma, na Igreja de Santa Maria Maior, existe uma estátua de S. Bartolomeu, em que ele está segurando um pedaço de sua pele.
Certa vez uma moça estava andando numa estrada e viu uma rosa. Apanhou-a e levou para casa.
Dias depois, outra moça estava andando naquela estrada e viu outra rosa. Achou-a muito bonita. Contemplou-a e a deixou lá, para que outros também a vissem. Aconteceu que o sol estava muito quente e, sem água, a rosa murchou.
Uma terceira moça passava dias depois por aquela estrada e viu também uma rosa. Ficou encantada. Que beleza! Buscou água e a regou.
Estão aí os três tipos de pessoas: Os egoístas e que não pensam nos outros e destroem tudo. Outros não destroem nem constroem. Não fazem o mal nem o bem, não estragam nem consertam nada. Nós sabemos que na verdade essa neutralidade não existe. “Quem não está comigo, é contra mim; e quem não recolhe comigo, espalha” (Mt 12,30). E há os que constroem, melhoram o mundo, protegendo-o e o ajudando a ficar mais bonito.
A exemplo desta terceira moça e do Apóstolo S. Bartolomeu, queremos aproveitar a nossa vida para fazer o bem, e nunca o mal.
Que Maria Santíssima, a Mãe da Igreja, nos ajude.
Aí vem um israelita de verdade, um homem sem falsidade.











CURIOSIDADES

Fatos que você não conhecia


1-Os “computadores” dos anos 50 eram enormes e transportados em caminhões.


2- A Grande Muralha da China não é visível do espaço, mas a poluição do país é.


3- O filme “O Resgate do Soldado Ryan” tem cenas de combate tão reais que muitos soldados antigos saíram da sala de cinema por estarem muito emocionados.


4- Sabe quando você vê um ator cheirando “cocaína” em um filme? Na verdade, aquilo é vitamina B em pó.



5- Existe um livro chamado “Tudo O Que Os Homens Sabem Sobre As Mulheres” com mais de 100 páginas em branco.


6- Leonardo DiCaprio nunca usou drogas e teve que aprender a agir como um drogado para interpretar papéis assim.


7- A Microsoft criou 3 bilionários e uma média de 12.000 milionários no mundo.


8- Hitler planejava matar todos os moradores de Moscou (Rússia) e substituir a cidade por um lago.


9- Na Inglaterra, existe uma competição anual de mentirosos. Os competidores têm 5 minutos pra contar a maior mentira que conseguirem. De acordo com as regras, políticos e advogados são banidos da disputa.


10- Se você morrer em Amsterdam sem nenhum descendente ou amigos, um poeta lhe escreverá um poema e o recitará no seu velório.








MOMENTO DE REFLEXÃO

As palavras – este limitado recurso que possuímos para tentar transmitir conceitos que muitas vezes transcendem a realidade material que nos cerca.
Diante de tal limitação, os Escritos Sagrados das diferentes tradições religiosas frequentemente lançam mão de parábolas e metáforas.
As parábolas representam um símbolo externo que torna acessível uma realidade interna. O Semeador que lança as sementes em todos os tipos de solo, sem distinção.
O amor que emana das mãos d’Aquele que cultiva. O solo que representa o nosso coração, que devemos transformar em terra fértil e acolhedora.
As metáforas, conforme nos recorda o poeta, são pontes poéticas que o amor constrói e que fazem ligação entre coisas e conceitos.
E dentre todas as metáforas utilizadas pelas Escrituras, uma das mais belas é uma passagem dos Escritos da Fé Bahá’í...
...que compara o nosso corpo a uma gaiola, e a alma humana a uma ave que nela habita.
...que compara o nosso corpo a uma gaiola, e a alma humana a uma ave que nela habita. “Imaginar que o espírito pereça ao morrer o corpo, é como imaginar que o pássaro morra ao quebrar-se a gaiola.”
“Nosso corpo é apenas a gaiola, enquanto o espírito é o pássaro...”
“Nada tem o pássaro que recear, porém, com a destruição da gaiola.”
“Nosso corpo é apenas a gaiola, enquanto o espírito é o pássaro...” No dia em que a terra reclamar de volta o pó que compõe o nosso corpo, que alturas haverá de alcançar em seu voo a ave da nossa alma?
“Nosso corpo é apenas a gaiola, enquanto o espírito é o pássaro...” que alturas haverá de alcançar em seu voo a ave da nossa alma? Aproveitar os breves e incertos dias da nossa jornada terrestre, para fortalecer as asas do nosso espírito.
“Asas do espírito” – a pureza de coração, & a generosidade da alma.
 “Asas do espírito” – o ser amante e defensor da Justiça.
 “Asas do espírito” – o cuidado com o próximo, com o pobre e o necessitado.
Da mesma forma que para garantir a saúde física precisamos nos alimentar adequadamente,...
...o bem-estar da nossa alma também depende de uma nutrição espiritual adequada.
Uma dieta espiritual balanceada, onde estejam presentes na medida devida a Caridade, a Compaixão, a Justiça, o Amor, e o Perdão.
Ao fim de cada dia, avaliar se as nossas ações, atitudes, pensamentos e palavras serviram para fortalecer as asas do nosso espírito.
Ao fim de cada dia, avaliar se as nossas ações, atitudes, pensamentos e palavras serviram para fortalecer as asas do nosso espírito. Os pássaros não voam o quanto querem, mas o quanto podem.
Para se alcançar as sublimes alturas, asas fortalecidas se fazem necessárias.
Para se alcançar as sublimes alturas, asas fortalecidas se fazem necessárias. As aves, – a beleza da sua plumagem, as melodias de seu canto inebriante, a suavidade do seu livre voar pelo espaço aberto.
Metáforas visuais e poéticas a nos recordar de que existem outras realidades, belas e sutis, além da nossa superficial rotina dos dias e das horas.
Metáforas visuais e poéticas a nos recordar de que existem outras realidades, belas e sutis, além da nossa superficial rotina dos dias e das horas.
Cada dia é precioso, cada hora, sagrada. Aproveitar nossa breve peregrinação pelo tempo-espaço para acumular virtudes e bens imateriais, de valor eterno.
Viver de tal forma que a cada dia avancemos um pouco mais em direção à nossa Bem-aventurança.
 “Bem-aventurados os que aspiram tornar-se Filhos da Luz.”