Páginas


(clique abaixo para ouvir a música)

LITURGIA DIÁRIA

LITURGIA DIÁRIA - REFLEXÕES E COMENTÁRIOS

Diário de Sexta-feira 23/06/2017


Sexta-feira, 26 de junho de 2017


“Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem.” (Mário Quintana)



EVANGELHO DE HOJE
Mt 11,25-30


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Naquela ocasião, Jesus pronunciou estas palavras: "Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. Vinde a mim, todos vós que estais cansados e carregados de fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e sede discípulos meus, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vós. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve".
www.paulinas.org.br/diafeliz
 


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Humberto Selau Inácio


À PROCURA DE PAZ E DESCANSO?
VINDE!

 Caríssimos, depois do discurso missionário (cap. 10) o evangelista, nos capítulos 11 e 12 irá explorar através de perícopes de entonação sapiencial o confronto entre Jesus, a Sabedoria personificada, e a Lei. O fio condutor desta sessão parece ser a crescente hostilidade dos mestres da Lei contra Jesus. Seu comportamento independente diante das normas judaicas, seu situar-se acima da Lei de Moisés, sua tolerância para com os pecadores e seu interesse premuroso pelos pobres e marginalizados contrastam com o rigorismo dos fariseus e com a expectativa comum de um Salvador poderoso que viria libertar Israel de todos os seus opressores, cheio de glória e majestade (veja primeira leitura). É de extrema importância termos clara essa idéia para bem entendermos o trecho do Evangelho de hoje.

Naquele tempo, os escribas (caras que dominavam a escrita), fariseus (grupo religioso seguidor rigoroso da lei mosaica) e os mestres da Lei (exímios conhecedores da lei, como nossos advogados atualmente) consideravam-se a nata do povo de Israel. Em seu pensamento o "resto" do povo estava afastado de Deus por não conhecer a Lei e por não obedecê-la como eles a obedeciam. Jesus é absolutamente contrário a esse pensamento e com suas atitudes começa a incomodar essa gente. Na escola de Jesus não é necessário ser doutor ou bom conhecedor da Lei, nem justo, nem santo, nem praticar um a um dos 613 mandamentos a que todo judeu estava sujeito. Sim, você leu certo: 613! Aqui você começa a entender as palavras de Jesus:
"Vinde a mim, todos vós, que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve".
Na escola de Jesus as lições são mais suaves porque o Mestre ajuda a carregá-las ao contrário dos fariseus e escribas que "atam fardos pesados e difíceis de carregar e os põem sobre os ombros dos homens, entretanto eles mesmos nem com o dedo querem movê-los!" (Mateus 23:4). Santo Agostinho comenta: "Qualquer outra carga te oprime e esmaga, mas a carga de Cristo alivia-te o peso. Outra carga qualquer tem peso, mas a de Cristo tem asas. Se a um pássaro lhe tiras as asas, parece que o alivias de seu peso, mas quanto mais lhe tiras este peso, tanto mais o atas à terra. Vês no solo aquele que quiseste aliviar de um peso; restitui-lhe o peso de suas asas e verás como voa" (Sermão 126).
Um dos elementos constituintes da dominação é a opressão. E a opressão se dá quando te obrigam a fazer uma coisa ou viver de uma maneira, alheia à sua vontade, cerceando sua liberdade. Mas cuidado! engana-se quem pensa que essa opressão só acontece de maneira escancarada, facilmente detectável, como em casos de abuso de poder, por exemplo. Seria muito bom se assim fosse, mas não é! Há uma forma de opressão muito poderosa usada em larga escala, sorrateira e ardilosa como o demônio, que nos ilude e inebria, baseada na tríade PODER-TER-PRAZER. Hoje, não estamos oprimidos por 613 prescrições e por alguém que só nos joga pra baixo dizendo que somos pecadores e não temos salvação porque não cumprimos ao pé-da-letra cada uma dessas prescrições, como no tempo de Jesus. Contudo, há um forte poder à nossa volta, repleto de apelos, quem enreda e sucumbe àqueles que não têm o coração aberto à palavra do Mestre. Comece a refletir sobre as propagandas que você assiste na TV. Todas, mas todas mesmo, te colocam numa posição de necessitado diante de determinado produto ou serviço e no fundo a mensagem é sempre a mesma: pra você ser feliz, você precisa ter isso...! Essa é a sensação do TER! Ter vale mais do que ser! Outras, depois de apresentarem o produto completam com um belo VOCÊ PODE! Essa é a sensação do poder! EU POSSO TUDO e comigo ninguém pode! E por trás de tudo isso está um ser humano cheio de necessidades insatisfeitas, na busca por algo que lhe DÊ PRAZER, que lhe satisfaça todos os seus anseios. Você percebe do que o mundo é capaz? É capaz de te deixar cego! É capaz de te tirar o raciocínio, a ponto de você não conseguir segurar-se diante de um produto qualquer! É capaz de te tirar a liberdade, tornando-te um escravo das coisas! É capaz de te enfiar num buraco sem fundo de dívidas para satisfazer um capricho ou para te dar status, fugaz reconhecimento. Aliás, alguém disse uma vez que STATUS É COMPRAR O QUE VOCÊ NÃO PRECISA, COM O DINHEIRO QUE VOCÊ NÃO TEM, PARA MOSTRAR A QUEM VOCÊ NÃO CONHECE O QUE VOCÊ REALMENTE NÃO É!
Irmão, irmã, se você está nessa situação ACORDE! Não são as coisas que te dão valor ou fazem você ser aceito! Você tem um valor inestimável em si mesmo! Tens tanto valor que nosso Deus, desceu do céu e se fez homem, sofreu e morreu em teu lugar para que você tivesse a possibilidade de ser livre! Veja como seu fardo é pesado querendo impressionar os outros, trabalhando como louco para comprar o melhor carro, para vestir um jeans de R$ 1.200,00, para esnobar seu colega de faculdade. Que pobreza de espírito! Jogue esse peso fora e tome o peso de Jesus, um fardo muito mais leve porque é baseado no SER e não no ter. Se continuares vivendo assim, segundo a carne, morrerás! Irmãos: "Vós não viveis segundo a carne, mas segundo o espírito, se realmente o Espírito de Deus mora em vós!" (Rm 8,9). Se ainda não tens essa certeza, peça o auxílio do Senhor e diante dele faça votos para viver sob sua LEI e não sob a observância cega do consumismo capitalista. Só assim encontrarás descanso. Não em boates, não no carnaval, não em noitadas, não na bebida ou nas drogas, não no dinheiro fácil, não na prostituição, porque nada disso é capaz de preencher a insatisfação de seu coração. Milhões são aqueles que percorrem o mundo inteiro atrás de sossego e não encontram. Não encontram porque procuram nos lugares errados. Escute a voz do Mestre: Vinde a mim e aprendei comigo e encontrareis descanso...

VENHO A TI SENHOR, COM GRATIDÃO, POIS FIZESTE A MARAVILHA DE ABRIR MEUS OLHOS. AGORA PERCEBO QUE NADA PODE ME SATISFAZER PLENAMENTE A NÃO SER A TUA PRESENÇA. SEM A TUA MÃO NÃO POSSO ANDAR, SEM O EU AMOR NÃO POSSO VIVER. MANIFESTA-TE ATRAVÉS DE MIM E POR MIM SEJAS EXALTADO NO CÉU E NA TERRA PARA QUE OUTROS, VENDO A TRANSFORMAÇÃO QUE OPERASTE EM MINHA VIDA, RENDAM-SE TAMBÉM À TUA LEI, SUAVE, MANSA E HUMILDE: LEI DO AMOR. AMÉM!

humberto@ciser.com.br







CULINÁRIA


Cestinha de Granola
Saudável, deliciosa e fácil de fazer!


 INGREDIENTES

2 colheres (sopa) de manteiga sem sal (30 g)
1⁄4 xícara (chá) de mel (80 g)
1 colher (sopa) de açúcar mascavo (10 g)
Canela a gosto 1 xícara (chá) de aveia em flocos (90 g)
1⁄4 xícara (chá) de castanha-do-pará picada (30 g)
1 colher (sopa) de gergelim (10 g)

Iogurte grego e frutas picadas a gosto



 MODO DE PREPARO

1 - Numa frigideira coloque 2 colheres (sopa) de manteiga sem sal, ¼ xícara (chá) de mel, 1 colher (sopa) de açúcar mascavo, canela a gosto e leve ao fogo médio até a manteiga derreter. Apague o fogo e adicione 1 xícara (chá) de aveia em flocos, ¼ xícara (chá) de castanha-do-Pará picada, 1 colher (sopa) de gergelim e misture até ficar homogênea.

2 - Com ajuda de um saco plástico coloque um pouco da massa numa forma de empada, pressionando bem no fundo e nas bordas. Leve para assar em forno pré-aquecido a 160ºC por 20 minutos. Retire do forno, deixe esfriar e desenforme.

3 - Sirva a cestinha com iogurte grego e frutas picadas a gosto.

4 - DICA: Utilize a mesma massa para fazer barrinhas. Coloque a massa em uma assadeira, cubra com um plástico e com as mãos modele um retângulo de 10 cm X 20 cm X 0,5 cm de altura. Corte 6 barrinhas, deixe um espaço de +/- 1 cm entre as barrinhas e leve para assar em forno preaquecido a 160°C por 20 minutos. Retire do forno, deixe esfriar e sirva.



Picolé de paçoca
Apenas 6 ingredientes


1 lata de leite condensado (395g)
1 lata de leite (mesma medida da lata de leite condensado = 395ml)
2 gemas
1 lata de creme de leite sem soro
4 paçocas esfareladas (60g)
2 claras batidas em neve
6 paçocas esfareladas (90g)


 MODO DE PREPARO

Numa panela coloque 1 lata de leite condensado, 1 lata de leite, 2 gemas e leve ao fogo médio, mexendo sempre, até obter um creme com textura de mingau. Apague e deixe esfriar.
Com o creme já frio junte 1 lata de creme de leite sem soro, 4 paçocas esfareladas, 2 claras batidas em neve e misture delicadamente com um batedor de arame.
Coloque a mistura em forminhas de picolé com um pouco de paçoca esfarelada no fundo, dê uma batidinha para o creme descer e leve ao freezer. Retire do freezer e sirva em seguida.








MOMENTO DE REFLEXÃO


Já imaginou o que aconteceria se tratássemos a nossa Bíblia do jeito que tratamos o nosso celular?
E se sempre carregássemos a nossa Bíblia no bolso ou na bolsa?
E se déssemos uma olhada nela várias vezes ao dia?
E se voltássemos para apanhá-la quando a esquecemos em casa, no escritório... ?
E se a usássemos para enviar mensagens aos nossos amigos?
E se a tratássemos como se não pudéssemos viver sem ela?
E se a déssemos de presente às crianças?
E se a usássemos quando viajamos?
E se lançássemos mão dela em caso de emergência?
Ao contrário do celular, a Bíblia não fica sem sinal. Ela 'pega' em qualquer lugar.
Não é preciso se preocupar com a falta de crédito porque Jesus já pagou a conta e os  créditos não têm fim.
E o melhor de tudo: não cai a ligação e a carga da bateria é para toda a vida.
Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto!  (Is 55:6)*

TELEFONES DE EMERGÊNCIA:
 Quando você estiver triste, ligue João 14.
 Quando pessoas falarem de você, ligue Salmo 27.
 Quando você estiver nervoso, ligue Salmo 51.
 Quando você estiver preocupado, ligue Mateus 6:19,34.
 Quando você estiver em perigo, ligue Salmo 91.

Quando Deus parecer distante, ligue Salmo 63.
 Quando sua fé precisar ser ativada, ligue Hebreus 11.
 Quando você estiver solitário e com medo, ligue Salmo 23.
 Quando você for áspero e crítico, ligue 1 Coríntios 13.
 Para saber o segredo da felicidade, ligue Colossenses 3:12-17.
 Quando você sentir-se triste e sozinho, ligue Romanos 8:31-39.
 Quando você quiser paz e descanso, ligue Mateus 11:25-30.
 Quando o mundo parecer maior que Deus,ligue Salmo 90.



Diário de Quinta-feira 22/06/2017


Quinta-feira, 22 de junho de 2017


A verdadeira força não é a do mar em fúria que tudo destrói, mas do rochedo, impassível, que a tudo resiste.



EVANGELHO DE HOJE
Mt 6,7-15


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7“Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras.
8Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. 9Vós deveis rezar assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus. 11O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. 12Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido, 13e não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.
14De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. 15Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes”.

www.paulinas.org.br/diafeliz
 


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Jailson Ferreira


Pra que rezar?
No Evangelho de hoje Jesus nos ensina a rezar. Ele diz que não precisamos usar palavras bonitas ou difíceis, pois o Pai já sabe do que precisamos, muito antes de nós abrirmos a boca para pedir. E aí você poderia perguntar: "Ora, se Ele já sabe, então por que eu ainda preciso pedir?" Pois é, meu irmão, você também não precisa pedir... O nosso Pai do Céu não exige que você peça. Aliás, você consegue lembrar da última vez que passou 3 dias sem rezar um Pai Nosso? Pense um pouco... Agora tente lembrar... O que foi que aconteceu? Você passou fome? O sol deixou de nascer pra você? A água deixou de lhe molhar? Acredito que não. E por quê? Porque Deus cuida de você como quem cuida de um bebê recém-nascido, que nem sabe do que precisa, mas é cercado de mimos e paparicos sem nem saber de onde eles vêm...
Mas aí, de vez em quando, pode ser que você se dê conta de que tudo isso que tem ao seu redor, todas essas pessoas que você tem a oportunidade de se relacionar, esse mundão todo que está por aí afora, pra ser viajado e admirado, e até o seu próprio corpo, a sua vida, a sua saúde, a sua inteligência... que tudo isso é bom demais!!! Que tudo isso foi Deus quem lhe presenteou!!! Então virá aquela vontade de conversar com Aquele que lhe proporcionou tantas bênçãos, mesmo sem você ter pedido... Então será nesse momento que você vai render uma bela oração de louvor e agradecimento ao Pai... mesmo sabendo que nem precisaria, pois Ele vai continuar cuidando de você todos os segundos da sua vida.
Então a nossa oração serve mais para nós do que para Deus? Veja que interessante: quando oramos a Deus, estamos lembrando a nós mesmos que é Ele quem está no comando das nossas vidas. E é com essa segurança que voamos cada vez mais alto, e saltamos cada vez mais longe, pois sabemos que Ele não vai nos desamparar.
Na oração do Pai Nosso, também pedimos o alimento de cada dia e o perdão das nossas ofensas. Mas isso é algo que Ele só pode participar parcialmente, pois nós precisamos fazer a nossa parte. Vejamos: pra poder comer, é preciso trabalhar, certo? Ou pelo menos alguém precisa... E para poder ser perdoado, é preciso perdoar. Então quando fazemos a oração do Pai Nosso, temos a oportunidade de lembrar que para poder corresponder a todos esses mimos e paparicos do nosso Pai do Céu, precisamos sair do nosso comodismo (trabalhar) e perdoar a quem nos ofendeu, e assim, nos libertarmos de uma prisão que nós teimamos em construir em torno de nós mesmos...







MUNDO ANIMAL


Como treinar o cão para gostar de tomar banho?
Postado por Cão Cidadão


A hora do banho do cachorro pode se tornar um grande pesadelo para muitos donos de pets. Alguns tutores relatam muitos problemas no momento do animal tomar banho. Dizem que seus bichinhos ficam muito agitados ou, até mesmo, assustados com a ideia de ter que entrar em uma bacia com água ou receber uma chuvarada. Na hora de usar o secador, então, parece que tudo piora ainda mais.
Geralmente, isso acontece porque o pet fez uma associação ruim com o banho ou com os elementos que fazem parte desse momento, como o shampoo, barulho do secador, escova, entre outros objetos.
Por isso, para reverter esse quadro, é preciso agir com calma, para não causar ainda mais traumas no animal. O indicado é aplicar um treino denominado dessensibilização, para mostrar a ele que a causa da aflição é inofensiva. O treino deve ser aplicado com reforço positivo, que é uma técnica que utiliza recompensas que deixam o bichinho motivado a relacionar o ato “ruim” com coisas boas.
Como é o treino?
Se o medo for do secador, você pode pegar um pedaço de petisco, ligar o aparelho longe dele e, enquanto ele estiver tranquilo, deixá-lo mordiscar o alimento. Quando ele comer todo o petisco, o aparelho deve ser desligado. Se mesmo longe o secador ligado provocar medo, o treino deve começar com o objeto desligado. De maneira gradativamente, o aparelho pode ser aproximado do animal até o momento em que ele não sinta mais medo.
Porém, se em algum momento ele se mostrar desconfortável, será preciso retroceder o treinamento para uma fase anterior, na qual ele não demonstra sinais de desconforto. Um indício de que o treino não está dando certo é se ele não aceitar o petisco, por isso, preste atenção no comportamento do animal.
Esse mesmo treino pode ser feito com outros objetos, como a escova e a toalha. Se mesmo com essas dicas nada mudar na hora de tomar banho, será preciso consultar um especialista em comportamento animal.








MOMENTO DE REFLEXÃO


Há vários anos passados, uma senhora que vivia uma vida esplêndida, gastando vultosas somas em trajes finos e em festas, sem nunca pensar na existência e soberania de Deus, decidiu esbanjar um pouco mais da sua fortuna, empreendendo longa viagem marítima.
Confortavelmente instalada na melhor classe de um luxuoso transatlântico, desfrutando de todas as atenções e de todos os entretenimentos que a sua fortuna lhe permitia gozar, os dias passavam céleres.
Após aproximadamente duas semanas de viagem em alto-mar, ela abordou um marujo que passava, indagando com certo interesse:
- Quanto tempo ainda vai demorar para chegarmos ao destino?
- Se Deus quiser, em cinco ou seis dias chegaremos ao final da viagem, senhora  -foi a resposta delicada e concisa do marujo.
-Se Deus quiser... Que frase mais tola! - retorquiu a passageira com ironia e desprezo. -Onde está Deus? Não o vejo em nenhum lugar!
O universo é todo governado pela lei do acaso, pela sorte; tudo acontece assim naturalmente, meu rapaz!
No dia seguinte, desencadeou-se uma violenta tempestade, colocando em sério perigo aquela gigantesca embarcação com todas as vidas que ali se encontravam.
Enquanto a tempestade rugia furiosamente, a opulenta dama, tomada de pânico e de incertezas, permanecia em seu camarote.
A quem recorrer naquelas horas de aflição, se não havia cultivado fé e nem confiança em Deus? Estava angustiada...
De repente, ela avistou o mesmo marujo que passava apressado junto ao seu camarote. Chamou o outra vez e indagou quase desesperada:
- O senhor também está preocupado com a situação? O que acha dela?
Esta tempestade ainda assolará por muito tempo ou passará logo?
-Pelo que tudo indica, e também baseado em experiências passadas, tudo leva a crer que a tempestade ainda permanecerá por mais algumas horas...
-Então, por favor, ore  para que não venhamos a perecer - suplicou a mulher ao marujo, toda trêmula de pavor.
Esse, com uma calma significativa, apesar de apressado, indagou:
- A quem devo eu orar, minha senhora? A lei do acaso ou à simples sorte?
Quantos zombadores atrevidos se têm acovardado diante das inevitáveis tempestades que açoitam as suas vidas. É fácil revelar descrença na força Divina, quando tudo vai bem.
Todavia, nos momentos de agruras, inseguranças e sofrimentos, há sempre um vislumbre de Deus como o Criador, Sustentador e Dominador da sua obra majestosa!



Diário de Quarta-feira 21/06/2017


Quarta-feira, 21 de junho de 2017


“Os anos enrugam a pele, mas renunciar ao entusiasmo faz enrugar a alma.” (Albert Schweitzer)



EVANGELHO DE HOJE
Mt 6,1-6.16-18


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 1“Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens, só para serdes vistos por eles. Caso contrário, não recebereis a recompensa do vosso Pai que está nos céus.

2Por isso, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem elogiados pelos homens.

Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 3Ao contrário, quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua mão direita, 4de modo que a tua esmola fique oculta. E o teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa.

5Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar em pé, nas sinagogas e nas esquinas das praças, para serem vistos pelos homens.

Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 6Ao contrário, quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta, e reza ao teu Pai que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa.

16Quando jejuardes, não fiqueis com o rosto triste como os hipócritas. Eles desfiguram o rosto, para que os homens vejam que estão jejuando.

Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 17Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, 18para que os homens não vejam que estás jejuando, mas somente teu Pai, que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa”.

www.paulinas.org.br/diafeliz
 


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade


Bom dia!
O que há de diferente na Quaresma? O que deve representar em nós esse tempo tão propício de reflexão e conversão?
Os Judeus, no tempo de Cristo, possuíam diversos métodos de purificação da alma e da expiação dos pecados que ao longo do tempo foram se modificando. No entanto muitos chefes da lei tornavam esse momento um show a parte, uma vitrine de si mesmo.
Jesus chamava a atenção para que isso não se desvirtuasse e que o verdadeiro motivo do costume. O que fazemos da quaresma hoje? Como a tratamos? O sentido de quaresma ainda vive em nossa casa?
“(…) Esses quarenta dias, devem ser um tempo forte de meditação, oração, jejum, esmola (“remédios contra o pecado”). É tempo para se meditar profundamente a Bíblia, especialmente os Evangelhos, a vida dos Santos, viver um pouco de mortificação (cortar um doce, deixar a bebida, cigarro, passeios, churrascos, a TV, alguma diversão, etc.) com a intenção de fortalecer o espírito para que possa vencer as fraquezas da carne”. (Felipe Aquino – Blog Canção Nova)
É importante frisar que viver a quaresma é também sentir na pele o quanto Ele nos faz falta em nossa vida, e não só suprimindo algum tipo de alimento ou gosto. A quaresma só terá valor se ao final acontecer uma tomada de atitude interior.
E as cinzas? Como nossa liturgia é repleta de símbolos, elas também têm um significado.
Ao recebermos esse sinal em nossas testas, a igreja nos lembra que tudo isso que vivemos passará, e um dia voltaremos a ser pó. Que nossas vidas poderiam ser melhor aproveitadas em relação as pessoas e com nós mesmos. Que o tempo e a juventude, hoje desprezados com coisas que pouco ou nada edificam, poderá nos fazer falta um dia.
Andamos muito depressa para agora nos preocuparmos com isso. Nem nosso corpo consegue acompanhar nossos pensamentos. Estou aqui, mas minha cabeça já esta em outro lugar; acordo, tomo banho e minha cabeça já esta no serviço; no trabalho, já estou pensando na hora de buscar os filhos na saída da escola; lendo isso, já estou imaginando o que farei em seguida (…).
Na quaresma somos convidados a diminuir o ritmo para que corpo e mente se encontrem. Entender que em paralelo a isso, caminha o reino de Deus e a renovação da esperança, que esperam por aqueles que, na velocidade certa, consigam vê-lo e apreciá-lo.
“(…) Dizia também: O REINO DE DEUS é como um homem que lança a semente à terra. Dorme, levanta-se, de noite e de dia, e a semente brota E CRESCE, SEM ELE O PERCEBER. Pois a terra por si mesma produz, primeiro a planta, depois a espiga e, por último, o grão abundante na espiga. Quando o fruto amadurece, ele mete-lhe a foice, porque é chegada a colheita”. (Marcos 4, 26-29)
“Convertei-vos e crede no evangelho”!
Boa Quaresma!
Um imenso abraço fraterno!








CURIOSIDADES

Fatos que você desconhecia....até o momento.


1-Durante o período da Páscoa, na época da Segunda Guerra Mundial, os soldados americanos escreveram nas bombas: “Ovos de Páscoa para Hitler”.


2- O “Vale dos Dinossauros” é um local, na Paraíba, que contém o maior número de pegadas de dinossauros no mundo todo.


3- A animação que mais teve telespectadores no mundo foi “Frozen”. A história arrecadou 1 bilhão de dólares e se tornou um dos 10 filmes com a maior bilheteria do cinema.


4- A falta de sol por muito tempo pode matar. A luz solar na química do seu corpo forma a vitamina D, que é essencial para a fortificação dos ossos.


5- Um dos filmes mais caros para se produzir na história foi “Piratas do Caribe 3”, que custou $300 milhões de dólares.


6- No remake de “A Fantástica Fábrica de Chocolate” (2005), foram utilizados 780.000 litros de chocolate falso para a cachoeira e mais de 1.800 barras verdadeiras.


7- Os psicólogos apontaram que o dinheiro é a coisa que as pessoas mais usam para “curar” a depressão. Entretanto, isso só pode piorar o quadro depressivo.


8- Como a luz das estrelas demora para chegar até nós, é provável que muitas das que você vê nem existam mais.


9- Antes mesmo da sua mente saber que está apaixonada, o seu corpo já sabe. É daí que vem a tão falada “química”.


10- Os caramujos parecem inocentes, mas matam 110 mil pessoas por ano ao transmitirem doenças letais.







MOMENTO DE REFLEXÃO


Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço... Uma fita... Dando voltas.
Enrosca-se, mas não se embola. Vira, revira, circula e pronto: está dado o laço.
É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso cercado de braço.
É assim que é o laço: um abraço no presente, no cabelo, no vestido, em qualquer coisa onde o faço.
E quando puxo uma ponta, o que é que acontece? Vai escorregando... Devagarzinho, desmancha, desfaz o abraço.
Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido.
E, na fita, que curioso, não faltou nem um pedaço.
Ah, então, é assim o amor, a amizade.
Tudo que é sentimento. Como um pedaço de fita.
Enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.
Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade.
E quando alguém briga, então se diz: romperam-se os laços.
E saem as duas partes, igual meus pedaços de fita, sem perder nenhum pedaço.




Diário de Terça-feira 20/06/2017


Terça-feira, 20 de junho de 2017


“Na vida é preciso ter raiz, não âncora. A raiz te alimenta, a âncora te imobiliza.”



EVANGELHO DE HOJE
Mt 5, 43-48


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 1os publi­canos e pecadores aproximaram-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”.
3Então Jesus contou-lhes esta parábola: 11“Um homem tinha dois filhos. 12O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. 13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada.
14Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região, e ele começou a passar necessidade. 15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. 16O rapaz queira matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isto lhe davam.
17Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome’. 18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti; 19já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’.
20Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos. 21O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’.
22Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. 23Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. 24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa.
25O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. 26Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. 27O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’.
28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. 29Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. 30Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’.
31Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado”’.

www.paulinas.org.br/diafeliz
 


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Jailson Ferreira


Ô Jesus, não tinha uma coisinha mais fácil pra pedir, não?
No Evangelho de ontem vimos que Jesus começa a nos pedir para olhar com outros olhos àqueles que nos fazem o mal, que são injustos conosco, que nos pedem algo emprestado... Na reflexão, Vitinho nos lembra algo importantíssimo: essas pessoas que não sabem ou não conseguem agir com amor, é porque não se sentiram amadas primeiro. Como alguém pode dar o que não tem?
Essa é uma lição que nós precisamos ter gravada no coração para conseguir acompanhar o raciocínio de Jesus, que hoje diz: "Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem." De tudo o que Jesus poderia pedir, será que Ele poderia pedir algo mais difícil? Mas observe: a quem Jesus pede isso? Ele pede àqueles que querem ser chamados Filhos de Deus. Àqueles que querem agradar ao Pai. Àqueles que, como você e eu, querem se parecer com Ele.
Você já conheceu O Amor? Aquele amor que faz tudo sem esperar nada em troca? Aquele amor de quem se coloca no lugar do próximo para poder sentir a necessidade dele? Aquele amor de quem consegue ver a maldade do próximo como uma expressão da falta de amor que aflige o coração dele... E o que Jesus fez com quem agiu com maldade para com Ele? Amou e... rezou: "Pai, perdoa-os, eles não sabem o que fazem."
Quando você lê no Evangelho "amar os inimigos e rezar pelos perseguidores" você pensa: "Mas eu não tenho inimigos..." No entanto tem aquela pessoa que você não quer ver "nem pintada de ouro"... Pois é com ela que você precisa praticar essa lição de Jesus. É, meu irmão, minha irmã, eu sei... Toquei na sua ferida... Mas não se engane... Também é a minha... Quem não tem alguém, na sua história, que prefere evitar? Até as crianças são assim... E é por isso que elas precisam aprender desde cedo que as pessoas boas devem amar não só os seus amigos, mas também seus inimigos...









COMPORTAMENTO

Sempre atrasada? Veja algumas dicas para mudar esse hábito


Planejamento e dormir cedo: aprenda com os hábitos das pessoas pontuais como não chegar mais atrasada a todos os seus compromissos.
Chegar sempre atrasada aos compromissos pode ser um problema. Se eles forem profissionais, isso pode te render até uma demissão. Já se você se atrasa para encontrar os amigos, eles podem se indispor e nem te chamar para alguns encontros.
Se como resolução de Ano Novo você prometeu não ser mais uma pessoa atrasada, é preciso se organizar e seguir algumas dicas de pessoas pontuais, reunidas pelo site "Pop Sugar". Veja só:

Se planejar

Pessoas que estão sempre atrasadas geralmente subestimam o tempo que elas levam para ficar prontas. Elas falam que estarão no compromisso em meia hora, quando ainda precisam tomar banho, se arrumar e ainda levar tempo no trânsito até o local. As pessoas pontuais calculam o tempo correto antes de marcar um evento com outra pessoa. Tente então ser mais realista e prestar atenção no quanto você demora para fazer cada coisa.

Não procrastinar

Para ser pontual, é preciso fazer as coisas na hora, não deixar tudo para o último minuto. Isso significa separar as roupas na noite anterior, preparar lanches para o trabalho e arrumar a mala com antecedência para uma viagem.  Ao fazer algumas coisas de forma antecipada, você não deixa sua manhã antes de um compromisso virar um caos.

Botão soneca proibido!

Para chegar na hora certa aos eventos matutinos, é preciso selecionar uma hora certa para acordar, e realmente levantar da cama quando o despertador tocar. Só assim você terá tempo para fazer tudo o que precisa.

Dormir cedo

Essa é outra dica para que você não se atrase quando tiver compromissos pela manhã. Se o seu corpo descansar bem durante a noite, você acordará mais disposta e conseguirá fazer tudo pela manhã de forma mais rápida - e sem apertar o botão soneca.

Prepare-se para imprevistos

Quem é pontual, não sai exatamente na hora programada de casa. É importante também ter um tempo de sobra para imprevistos que possam acontecer no meio do caminho. Você pode esquecer alguma coisa, ou então ser atrasada por um dos maiores problemas das grandes cidades, o trânsito, entre outros imprevistos. Por isso, planeje-se sempre para sair de casa um pouco antes da hora necessária para chegar a tempo ao local desejado.

Fonte: Delas - iG @ http://delas.ig.com.br/comportamento/2017-01-09/dicas-mudar-atrasada.html








MOMENTO DE REFLEXÃO


O velho Mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal em um copo d’água e bebesse.
- Qual é o gosto? - perguntou o Mestre.
- Ruim - disse o aprendiz.
... O Mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse outra mão cheia de sal e levasse a um lago. Os dois caminharam em silêncio e o jovem jogou o sal no lago.
Então o velho disse:
- Beba um pouco dessa água.
Enquanto a água corria do queixo do jovem, o Mestre perguntou:
- Qual é o gosto?
- Bom! Disse o rapaz.
- Você sente o gosto do sal? Perguntou o Mestre.
- Não. disse o jovem.
O Mestre então, sentou ao lado do jovem, pegou em suas mãos e disse: - A dor na vida de uma pessoa não muda. Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos. Quando você sentir dor, a única coisa que você deve fazer é aumentar o sentido de tudo o que está a sua volta. É dar mais valor ao que você tem do que ao que você perdeu. Em outras palavras: É deixar de ser copo para tornar-se um Lago.
Somos o que fazemos, mas somos principalmente o que fazemos para  mudar o que somos.


Diário de Segunda-feira 19/06/2017


Segunda-feira, 19 de junho de 2017


“Na vida é preciso ter raiz, não âncora. A raiz te alimenta, a âncora te imobiliza.” (Mário Sergio Cortela)




EVANGELHO DE HOJE
Mt 5, 38-42


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 1os publi­canos e pecadores aproximaram-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”.
3Então Jesus contou-lhes esta parábola: 11“Um homem tinha dois filhos. 12O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. 13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada.
14Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região, e ele começou a passar necessidade. 15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. 16O rapaz queira matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isto lhe davam.
17Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome’. 18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti; 19já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’.
20Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos. 21O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’.
22Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. 23Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. 24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa.
25O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. 26Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. 27O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’.
28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. 29Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. 30Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’.
31Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado”’.

www.paulinas.org.br/diafeliz
 


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.






MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Alexandre Soledade


Bom dia!
Escrevi isso no ano passado, mas ainda vive essa mensagem como fosse hoje…
Desde criança meus avós me puseram no karatê para ajudar a controlar o potencial destrutivo que todos temos. A sabedoria dos meus dois velhos me propiciou grandes ensinamentos.
A intenção não era que eu aprendesse a me defender ou a bater em alguém, mas que tivesse controle sobre um dos lobos que temos dentro de cada um de nós, Aprendi que não devemos fazer nada motivado pela vingança ou pela raiva. No karatê, ao tentar revidar um golpe tomado, deixávamos a “guarda” sempre aberta para apanhar mais e sofrer ainda mais.
Faixas vão se passando e você vai entendendo que um golpe levado deve gerar um aprendizado e não a vontade de vingança. Onde se encaixa no evangelho de hoje? “(…) Mas eu lhes digo: não se vinguem dos que fazem mal a vocês“.
Certa vez falava eu dos cabelos brancos que ganhamos por tentar viver além dos nossos problemas os da responsabilidade dos que correm da responsabilidade; falamos dos cabelos grisalhos que surgem da raiva, do comodismo, da sobrecarga, da intolerância, da falsidade, (…), mas estranhamente Jesus e os escritos contidos na bíblia nos convidam a não revidar com as mesmas armas e sim com a sabedoria e a paciência.
Nas provações do dia-a-dia Deus nos pede CALMA!
“(…) humilha teu coração, espera com paciência, dá ouvidos e acolhe as palavras de sabedoria; não te perturbes no tempo da infelicidade, sofre as demoras de Deus; dedica-te a Deus, espera com paciência, a fim de que no derradeiro momento tua vida se enriqueça. Aceita tudo o que te acontecer. Na dor, permanece firme; na humilhação, tem paciência. Pois é pelo fogo que se experimentam o ouro e a prata, e os homens agradáveis a Deus, pelo cadinho da humilhação. Põe tua confiança em Deus e ele te salvará; orienta bem o teu caminho e espera nele. Conserva o temor dele até na velhice. Vós, que temeis o Senhor, esperai em sua misericórdia, não vos afasteis dele, para que não caiais; vós, que temeis o Senhor, tende confiança nele, a fim de que não se desvaneça vossa recompensa. Vós, que temeis o Senhor, esperai nele; sua misericórdia vos será fonte de alegria. Vós, que temeis o Senhor, amai-o, e vossos corações se encherão de luz”. (Eclesiástico 2, 2-10)
Olhar o ensinamento que surgiu no monte, por completo ou em partes é maravilhoso, mas devemos admitir que humanamente é duro de se cumprir. Nossa fraqueza pede pra avançar sobre o agressor, mas Jesus sugere que contornemos; nossa fragilidade deseja revidar, mas a sabedoria nos convida a respirar e contar até dez, vinte, trinta, quarenta… Triste é saber que quando o perverso sabe que não o atacaremos, parece ter mais vontade de cutucar. (risos)
A mensagem do monte difere em muito da filosofia de Auguste Comte – o positivista. A mensagem de Jesus nos propõe não a passividade da subserviência do escravo, do oprimido, do rendido, mas pensar alternativas que contornem e continuem a caminhar. A política de Jesus nos pede que “NÃO ENTREMOS NO JOGO” dos que vivem esse mundo.
Irmãos e irmãs brigam por cargos, locais em destaque, poder, (…); mas bem que poderiam deslocar esse potencial para coisas boas e construtivas. E nós também! Ao invés da réplica, da noite mal dormida pensando na resposta que daremos ao que nos magoou, Ele nos convida a continuar andando.
“(…) Deponde, pois, toda malícia, toda astúcia, fingimentos, invejas e toda espécie de maledicência Como crianças recém-nascidas desejai com ardor o leite espiritual que vos fará crescer para a salvação, se é que tendes saboreado quão suave é o Senhor (Sl 33,9). Achegai-vos a ele, pedra viva que os homens rejeitaram, mas escolhida e preciosa aos olhos de Deus; e quais outras pedras vivas, vós também vos tornais os materiais deste edifício espiritual, um sacerdócio santo, para oferecer vítimas espirituais, agradáveis a Deus, por Jesus Cristo. Por isso lê-se na Escritura: Eis que ponho em Sião uma pedra angular, escolhida, preciosa: quem nela puser sua confiança não será confundido (Is 28,16)“. (I Pedro 2, 1-6)
Não paguemos o mal com o mal. Não nos deixemos confundir!
Um imenso abraço fraterno!







MOTIVAÇÃO NO TRABALHO


Esses Alegres e Descolados Publicitários
Escrito por Luiz Marins


Imagine a cena. Feriado prolongado. Toda a cúpula da empresa reunida num hotel fazenda para decidir sobre o orçamento o budget como gostam de chamar aquela inútil peça obrigatória em quase todas as empresas. Inútil porque todos sabem que ninguém cumprirá o tal budget. Todos já até sabem as desculpas "técnicas"(sic) que darão no decorrer e no final do ano para justificar o seu não-cumprimento o mercado mudou, a tecnologia evolui, o risco.... tudo o que não era possível ser previsto à época da elaboração do tal budget que começa a ser discutido em abril, revisado em junho, enviado à matriz em outubro e aprovado mundialmente em novembro. Pura perda de tempo! Mas deixa o budget pra lá. Sem budget nenhuma empresa consegue acreditar nas próprias mentiras. É preciso ter uma base sobre a qual as mentiras devem começar a ser inventadas. Essa base é o budget. Tem que ter.

 Mas a cena é a seguinte. Todos irritados com a reunião. Sem família, feriado prolongado. Aquele "chato" do diretor financeiro comandando a reunião. Afinal chegou a hora dele. Dele e do pessoal de "planning" que também tem que ter o seu momento de glória na empresa. E esse momento é o do tal budget.

 A única palavra que se ouvia era "corta"! Corta isto, corta aquilo. O EBTDI, o EVA, o OBZ exigem esses cortes todos. Os acionistas não perdoam. Tem que cortar! "Essa idéia é muito boa mas os acionista não querem nada que demore mais do que seis meses para implementar e dar resultados no caixa....". E assim vai a reunião.

 De repente chega a hora dos gastos/investimentos(sic) em publicidade e propaganda ou seja lá como denominam isso o pessoal financeiro. A verba é monstra. Tantos milhões!

O pessoal de Pesquisa & Desenvolvimento e da Diretoria Industrial pula e diz "Pelo amor de Deus, precisamos de um novo equipamento de controle de qualidade há mais de três anos e nunca é aprovado! E custa menos de 5% dessa verba toda de publicidade!"
O pessoal de RH não acredita! "Já faz quatro anos que ninguém de nossa empresa participa de congressos internacionais importantes para o futuro de nossa empresa porque não temos verba. E tudo o que queremos é uma fração ínfima dessa verba toda de publicidade!"
O Diretor de Logística e Distribuição fica em pé e faz o seguinte discurso: "Gostaria de enfatizar pela nonagésima vez que nosso sistema logístico é furado. Se não investirmos nisso agora não teremos como fazer nossos produtos chegarem ao mercado. Temos que desenvolver Centros de Distribuição Integrada e dotar tudo de um software que nos traga pelos menos próximos(sic) de nossos competidores. Depois não digam que eu não avisei...".

Mas o todo poderoso pessoal do Marketing que todos desconfiam que joga mais para o time das agências de publicidade do que da empresa com um olhar de desdém para os pobres mortais das demais áreas pede licença e pede para chamar o pessoal da "agência"  para que eles mostrem a "nossa nova "campanha".

Lá entra o pessoal da agência. Vestidos de griffe, brincos nas orelhas (nada contra os brincos apenas uma descrição), roupa toda preta, cabelos repletos de gel e cara de sono. Como sempre um ar blasé de quem está super-irritado por perder o feriado em Angra, Búzios ou Trancoso.

A tal campanha previa páginas de páginas das mais caras revistas brasileiras. Comerciais de 30 segundos nos horários nobres das TV mais caras. E para dar um charme diferencial e mostrar o produto ao mercado de forma convincente, as tomadas todas fotos, filmes, cast, etc. deveriam ser feitas, parte na Europa Paris e Londres e parte defronte às pirâmidos do Egito ou mesmo em algum lugar do Oriente Médio o "tema do tempo" afirmava o publicitário com um sorriso de quem vê coisas que nenhum mortal consegue enxergar. Só de custos de viagem, estadia, alimentação, locação de equipamentos e sites de cena e que tais, lá ia mais da metade da verba de muitos milhões. E os artistas? Havia toda uma logística para levar tal e qual artista para essas tomadas. Só viajam de primeira classe, exigem suites de luxo, explicava o alegre e descolado publicitário, daí o custo ser "um pouco salgado" ao que emendava "mas muito abaixo das outras opções que nossos criativos(sic) propuseram".  E ainda teve a petulância de dizer "Estamos propondo uma coisa simples devido às restrições de verba que vocês dizem ter...".

Eu olhava para os olhos atônitos do Diretor Industrial, do Diretor de Logística, do Gerente de Pesquisa & Desenvolvimento, do RH.... Eles simplesmente não acreditavam em tudo o que estavam ouvindo! Paris? Egito? Oriente Médio? Primeira Classe? Parece que eu via o Gerente de P&D imaginando o novo microscópio que precisava, o de Logística. E o pobre do RH sonhava apenas com um novo projetor multimídia de quatro mil dólares já que o atual da empresa projetava tudo com as cores fora de foco e já tinha uns 10 anos de idade. Pura ilusão!

O ingênuo Diretor de Vendas (e não de marketing) sugeriu maior investimento nos pontos-de-venda e utilizar parte da verba de publicidade para treinar vendedores dos clientes e fazer outras ações mais diretas no mercado. Quase foi crucificado pelo Diretor de Marketing e depois ridicularizado pelo pessoal da Agência. Passaram por cima dele como um trator!

A verdade é que o pessoal de marketing já tinha acertado tudo antes com a Presidência. Afinal eles passaram quase uma semana na casa do publicitário numa praia famosa e à beira da piscina, com uísque (ou melhor whisky) do mais caro, caviares, salmões, camarões (lula, não) e passeando na lancha de "n" pés já haviam decidido tudo. Até como apresentar a tal "campanha" para os demais mortais da empresa e fazê-los aprovar, sem muita discussão.  Afinal a "marca" é tudo, dizia o Diretor de Marketing. Temos que ter maior visibilidade no mercado emendava o Presidente.

O comentário entre os demais mortais era que "a coisa já estava armada". Outro comentário era "aí tem coisa..."  e ainda "é melhor a gente votar logo a favor, porque isso é coisa de cachorro grande...". 
No intevalo de café, nos cantos da sala, os demais diretores me confidenciavam "todo ano é assim, professor..."  e diziam  "Mas, um dia, essa farra vai acabar e vamos ser mais sérios nos nossos investimentos e pensar seriamente no futuro da empresa."

A verba de publicidade foi aprovada. Para fazer uma "média" com os demais, o Presidente cortou a verba em 1,5%(sic). Todos riram....
Todos as demandas de equipamentos, ampliação, treinaamentos, etc. dos demais departamentos foram cortadas "é preciso ser "duro" no corte, disse o Presidente. É isso que os acionistas desejam."
Os alegres e descolados publicitários agradeceram a atenção e, como se não bastasse o que já haviam feito, ainda deram uma caneta Montblanc para cada um dos presentes e disseram: "Vamos comemorar em Angra. Alguém quer ir?"
Imagine você, leitor, a "alegria" dos participantes! Um deles, olhando para a cara caneta disse: "É isso que eles fazem com a minha verba de pesquisa...".

Ainda não acabou. À noite, durante o jantar, um dos participantes trouxe o último número de uma revista especializada e um jornal desses que circulam entre as Agências e publicitários. Mostrava o Festival de Cannes.
O jornal e a revista eram repletos de fotos desse pessoal alegre e descolado em Cannes. Todos sorrindo. Whisky na mão, abraçados, emocionados. Ganharam "leões" de ouro, prata, bronze e que tais. Moças bonitas emolduravam a reportagem. A reportagem afirmava "A Agência 'tal' (a mesma da empresa deste artigo) este ano compareceu com menos representantes. Nem todos puderam ir. Houve contenção de despesas". Numa certa altura a matéria afirmava "Cannes continua um festival de festas"  e enumarava as dezenas de festas e recepções que as agências brasileiras davam aos seus descolados companheiros de alegria.

Uma das reportagens falava que uma agência havia perdido os seus prêmios por apresentar comerciais "falsos"(sic), isto é, de empresas ou de produtos que não existiam ou sem a aprovação ou rejeitados pelo cliente. E dizia que isso se repetia todos os anos e que os organizados estavam "pensando como resolver esse problema"(sic)

Imagine o leitor um engenheiro, um pesquisador, lendo essa matéria! Lendo e sabendo que sua verba foi cortada e foi "desviada" para... Cannes! E imagine o leitor quando esses mesmos diretores de outras áreas souberam que a tal Agência ainda convidou o Diretor de Marketing, o Gerente de Marketing e o próprio Presidente para "prestigiarem" a agência em Cannes, com tudo pago pela própria Agência Primeira Classe, Hotel cinco estrelas, etc...".

"Eu quero a minha centrífuga!" "Eu quero o meu projetor multimídia!" "Eu quero o meu software de logística!" "Eu quero o meu trabalho de promoçã no ponto-de-venda e treinamento de clientes!"  gritavam o pesquisador, o RH, o homem de logística e distribuição e o de vendas. Em vão! Cortaram tudo!
"É isso que os acionistas desejam!"  Será??

Esse "descolamento" por isso os chamei de "descolados" da realidade da empresa, do dia-a-dia real e concreto das dificuldades financeiras e convívio diário com os clientes ainda matará a profissão de publicitário e suas agências. Ao tempo em que as empresas (sem exceção) vêm cortando o que podem, maximizando tostões, não tem cabimento os alegres publicitários demonstraram tanto descolamento e desdém para a realidade.

Essa visão autofágica dos publicitários que trabalham pensando primeiro no seu amigo(sic) publicitário concorrente; segundo na agência do seu publicitário concorrente; terceiro em como ganhar prêmios e sair nas colunas sociais; quarto na sua imagem como empresário-rico com barcos, mansões, cavalos, etc. e só por último no cliente está irritando profundamente as empresas clientes. Muito mais do que os publicitários podem imaginar em sua arrogante auto-visão de que sabem de tudo o que ocorre na empresa.

E saibam os que estão lendo este artigo que todos comentam nas empresas que "Os "modernos" publicitários que se dizem tão modernos, viram onça (ou leões) quando se fala em "livre concorrência", quando os clientes (que pagam a conta) querem saber dos custos reais do que fazem as agências, quando tomam para si a contratação da produção de filmes, trabalhos gráficos, etc., quando são a favor dos bureau de mídia e que tais.  Tudo o que as empresas hoje fazem com qualquer fornecedor de produtos e serviços não vale para as Agências, nem para os publicitários "Essa ingerência compromete a qualidade da criação..."(sic) afirmam eles sem a menor vergonha do descolamento da realidade que essa visão denota. A patrulha ideológica deles próprios sobre eles próprios é de tal ordem de grandeza que muitas agências pasmem podem até dar desconto e abrir mão da tal "bonificação de agência" que os veículos oferecem. Mas pedem que isso tudo fique em "absoluto sigilo". Conheço casos em que a agência fez até um contrato "fake" (falso) para mostrar às outras agências concorrentes que é para quem realmente trabalham e vivem. Esse contrato falso (tal como os comerciais de Cannes), tinha como valor, simplesmente o dobro do valor real da contratação. E eles ainda diziam: "Sabe como é o pessoal das outras agências não pode saber que estamos trabalhando por um valor tão baixo e que abrimos mão da bonificação."

Eles chamam isso de "defesa da classe em benefício da qualidade" e portanto em "benefício do cliente"(sic), etc. ou seja usam os mesmos argumentos arcaicos dos anos 60-70. Eram os mesmos argumentos utilizados pelos revendedores de veículos quando por "Lei" um cidadão não podia comprar um carro fora de sua área de residência ou trabalho ou melhor, uma revenda não podia vender veículos para tais clientes. Eram os mesmos argumentos que proibiam a abertura de novas torrefações de café sem autorização do IBC ou de postos de gasolina a "x" metros de distância, farmácias, etc. sem autorização de "órgãos competentes". Tudo para "favorecer" o cliente esse pobre infeliz que não sabe distingüir produtos de qualidade de não-qualidade, que pode ser ludibriado o tempo todo por maus prestadores de serviço e maus comerciantes.

Além disso a irritação cresce quando as pessoas da empresa vêem que os publicitários se acham na condição de "palpitar" em quase tudo da empresa cliente do lay out das salas até design dos produtos. Mas ai do pobre mortal que der uma mera sugestão numa campanha ou num simples "anúncio"! Não é da área. Não entende. É pobre de espírito! "Não opine nem na cor do anúncio! Eles rodam a baiana e dizem que você é um pobre diabo que não entende de mercado..." disse um diretor de produtos.

E tudo vem irritando. As dezenas de outdoors que enchem a cidade no "Dia do Mídia" cumprimentando esses profissionais, por mais inocente que possa parecer, irrita o anunciante. Por que tanta badalação com os "mídia"? Por que as empresas não fazem o mesmo para um suposto "Dia do Gerente ou Diretor de Compras"  das empresas? Isso sem falar da falta de fidelidade e ética no meio. "Os profissionais mudam de agência como as pessoas de roupa" disse-me um anunciante. "Pode ver que nas revistas deles só aperece assim: Fulano de Tal (ex-agência tal), Beltrana (ex-tal e qual), Cicrano (ex-.....)". Eles pedem "total sigilo" sobre a campanha que estão preparando mas os nossos dados confidenciais vão para  todos os concorrentes através desse troca-troca de pessoal das agências. "Não há lealdade alguma entre eles. Eles vivem se comendo uns aos outros", emendou um terceiro.  "E quando mudam de agência vêm até nós, anunciantes, dizendo gatos e sapatos da agência da qual acabaram de sair e tentando levar a nossa conta para sua nova agência", falou um quarto sob o olhar concordante de todos os demais presentes.

Essa coisa de as agências, veículos, publicitários, viverem num mundo à parte, descolados da realidade concreta das dificuldades do dia-a-dia das empresas precisa ser urgentemente repensado. As empresas têm consciência que toda essa "festa" e é assim que eles enxergam é feita com o suado dinheiro da empresa, a custa de cortes essenciais em outras áreas.
Sei que serei execrado e crucificado pelos meus queridos amigos publicitários se é que lerão este artigo pois que não costumam ler, para não atrapalhar a sua "criatividade" original.

Sei que vão dizer que "engenheiros" pensam assim mesmo. São obtusos. Que o pessoal de RH então, é melhor nem comentar. E que o pessoal de vendas foi feito mesmo para comer poeira na rua e ir atrás do cliente e vender a "marca" já construída pelos publicitários e que isso é "bico" e que vendedor que reclama é mesmo incompetente.
Mas não agüentei a tentação de fazer este artigo e dizer aos meus amigos publicitários Wake Up Moçada! pois que ouço e vivo isso diariamente nas empresas.

E, se as agências e publicitários não fizerem esse dever de repensar, saibam que os clientes (empresas) estão fazendo. E só agüentam essa coisa toda porque ainda não descobriram como substituir o todo. As mudanças já estão ocorrendo. As empresas já estão menos dóceis às descabidas exigências das Agências e sua descolada visão da realidade empresarial de um mundo globalizado, competitivo, de margens cada vez mais estreitas e de cortes.

E quando isso acontecer, as agências e publicitários verão atônitos a rápida união entre anunciantes e veículos. Nem um nem outro agüenta mais. Os anunciantes já estão criando coragem para falar alguma coisa. Os veículos são mais cautelosos porque sabem que publicitários são raivosos e vingativos. E aí, mais uma vez, os alegres e descolados publicitários fingirão não compreender o que está acontecendo. Fingirão não entender o porquê de tanta ira contra eles pobres indefesos, que vararam madrugadas criativas e que tudo deram de si para "construir as marcas" o maior patrimônio de seus clientes. E que ajudaram este ou aquele veículo que só existe "graças à nossa agência" que os prestigiou....

E aí, haverá choro e ranger de dentes.
Acredite, agora é a hora de mudar ou morrer!







MOMENTO DE REFLEXÃO


Quarenta anos, quarenta e cinco. Você sente, obscuramente, nos seus ossos, que o tempo passou mais depressa do que esperava. Não lhe incomoda envelhecer, é claro. A velhice tem suas alegrias, as sua compensações - todos dizem isso, embora você pessoalmente, ainda não as tenha descoberto - mas acredita.
Todavia, também obscuramente, também sentida nos seus ossos, às vezes lhe dá aquela nostalgia da mocidade.
Não de amores nem de paixão; a doçura da meia-idade não lhe exige essas efervescências. A saudade é de alguma coisa que você tinha e lhe fugiu sutilmente junto com a mocidade. Bracinhos de criança no seu pescoço. Choro de criança. O tumulto da presença infantil ao seu redor. Meu Deus, para onde foram as suas crianças? Naqueles adultos cheios de problemas, que hoje são seus filhos, que têm sogro e sogra, cônjuge, emprego, apartamento e prestações, você não encontra de modo algum as suas crianças perdidas. São homens e mulheres - não são mais aqueles que você recorda.
E então, um belo dia, sem que lhe fosse imposta nenhuma das agonias da gestação ou do parto, o doutor lhe põe nos braços um menino. Completamente grátis - nisso é que está a maravilha. Sem dores, sem choro, aquela criancinha da sua raça, da qual você morria de saudades, símbolo ou penhor da mocidade perdida. Pois aquela criancinha, longe de ser um estranho, é um menino que se lhe é "devolvido". E o espantoso é que todos lhe reconhecem o seu direito sobre ele, ou pelo menos o seu direito de o amar com extravagância; ao contrário, causaria escândalo ou decepção, se você não o acolhesse imediatamente com todo aquele amor que há anos se acumulava, desdenhado, no seu coração.
Sim, tenho a certeza de que a vida nos dá os netos para nos compensar de todas as mutilações trazidas pela velhice. São amores novos, profundos e felizes, que vêm ocupar aquele lugar vazio, nostálgico, deixado pelos arroubos juvenis.
Aliás, desconfio muito de que netos são melhores que namorados, pois que as violências da mocidade produzem mais lágrimas do que enlevos. Se o Doutor Fausto fosse avô, trocaria calmamente dez Margaridas por um neto...
No entanto! Nem tudo são flores no caminho da avó. Há, acima de tudo, o entrave maior, a grande rival: a mãe. Não importa que ela, em si, seja sua filha. Não deixa por isso de ser a mãe do neto. Não importa que ela hipocritamente, ensine a criança a lhe dar beijos e a lhe chamar de "vovozinha" e lhe conte que de noite, às vezes, ele de repente acorda e pergunta por você. São lisonjas, nada mais. No fundo ela é rival mesmo. Rigorosamente, nas suas posições respectivas, a mãe e a avó representam, em relação ao neto, papéis muito semelhantes ao da esposa e da amante nos triângulos conjugais. A mãe tem todas as vantagens da domesticidade e da presença constante. Dorme com ele, dá-lhe banho, veste-o, embala-o de noite. Contra si tem a fadiga da rotina, a obrigação de educar e o ônus de castigar.
Já a avó não tem direitos legais, mas oferece a sedução do romance e do imprevisto. Mora em outra casa. Traz presentes. Faz coisas não programadas. Leva a passear, "não ralha nunca". Deixa lambuzar de pirulito. Não tem a menor pretensão pedagógica. É a confidente das horas de ressentimento, o último recurso dos momentos de opressão, a secreta aliada nas crises de rebeldia. Uma noite passada em sua casa é uma deliciosa fuga à rotina, tem todos os encantos de uma aventura. Lá não há linha divisória entre o proibido e o permitido, antes uma maravilhosa subversão da disciplina. Dormir sem lavar as mãos, recusar a sopa e comer croquetes, tomar café, mexer na louça, fazer trem com as cadeiras na sala, destruir revistas, derramar água no gato, acender e apagar a luz elétrica mil vezes se quiser - e até fingir que está discando o telefone. Riscar a parede com lápis dizendo que foi sem querer - e ser acreditado!
Fazer má-criação aos gritos e em vez de apanhar ir para os braços do avô, e lá escutar os debates sobre os perigos e os erros da educação moderna...
Sabe-se que, no reino dos céus, o cristão defunto desfruta os mais requintados prazeres da alma. Porém não estarão muito acima da alegria de sair de mãos dadas com o seu neto, numa manhã de sol. E olhe que aqui embaixo você ainda tem o direito de sentir orgulho, que aos bem-aventurados será defeso. Meu Deus, o olhar das outras avós com seus filhotes magricelas ou obesos, a morrerem de inveja do seu maravilhoso neto!
E quando você vai embalar o neto e ele, tonto de sono, abre um olho, lhe reconhece, sorri e diz "Vó", seu coração estala de felicidade, como pão ao forno.
E o misterioso entendimento que há entre avó e neto, na hora em que a mãe castiga, e ele olha para você, sabendo que, se você não ousa intervir abertamente, pelo menos lhe dá sua incondicional cumplicidade.
Até as coisas negativas se viram em alegrias quando se intrometem entre avó e neto: o bibelô de estimação que se quebrou porque o menino - involuntariamente! - bateu com a bola nele. Está quebrado e remendado, mas enriquecido com preciosas recordações: os cacos na mãozinha, os olhos arregalados, o beicinho pronto para o choro; e depois o sorriso malandro e aliviado porque "ninguém" se zangou, o culpado foi a bola mesma, não foi, vó? Era um simples boneco que custou caro. Hoje é relíquia: não tem dinheiro que pague.


Rachel de Queiroz