Páginas


(clique abaixo para ouvir a música)

LITURGIA DIÁRIA

LITURGIA DIÁRIA - REFLEXÕES E COMENTÁRIOS

Diário de Sexta-feira 24/10/2014





Sexta-feira, 24 de outubro de 2014


“As façanhas enchem o coração de presunção perigosa; os erros obrigam o homem a recolher-se em si mesmo e devolvem-lhe aquela prudência de que os sucessos o privaram.”  (Fénelon, Telêmaco)




EVANGELHO DE HOJE
Lc 12, 54-59
 
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.

Naquele tempo, 54Jesus dizia às multidões: “Quando vedes uma nuvem vinda do ocidente, logo dizeis que vem chuva. E assim acontece. 55Quando sentis soprar o vento do sul, logo dizeis que vai fazer calor. E assim acontece. 56Hipócritas! Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente? 57Por que não julgais por vós mesmos o que é justo?

58Quando, pois, tu vais com o teu adversário apresentar-te diante do magistrado, procura resolver o caso com ele enquanto estais a caminho. Senão ele te levará ao juiz, o juiz te entregará ao guarda, e o guarda te jogará na cadeia. 59Eu te digo: daí tu não sairás, enquanto não pagares o último centavo”.


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.




 
MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz


Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente?
Neste Evangelho, Jesus nos chama a atenção para uma incoerência nossa, que é fruto do pecado: Somos avançados no conhecimento das ciências e da técnica, mas muito atrasados no conhecimento das coisas de Deus.
“Hipócritas, vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente?” Essa advertência de Jesus vale de modo especial hoje, em que a humanidade cresce dia a dia no conhecimento das ciências e da técnica, mas parece até que está regredindo no conhecimento do sentido fundamental da vida.
A parábola da caminhada com o adversário para o magistrado reforça a necessidade de andarmos sempre com as contas em dia com Deus, pois quando estivermos diante do Juiz, que é Cristo, não haverá mais tempo para corrigirmos os nossos erros, ou para pedirmos perdão a Deus.
As pessoas conhecem o tempo cronológico, mas não procuram conhecer o tempo da graça. Vivem pesquisando a natureza a fim de utilizá-la, mas não conhecem o Autor e Criados da natureza. Em resumo, as pessoas aprofundam-se na ciência, mas não na sabedoria. A ciência não envolve a vida humana no seu conjunto, que tem duas partes: a terrena e a eterna.
“Não dizeis vós: Ainda quatro meses e aí vem a colheita? Pois eu vos digo: levantai os olhos e vede os campos, como estão dourados, prontos para a colheita!” (Jo 4,35-36). Estão aí as duas realidades: a simples ciência e a sabedoria.
É muito comum, ao andarmos à noite pelas ruas, vermos carros de luxo estacionados na frente de casa de cartomante. São pessoas formadas na ciência do mundo, mas analfabetas na ciência de Deus. Vemos pessoas letradas valorizando o “ter” e se esquecendo do principal que é o “ser”. Pais que, fora do período escolar, matriculam os filhos em cursos caros de inglês, e nem se preocupam em levá-los ao catecismo. Pessoas que se dizem católicas, mas desprezam as leis.
Por exemplo, para combater a AIDS, são apresentados medidas fúteis, já comprovadas que não funcionam, e se esquecem do principal que é o respeito à Lei de Deus.
A multiplicação de seitas, que apresentam, muitas vezes, a religião apenas como meio de adquirir benefícios nesta terra, mas se esquecendo da vida após a morte.
“Estou ciente de que o bem não habita em mim, isto é, na minha carne. Pois querer o bem está ao meu alcance, não, porém, realizá-lo. Não faço o bem que quero, mas faço o mal que não quero” (Rm 8,18-19). Se temos alguma conta a acertar com Deus, vamos fazê-lo logo, porque amanhã poderá ser tarde!
Cristo nos deixou todos os meios para vencermos o mal e fazer o bem: a oração, o sacramento da confissão, a Eucaristia, a vida em Comunidade, a leitura da Bíblia...
Certa vez, um menino passou correndo na rua, na frente da igreja. O padre estava na porta da igreja e aquilo lhe chamou a atenção. Foi até a calçada e viu que lá no fim da rua o menino virou para trás e voltou correndo na mesmo velocidade. Quando estava passando em frente à igreja, o padre gritou: “Menino, vem cá”. Mas nada, ele não parou. Chegando ao outro extremo da rua, ele virou para trás e veio correndo do mesmo jeito.
O padre pensou: eu vou segurar esse menino para ver por que ele está fazendo isso. Quando o garoto estava perto, o padre se colocou na frente dele e o agarrou. O menino ficou assustado, mas o padre o acalmou e lhe perguntou: “Filho, o que você está fazendo?” Ele respondeu: “Não sei!” “De onde você vem?” “Não sei!” “Para onde você vai?” “Não sei!” “Quem é você?” “Não sei!”
Neste momento, um senhor que morava em frente disse: “Iii padre! Esse menino é bobo. Pode largar, porque ele não sabe nada!” O padre largou e o garoto continuou correndo pela vida, para lá e para cá.
Que nós não sejamos também bobos, aprofundando-nos nas ciências da terra, correndo para lá e para cá, mas sem procurar o principal que é responder àquelas perguntas fundamentais da vida, que o padre fez ao menino!
As poucas palavras de Maria Santíssima que a Bíblia nos trouxe mostram que ela entendia muito bem das coisas de Deus e do sentido pleno da vida. Que ela nos ajude a dedicarmos os nossos talentos a “interpretar o tempo presente”.
Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente?






CULINÁRIA


Mousse de chocolate com suspiros
INGREDIENTES:


. 1 pacote de suspiros 200 grs
. 1 lata de creme de leite
. 1 xícara (chá) de chocolate em pó ( do padre ou outro)


PREPARO:

bata os supiros no líquidificador e coloque numa tigela, em seguida misture o creme de leite com o soro, e o chocolate em pó ( não pode ser achocolatado, que fica muito doce). misture tudo muito bem até virar um creme, coloque em potes e decore a gosto, leve a geladeira e sirva bem gelado.....Mais simples impossível, e fica ótimo.

Bolo de morango de caneca

1 unidade(s) de ovo
2 colher(es) (sopa) de iogurte sabor morango
1 colher(es) (sopa) de óleo de soja Sadia
1 colher(es) (café) de fermento químico em pó
4 colher(es) (sopa) de açúcar
5 colher(es) (sopa) de farinha de trigo
1/4 xícara(s) (chá) de morango fatiado(s)
quanto baste de chantilly para decorar
quanto baste de essência de baunilha
Unte a caneca com óleo ou manteiga e reserve.
Misture o ovo, iogurte, óleo de soja, fermento em pó, essência de baunilha, o açúcar e a farinha em uma tigela pequena até ficar homogêneo.
Despeje a massa na caneca e leve-a ao forno micro-ondas. Asse por 3 ou 4 minutos ou mais se for necessário. Cubra com morangos e chantilly e sirva.





MOMENTO DE REFLEXÃO


Nossos sonhos são o óleo que faz com que a engrenagem da nossa vida funcione.

Sonhando, corremos o risco de cair do alto um dia; sem sonhos, nunca chegaremos a subir a lugar nenhum.

Quem não sonha, não vive; quem não sonha, perde toda a esperança de ver qualquer futuro para si mesmo; quem não sonha, morre antecipadamente, morre em vida.

Quem não sonha, não gosta de pôr-do-sol, não toma tempo para olhar as estrelas, deprime e não vê as inúmeras possibilidades que a vida nos oferece para que sejamos felizes.

Melhor pensar que vai ser melhor amanhã do que ficar remoendo as dores presentes; melhor acreditar que o mundo pode ser justo e bom, que ainda existe gente boa e feliz, do que ficar vendo coisas negativas em toda a parte.

Acreditar no amor, não é um sonho. É acreditar em algo possível. Porque o amor nunca é um sonho, mesmo se nos faz sonhar; o amor é algo palpável e que dá sentido à nossa vida.

Sonhar que podemos ter uma vida diferente no futuro é apenas o primeiro passo na direção desse mesmo sonho.

Enquanto o vemos, vamos atrás dele e tudo fica infinitamente mais leve e mais fácil no presente; as cargas tornam-se menos pesadas, pois temos nossas mentes voltadas para algo mais bonito e não ficamos sentindo pena de nós mesmos. E sabemos que muito pior que sentir pena dos outros, é sentir pena de si mesmo.

Foram grandes sonhadores, idealistas, que mudaram a face do mundo. É preciso que pessoas assim continuem a existir. Podemos não ser grandes revolucionários no mundo, mas podemos tentar ser os revolucionários da nossa própria vida. Cabe a nós fazer alguma coisa. Só a nós!

Quem sonha, mantém a vida em movimento, num eterno passo na direção que nos aponta nosso grande Criador.

Quem sonha voa, corre, experimenta a vida, faz todas as coisas tornarem-se possíveis; nos sonhos pode-se ser rainha, rei, cinderela, rico, feliz ou simplesmente amado de amor infinito. É uma experiência enriquecedora.

Então, escolha você mesmo o que você quer ser.

E depois, acredite firme nisso...

E tenha um lindo e encantado dia!



Letícia Thompson

Diário de Quinta-feira 23/10/2014


Quinta-feira, 23 de outubro de 2014


“Arrependo-me muitas vezes de ter falado; nunca de ter silenciado.” (Ciro)


EVANGELHO DE HOJE
Lc 12, 49-53


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.


Naquele tempo disse Jesus aos seus discípulos: 49“Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso! 50Devo receber um batismo, e como estou ansioso até que isto se cumpra! 51Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer a divisão. 52Pois, daqui em diante, numa família de cinco pessoas, três ficarão divididas contra duas e duas contra três; 53ficarão divididos: o pai contra o filho e o filho contra o pai; a mãe contra a filha e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora e a nora contra a sogra”.


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.





MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz


Não vim trazer a paz, mas a divisão.
Neste Evangelho, Jesus usa dois sentidos contrários da palavra paz: a do mundo e a de Cristo. Se a nossa convivência com o mundo pecador é só “de paz”, é de se perguntar que paz é essa?
“Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra?” Jesus usa a palavra “paz” no sentido que o mundo pecador dá, que é uma aparente tranqüilidade da ordem, mas em cima da injustiça e baseada na força. Essa paz ele veio destruir. Como disse um padre, no final da Missa: “Ide em paz e que a paz de Cristo nunca vos deixe em paz”. O mundo vive em tensão, fruto do conflito entre os dois senhores que querem dominá-lo: Deus e o capeta. E nós somos embaixadores de Cristo no nosso ambiente. “Vim trazer a divisão: pai contra filho, mãe contra filha, sogra contra nora...” A afirmação é chocante, mas é real, e a vemos todos os dias ao nosso redor. Queremos a união dentro de casa, mas não podemos abrir mão do testemunho, e é este que causa a divisão. A nossa firmeza na fé gera, muitas vezes, perseguição. A prática do Evangelho não nos conduz a um paraíso terrestre.
“Devo receber um batismo, e como estou ansioso até que isto se cumpra!” Jesus se refere à sua paixão e morte, em que foi mergulhado (batizado) na dor, e venceu, nos salvando a todos. Um metal incandescente, quando é mergulhado na água fria, faz barulho e espirra água para todo lado. É o choque causado pelo encontro do Reino de Deus com o reino da Besta Fera (Apocalipse). Jesus será o primeiro a ser batizado, isto é, mergulhado nesse fogo. A parte dele foi bem feita. Resta a nossa.
“Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso.” Jesus compara a Vida Nova trazida por ele com o fogo. É o fogo que queima o que é “velho” ou errado em nós; é o fogo do Amor, derramado em nossos corações. Esse fogo vai aos poucos incendiando o mundo e fazendo nascer o Reino de Deus. Ele suscita perseguição, divisões e faz até derramar sangue. Mas o incêndio é implacável. Somos portadores do seu fogo. Ao ver a nossa lentidão, Jesus fica inquieto: “como gostaria que (esse fogo) já estivesse aceso!”
Após o fogo, surgem das cinzas plantas vicejantes. É o que acontece quando nos deixamos incendiar pelo fogo de Deus.
Antes de batizar Jesus, João Batista falou para o povo: “Eu vos batizo com água. Mas virá aquele que é mais forte do que eu... Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo” (Lc 3,16). No dia de Pentecostes, o Espírito Santo veio sobre Maria e os Apóstolos em forma de chamas de fogo (At 2,3). O Espírito Santo nos dá, no batismo, o dom do amor, que é semelhante ao fogo.
O que nos impulsiona a evitar o mal e fazer o bem não é, em primeiro lugar, um mandamento, o medo de castigo, ou busca da glória no Céu. O cristão é estimulado pelo Espírito Santo que age dentro dele ou dela como um fogo.
O amor arde no peito, queima e não deixa a pessoa parada. Impulsiona-a fortemente para a ação e para o testemunho. O Profeta Jeremias dizia: “Tenho de gritar, tenho de arriscar. Ai de mim se não o faço! Como escapar de ti? Como calar, se tua voz arde em meu peito?”
Os inimigos de Deus logo percebem e tentam apagar esse fogo, mas não conseguem. Como diz Jo 1,5: As trevas tentaram apagar a luz, mas não conseguiram.
Na morte de Jesus, os inimigos dele pensaram: “Agora apagamos”. Mas que nada! O fogo estava aceso no coração dos discípulos, e agora era impossível apagá-lo. Apagam aqui, ele brota ali.
Os antigos perseguidores dos cristãos perceberam que, quanto mais os matavam, mais eles cresciam em número. Este fogo que Jesus trouxe é muito especial. Quando tentam apagá-lo, aí que ele cresce.
Por isso que Jesus falou: “Não tenhas medo, pequeno rebanho, pois foi do agrado do vosso Pai dar-vos o Reino” (Lc 12,32).
Agora, uma coisa é certa: Ninguém consegue acender fogo apenas falando de fogo. Imagine se alguém pega um punhado de palhas bem sequinhas, coloca-as no sol quente e ainda joga gasolina. Depois começa a falar, com todos os recursos da oratória, sobre fogo. Não adianta nada. Mas se a pessoa chega com uma pequena chama, tipo palito de fósforo, já é o suficiente para incendiar tudo.
O mesmo acontece com o fogo do amor que Jesus veio trazer. Precisamos tê-lo, ao menos um pouquinho dentro de nós, a fim de que ele possa passar para os outros, multiplicar-se e incendiar o mundo.
Quem participa da Comunidade cristã, já tem esse fogo. Por isso que a ação das Comunidades é implacável.
“O zelo por tua casa me devora” (Sl 69,10). Esse zelo é como fogo dentro de nós.
Jesus, quando estava pregado na cruz, disse: “Tenho sede”. Ofereceram-lhe um líquido mas ele não quis. Não era sede de água, mas de ver esse fogo incendiando e transformando.
Os santos eram inflamados por esse fogo. Queriam, a todo custo, incendiar o mundo. Alguns deram a vida por essa causa. É preciso muita garra para atear fogo. É o fogo que nos tira de casa no domingo e nos leva para a Missa. É o fogo que sustenta os casais unidos. O amor de Cristo é maior que o amor humano.
Jesus não tinha nem onde reclinar a cabeça, mas passou a vida fazendo o bem e era feliz. E antes de subir para o Céu ele disse: “Como o Pai me enviou, eu vos envio. Recebei o Espírito Santo”.
O padre, a freira, todos os batizados são incendiados por esse fogo, e querem passá-lo para os outros.
Certa vez, um grupo de jovens resolveram botar fogo numa cidade. Eles se espalharam, cada um com uma chama e começaram a incendiar. Logo que o fogo se alastrou, vieram os bombeiros. Mas estava difícil porque os bombeiros recebiam telefonema de todos os cantos da cidade. E mais: quando apagavam o fogo em um lugar, logo que saíam o fogo reacendia. Assim, não houve jeito, e a cidade foi incendiada. Esses jovens estão convidando você para fazer parte do grupo deles.
“Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe: Este menino será causa de queda e de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição – e a ti, uma espada traspassará tua alma! – e assim serão revelados os pensamentos de muitos corações” (Lc 2,34-35). Maria carregava em seu coração o fogo trazido por seu Filho. Esposa do Espírito Santo, rogai por nós!
Não vim trazer a paz, mas a divisão.





MUNDO ANIMAL


Cãozinho na cama é tão bom… mas pode?


Dormir com um peludo fofo na cama pode ser considerado algo agradável e inofensivo para muitos tutores. No entanto, será que compartilhar o mesmo espaço de sono com o pet é um hábito saudável? O tema pode até dividir a opinião dos donos, mas quando os especialistas entram em jogo a recomendação é categórica: lugar de cachorro não é na cama.
A primeira preocupação tem a ver com a saúde. Há casos de transmissão de doenças entre cães e humanos, de você para seu pet e vice-versa. Esses problemas, conhecidos como zoonoses, podem incluir, por exemplo, raiva e dermatites. Mas não se apavore! Segundo médicos veterinários, o importante é manter a higiene dos animais.
 “Não há necessidade de manter os animais afastados dos tutores por causa das zoonoses. O primordial é ter um controle rígido da limpeza do cão e de suas vacinas”, diz Bárbara Nogueira, que atende no bairro da Lapa, em São Paulo.
Bárbara explica que a maioria dessas doenças são facilmente evitáveis com vermífugos e vacinas. Portanto, não há razão para paranoia: basta ficar de olho aberto para o asseio de seu cãozinho. A dica é reforçar a limpeza de partes do corpo que têm mais contato com o chão e a rua, como as patas. E lembre-se: você também pode passar doenças para o peludo, portanto cuide de sua higiene pessoal antes de partir para o sono, principalmente, se for uma soneca compartilhada.
Além da saúde, outro fator que preocupa especialistas é a qualidade da relação entre cães e donos, e como ela pode influenciar o comportamento dos bichos. Cachorros que dormem com seus tutores geralmente são muito mais ligados a eles do que se espera da convivência entre humanos e animais. Isso pode não ser visto como um problema pelos tutores, mas veterinários e adestradores garantem: a independência das mascotes é fundamental.
“Viver colado no dono é extremamente nocivo para o cachorro. Ele pode desenvolver síndrome de ansiedade de separação e ter problemas sérios de comportamento”, alerta Bárbara.
A síndrome de ansiedade de separação ocorre quando o pet não consegue mais ficar longe de seus donos. Em decorrência dessa dificuldade, hábitos como latir sem parar, destruir mobílias e fazer as necessidades no meio da casa, por exemplo, podem se tornar corriqueiros. “Determinar o espaço do dono e do cão é essencial para uma relação saudável e deve ser feito desde o nascimento do cachorro”, diz a veterinária.
Confira dicas para esse processo de mudança de comportamento:
- Determine um novo espaço para o cãozinho dormir, para que ele crie uma identificação, aos poucos, com o local. Pode ser uma casinha ou uma caminha para pets.
- Estimule o uso da nova área. Você pode recompensar o mascote com presentes ou brincadeiras quando ele for para seu novo ambiente de sono.
- Não deixe o animal subir mais em sua cama. Treine comandos para que ele entenda quando deve ficar e quando deve se afastar.
- Incentive seu pet a ficar sozinho em situações diferentes. Não deixe que ele o acompanhe por toda a casa ou em todas as tarefas. Ao se sentir confiante sozinho, ele naturalmente terá mais facilidade em se desvencilhar de você na hora da soneca.





MOMENTO DE REFLEXÃO


Um Asno, tendo colocado sobre seu corpo uma pele de Leão, vagou pela floresta, e divertia-se com o pavor que provocava nos animais que ia encontrando pelo seu caminho.
Por fim encontrou uma Raposa, e tentou amedrontá-la também. Mas Raposa tão logo escuta o som de sua voz, exclama:
Eu provavelmente teria me assustado, se antes não tivesse escutado seu zurro.
Moral da História:
Um tolo pode se esconder com belas roupas, mas suas palavras dirão a todos quem na verdade é.


(Esopo)

Diário de Quarta-feira 22/102014



Quarta-feira, 22 de outubro de 2014

"O mundo não está ameaçado pelas más pessoas, mas sim por aqueles que permitem a maldade."  (Albert Einstein)



EVANGELHO DE HOJE
Lc 12, 39-48

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 39“Ficai certos: se o dono da casa soubesse a hora em que o ladrão iria chegar, não deixaria que arrombasse a sua casa. 40Vós também ficai preparados! Porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”.

41Então Pedro disse: “Senhor, tu contas esta parábola para nós ou para todos?” 42E o Senhor respondeu: “Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor vai colocar à frente do pessoal de sua casa para dar comida a todos na hora certa? 43Feliz o empregado que o patrão, ao chegar, encontrar agindo assim! 44Em verdade eu vos digo: o senhor lhe confiará a administração de todos os seus bens. 45Porém, se aquele empregado pensar: ‘Meu patrão está demorando’, e começar a espancar os criados e as criadas, e a comer, a beber e a embriagar-se, 46o senhor daquele empregado chegará num dia inesperado e numa hora imprevista, ele o partirá ao meio e o fará participar do destino dos infiéis.

47Aquele empregado que, conhecendo a vontade do senhor, nada preparou, nem agiu conforme a sua vontade, será chicoteado muitas vezes. 48Porém, o empregado que não conhecia essa vontade e fez coisas que merecem castigo, será chicoteado poucas vezes. A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!”.


Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor.





MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Padre Antonio Queiroz


A quem muito foi dado, muito será pedido.
Neste Evangelho, Jesus novamente nos convida à vigilância. Primeiro ele usa a comparação do ladrão que entra numa residência e quando a família menos espera. Assim é a chegada do Reino de Deus na nossa vida, será de surpresa.
Pedro pergunta a Jesus: “É para nós?” Jesus responde que sim. A mesma pergunta podemos fazer a Jesus hoje: “É para nós?” Ele vai responder que sim.
A parábola dos dois administradores um fiel e outro infiel, Jesus a contou para mostrar a Pedro que a advertência é principalmente para eles, os Apóstolos, que serão os futuros líderes e administradores da santa Igreja.
Em se tratando de um administrador ou administradora, o lucro ou o prejuízo para o Reino de Deus é maior, pois para onde eles vão, muita gente irá atrás. Isso vale para os pais, para os professores, para os líderes cristãos, para os religiosos e religiosas, padres, bispos, papa... E vale também para as lideranças políticas ou qualquer cargo de coordenação na sociedade.
O administrador fiel é transparente, não faz nada escondido do patrão. Já o infiel aproveita a ausência do patrão para praticar atos ilícitos e usufruir do cargo em benefício próprio.
Mas Deus nosso Pai, que na parábola está simbolizado no patrão, sabe de tudo; ele recompensará generosamente o administrador fiel, e castigará com rigor o infiel.
São apelos à nossa vigilância. A vida cristã é algo sério e temos de prestar contas a Deus de todos os nossos atos. E essa prestação de contas pode acontecer a qualquer momento. A vida cristã envolve os nossos compromissos na família, no trabalho, na escola, na sociedade, na Comunidade cristã, em tudo.
“Ficai preparados, porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos esperais.” Quantas vezes falhamos nesses pontos, pensando que ninguém está vendo! Diante de Deus nada passa escondido e tudo será cobrado. Às vezes temos a tentação de fazer coisas erradas, porque ninguém nos conhece naquele lugar, ou ninguém está nos vendo. É justamente nessas horas que mostramos para Deus que tipo de fé é a nossa.
“Aquele empregado que, conhecendo a vontade do patrão, não agiu conforme a sua vontade, será chicoteado muitas vezes. Porém, o que não conhecia essa vontade e fez coisas que merecem castigo, será chicoteado poucas vezes.” Isso nos toca, pois conhecemos a vontade de Deus a nosso respeito. Portanto, a nossa responsabilidade é maior. Quem conhece os mandamentos e mesmo assim desobedece, peca mais do que aquele que não conhece os mandamentos. “A quem muito foi dado, muito será pedido.”
O que Deus mais quer de nós é que façamos bem aquilo que devemos fazer, cuidando do momento presente, e jogando tudo o mais, o nosso passado e o nosso futuro, nas mãos dele. Precisamos dar o melhor de nós para Deus. Deus merece, e certamente nos retribuirá cem vezes mais.
Certa vez apareceu, na roça de um agricultor, um formigueiro. Eram formigas devoradoras mesmo, que estavam destruindo a plantação. Então o homem não teve outra saída senão colocar na entrada do formigueiro um veneno em forma de grãozinhos, com aparência atraente às formigas.
Julgando que os pequenos grânulos eram comida, as formigas os apanharam e conduziram para dentro do formigueiro. Quando o agricultor voltou, no dia seguinte, todas as formigas estavam mortas.
Mas o agricultor ficou triste, porque outro formigueiro ao lado, cujas formigas não eram agressivas, também levaram a “comida” para dentro de suas casas e morreram.
Somos fracos, podemos nos enganar pelo inimigo. O pecado sempre se apresenta como algo bom e não nocivo. Depois que o praticamos, aí é que ele mostra todo o seu veneno. Por isso Jesus nos alerta: “Ficai atentos!”
Maria Santíssima foi de uma fidelidade admirável. Ela tinha a fidelidade própria de quem ama. A noiva espera a chegada do noivo e se prepara para isso com a maior alegria; assim era Nossa Senhora. Que ela nos ensine a sermos sempre vigilantes.
A quem muito foi dado, muito será pedido.





CURIOSIDADES


Conheça 10 germes que vivem em seu celular


Acha que seu celular é limpinho? Acompanhe a matéria e tente não ficar chocado com a quantidade de porcarias que ele pode apresentar!
Thamyris Fernandes 

Quantas vezes por semana você limpa seu celular? Se assustou com essa pergunta? Isso normalmente costuma acontecer, até porque a gente nunca se lembra que nossos inseparáveis celulares também precisam de uma “faxina” de vez em quando.
Aliás, muito gente – por mais que não vá admitir – nem sabia que uma limpezinha no celular fazia parte da vida. Mas, com toda a certeza, depois de ler a matéria de hoje esse “cenário” vai mudar e muitos vão ser os que vão sair atrás de um paninho por aí.
Isso porque vamos apresentar hoje, 10 das bactérias e fungos mais comuns nos aparelhos celulares, objetos que não saem de nossas mãos e que nos acompanham a qualquer lugar, inclusive ao banheiro. Confira:

1. Coliformes
Por mais que você não acredita, esses germes – que estão no seu celular nesse exato momento – geralmente encontrados nas fezes de todas as espécies animais. Aliás, pesquisas apontam que os coliformes estão em maior quantidade nos smartphones que em acentos de banheiros.

2. Escherichia Coli
Também conhecido como E.coli, essa bactéria também vive em seu aparelho celular. Mas, calma que não é o fim do mundo. Apesar da fama fatal que ela tem por aí, o E.coli não é necessariamente mau. Ele vive em nossos intestinos sem nos causar problemas, sabia? O problema é que, quando combinado a outro tipo bacterianos, ele pode causar infecções urinárias e gastroenterite.

3. Staphylococcus Aureus

Esse tipo de bactéria é o mais comum do ambiente e infecta 15% da população. Normalmente ela fica na pele e pode causar infecções sérias. Elas também são bastante presentes nos celulares, especialmente nos aparelho dos profissionais da saúde.

4. Streptococcus

Essa bactéria, que também é frequente nos celulares de todo mundo, se dividem em duas categorias: A e B. A primeira é mais comum em crianças que apresentam infecções de garganta e pode causar doenças mais graves na pele, como necrose. O tipo B, por outro lado, pode causar pneumonia e infecções, até mesmo no sangue.

5. Staphylococci Coagulase-Negativas

Essas são extremamente resistentes a antibióticos e, normalmente, são encontradas na pele humana e nas partes íntimas femininas. Embora sejam menos agressivas que as bactérias descritas no item anterior, essas aqui também podem causar infecções sanguíneas. Cerca de 15% dos celulares móveis estão contaminados por elas.

6. Corynebacterium

Causadora de difteria, essa bactéria é bastante rara nos países mais desenvolvidos, até mesmo porque há vacinas que atuam no seu combate. Apesar disso, ela ainda persiste em grande parte dos celulares, em uma versão mais branda, conforme apontaram pesquisas realizadas nos Estados Unidos.

7. Clostridium Difficile

São mais suscetíveis a ela as pessoas que precisaram usar antibióticos por períodos prolongados. Essa bactéria, que também está presente nos celulares, causa febre, náusea e diarreia.

8. Pseudomonas Aeruginosa

Uma das bactérias mais comuns nos celulares hoje em dia, essa bactéria causa infecções e é bastante resistente a tratamentos.

9. Mofo

Presente em 10% dos telefones celulares testados na Turquia.

10. Leveduras


Esses fungos estão presentes em muitos celulares por aí. Pelo menos eles estavam estavam comprovadamente em 1,5% dos aparelhos pesquisados.

- Ficou com medo? Então limpe esse celular!

Para limpar seu aparelho não é necessário nada muito sofisticado. Umedeça um pano com álcool 70%, daqueles encontrados em farmácias; e passe por todo o aparelho, exceto na tela. Melhor mesmo é tirar a bateria para fazer isso sem riscos.
A tela pode ser limpa com pano de microfibras ou com camiseta de algodão. Use movimentos leves, de dentro para fora, até que as marcas sumam da tela. No dia a dia, não é preciso utilizar álcool, mas um pano seco ou papel são importantes para retirar resíduos e digitais e evitar que a sujeira – e as bactérias – se acumulem.





MOMENTO DE REFLEXÃO


A felicidade e  infelicidade são o nosso estado de alma, ocasionados geralmente por fatores exteriores, que buscamos ou não. Quantas vezes a gente não se sente triste por causa de uma pessoa que nem sabe que nos ocasionou tristeza? Somos nós quem reagimos de uma maneira ou de outra ante o que nos acontece.

Resolvi hoje falar sobre a ingratidão, não ela em si, pois esse assunto eu gostaria de desenvolver em outro texto, mas sobre o nosso sentimento em relação às pessoas que achamos nos dever gratidão. Aquelas às quais nos dedicamos com amor, sem avaliarmos todas as conseqüências que carregam essa mesma palavra. E, por causa dessa dedicação, dessa entrega, renúncia em muitos casos, começamos a nos sentir injustiçados depois. E então a infelicidade toma conta do peito, da alma e vai nos deixando infelizes exatamente por que quisemos fazer a felicidade de uma outra pessoa. Tudo muito contraditório!...


Amar incondicionalmente é amar de olhos fechados e coração escancarado. É atravessar uma ponte e derrubá-la atrás de si, sem deixar retorno, sem esperar retorno. E se contentar dessa ação. Sentir-se recompensado e feliz simplesmente por ter dado algo de si. Utopia? Não, é uma questão de amor. Simplesmente.