Páginas


(clique abaixo para ouvir a música)

LITURGIA DIÁRIA

LITURGIA DIÁRIA - REFLEXÕES E COMENTÁRIOS

Diário de Terça-feira 09/02/2016


Terça-feira, 09 de fevereiro de 2016


“Preocupe-se mais com sua consciência do que com a sua reputação. Porque a sua consciência é o que você é, e a sua reputação é o que os outros pensam de você. E o que os outros pensam é problema deles.”



EVANGELHO DE HOJE
Mc 7,1-13


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 1os fariseus e alguns mestres da Lei vieram de Jerusalém e se reuniram em torno de Jesus. 2Eles viam que alguns dos seus discípulos comiam o pão com as mãos impuras, isto é, sem as terem lavado.
3Com efeito, os fariseus e todos os judeus só comem depois de lavar bem as mãos, seguindo a tradição recebida dos antigos. 4Ao voltar da praça, eles não comem sem tomar banho. E seguem muitos outros costumes que receberam por tradição: a maneira certa de lavar copos, jarras e vasilhas de cobre.
5Os fariseus e os mestres da Lei perguntaram então a Jesus: “Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, mas comem o pão sem lavar as mãos?” 6Jesus respondeu: “Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas, como está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim. 7De nada adianta o culto que me prestam, pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos’. 8Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens”.
9E dizia-lhes: “Vós sabeis muito bem como anular o mandamento de Deus, a fim de guardar as vossas tradições. 10Com efeito, Moisés ordenou: ‘Honra teu pai e tua mãe’. E ainda: ‘Quem amaldiçoa o pai ou a mãe deve morrer’. 11Mas vós ensinais que é lícito alguém dizer a seu pai e à sua mãe: ‘O sustento que vós poderíeis receber de mim é Corban, isto é, Consagrado a Deus’. 12E essa pessoa fica dispensada de ajudar seu pai ou sua mãe. 13Assim vós esvaziais a Palavra de Deus com a tradição que vós transmitis. E vós fazeis muitas outras coisas como estas”.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Pe. Antônio Queiroz CSsR


Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens.
Neste Evangelho, Jesus desmascara o que está por trás de certas práticas apresentadas como religiosas. E toma como exemplo a desobediência ao quarto mandamento. “Corban” era o voto pelo qual uma pessoa consagrava a Deus algum bem, tornando-o intocável e reservado somente ao tesouro do Templo, mas na verdade a intenção era livrar-se da obrigação sustentar os pais.
Nós precisamos de tradições e costumes, mas eles não podem colocar-se acima da Lei de Deus, nem serem considerados definitivos, pois a vida humana sempre evolui.
Não confundir com a Tradição, que é a maneira que a Igreja tem, inspirada pelo Espírito Santo, de interpretar as Sagradas Escrituras. Esta Tradição vem desde o tempo dos Apóstolos, e é perene. O problema é quando, aferrados a tradições humanas, nos afastamos da verdadeira Tradição da Igreja. Mas o Espírito Santo, que acompanha a Igreja e as Comunidades, nos dá o dom do discernimento para distinguirmos o que vem da Tradição, e o que são meras tradições ou costumes humanos.
A citação do profeta Isaías, feita por Jesus, nos dá a chave para entendermos por que certas pessoas se aferram cegamente a tradições. É porque elas são incapazes de crer, por isso substituem a fé por certos costumes, aos quais se apegam e não querem largar, mesmo que a Hierarquia da Igreja se posicione contra: “Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim” (Is 29,13).
Certa vez, um jovem sacerdote tomou posse numa paróquia como pároco. Antes aquela paróquia tinha ficado um bom tempo sem padre.
Quando chegou a preparação da festa do padroeiro, a comissão da festa disse ao padre que era costume preparar dois almoços no dia da festa: um para o padre, as autoridades, os músicos da banda e os festeiros; e outro para todo o povão, mais de quinhentas pessoas.
O padre sugeriu que acabasse com essa tradição e fosse preparado um almoço só para todos. Entretanto, a comissão foi irredutível, e o padre acabou ficando calado.
Quando chegou o dia da festa, houve de manhã a procissão, em seguida a Missa e por fim o almoço. O almoço da elite foi preparado num clube, com leitoa assada, vinho e tudo mais; e o almoço do povo foi preparado num parque de exposições, com apenas galinhada, maionese e suco.
O padre, durante a Missa, teve uma idéia: Simplesmente “fugir” e ir almoçar com o povão.
Lá no clube deu o maior transtorno, porque ficaram esperando o padre para começar. Como ele não chegava nunca, foram atrás e o encontraram almoçando junto com as Irmãs religiosas, no meio do povão. Insistiram que ele fosse para o clube, pois a comida estava esfriando, mas ele foi irredutível e não foi. Acabaram almoçando sem o padre. No ano seguinte, ninguém duvidou: foi preparado um almoço só para todos e todas.
Se você fosse o padre naquela paróquia, que atitude você tomaria?
As tradições são necessárias na nossa vida em grupo, e também na Igreja; mas precisamos tomar cuidado para que elas não se tornem um contra testemunho.
Maria Santíssima não seguiu as tradições caducas do seu povo. A mulher não podia falar em público, ela falava. A mulher não costumava tomar iniciativas, ela tomava... Que Maria interceda por nós, a fim de só seguirmos tradições quando elas são benéficas e contribuem para o Reino de Deus.
Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens.






­­
COMPORTAMENTO

Tome as Rédeas da Sua Vida

Você é daquelas que não consegue viver sem um livro de cabeceira? Então estamos no mesmo barco e existem alguns livros que simplesmente pode encantar e dar mais brilho e luz para a sua vida. A grande maioria das pessoas tem medo, de tudo, mas principalmente da mudança ou então se fugir de dogmas sociais e convenções. Qual mulher já não ouviu: “você precisa casar”, “você precisa ter filhos”, “se não arranjar logo um namorado vai ficar para titia”. E por aí se seguem infames afirmações na mesa do almoço em família.
É incrível como a grama da vizinha parece mais verde não é mesmo? Mas você está enganada se pensa que aquela mulher que vive um belo casamento, com um homem espetacular e um bebezinho lindo no colo é completamente feliz. A vida é feita de escolhas não é mesmo? Então escolha ter tudo o que sempre desejou. Parece ser tão complicado, mas não é.
Muitas vezes nos acomodamos simplesmente para não ter problemas, para não ter que enfrentar mais uma batalha árdua. Uma crise no casamento pode abalar toda a sua estrutura familiar e principalmente psicológica. Algumas amigas dizem que você deve se separar, aliás, a maioria delas dizem isso, mas todas acabam voltando para casa e dormindo de conchinha com os seus namorados e maridos.

O Comodismo
Esse é sem dúvidas o pior inimigo que uma mulher poderia ter. O medo da mudança é simplesmente apavorante e, portanto, sempre encontramos uma desculpa para ficarmos no mesmo lugar onde estamos mesmo que essa desculpa esteja no fundo da gaveta mais capenga que você tem no guarda-roupa.
Segundo pesquisas, grande parte das mulheres gostariam de poder dar um tempo de tudo: dos filhos, do casamento, do marido. Mas quem não gostaria? Quem não gostaria de ter a oportunidade de viver uma vida diferente e por comparar se a escolha foi a mais correta? Muitas pessoas se casam por puro medo da velhice, de ficar sozinho no final da vida e tantas outras têm filhos pelo mesmo motivo. Será que isso é o melhor a ser feito?

Aventure-se

A nossa cultura ocidental está sempre nos empurrando para uma vida estável, com um casamento perfeito e uma família unida. Não que isso seja ruim, porque não é. Mas você já parou para pensar se você vai casar porque realmente quer passar o resto da sua vida ao lado apenas daquela pessoa ou porque pensa que é correto a se fazer?
Não há felicidade numa vida cheia de regras e de preconceitos onde a mulher como mais de 30 anos que ainda não casou está fadada a viver na solidão e infeliz. E desde quando se estabeleceu que não casar é sinônimo de solidão e tristeza? Será que já não é hora de rever esses conceitos?







MOMENTO DE REFLEXÃO


Gente fina é aquela que é tão especial que a gente nem percebe se é gorda, magra, velha, moça, loira, morena, alta ou baixa.
Ela é gente fina, ou seja, está acima de qualquer classificação. Todos a querem por perto. Tem um astral leve, mas sabe aprofundar as questões quando necessário.
É simpática, mas não bobalhona. É uma pessoa direita, mas não escravizada pelos certos e errados: sabe transgredir sem agredir.
Gente fina é aquela que é generosa, mas não banana. Te ajuda, mas permite que você cresça sozinho.
Gente fina diz mais sim do que não, e faz isso naturalmente, não somente para agradar.
Gente fina se sente confortável em qualquer ambiente: num boteco de beira de estrada e num castelo no interior da Escócia.
Gente fina não julga ninguém. Tem opinião, apenas.
Gente fina não esnoba, não humilha, não trapaceia, não compete, e como o próprio nome diz, não engrossa.
Gente fina não veio ao mundo para colocar areia no projeto dos outros.
Ela não pesa, mesmo sendo gorda, e não é leviana, mesmo sendo magra.
Gente fina não faz fofoca, coloca-se no lugar do outro.
Gente fina é amável, honesta, verdadeira e confiável.
Gente fina... é que tinha que virar tendência.
Se colocarmos na balança, é ELA, quem faz a diferença.
Gente fina é generosa, suas mãos têm sempre algo a oferecer.
Jesus Cristo não julgou quando nos mandou amar.

Não se ama porque é fácil. Ama-se porque Deus é amor.

Diário de Segunda-feira 08/02/2016


Segunda-feira, 08 de fevereiro de 2016


“Não há espelho que melhor reflita a imagem do homem do que sua palavras.” (Luís Vives)



EVANGELHO DE HOJE
Mc 6,53-56


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 53tendo Jesus e seus discípulos acabado de atravessar o mar da Galileia, chegaram a Genesaré e amarraram a barca. 54Logo que desceram da barca, as pessoas imediatamente reconheceram Jesus. 55Percorrendo toda aquela região, levavam os doentes deitados em suas camas para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava.
56E, nos povoados, cidades e campos onde chegavam, colocavam os doentes nas praças e pediam-lhe para tocar, ao menos, a barra de sua veste. E todos quantos o tocavam ficavam curados.35De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto. 36Simão e seus companheiros foram à procura de Jesus. 37Quando o encontraram, disseram: “Todos estão te procurando”. 38Jesus respondeu: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi para isso que eu vim”. 39E andava por toda a Galileia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Pe. Antônio Queiroz CSsR

E todos quantos o tocavam ficavam curados.
Este Evangelho é um resumo da atividade curativa de Jesus em Genesaré e na redondeza. Logo que desembarcaram, as pessoas o reconheceram e procuravam, inclusive “levavam os doentes deitados em suas camas para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava. E, nos povoados, cidades e campos onde chegavam, colocavam os doentes nas praças e pediam-lhe para tocar, ao menos, a barra da sua veste. E todos quantos o tocavam ficavam curados”.
Junto com a cura física, Jesus costumava dizer também: “Os teus pecados estão perdoados”. Mais que doenças, Jesus curava doentes. A saúde espiritual influi na física, e igualmente a doença espiritual influi na física. Por isso, Jesus curava as duas. Morrer sabemos que todo mundo vai; mas que isso aconteça na paz, uma paz integrada e envolvente da pessoa toda. Há muitos e muitas que morrem sorrindo, e assim ficam durante todo o velório, até a sepultura! A graça de Deus é mais forte que o corpo, que o espírito, que tudo; nada a derruba.
Na Igreja Primitiva, o fascínio da graça atingia até os familiares e amigos, que colocavam na cabeça do defunto uma coroa de louro, a mesma que, nas Olimpíadas, era colocada no atleta vencedor.
Apesar dos avanços da medicina, quando uma doença calamitosa chega a ser vencida, já surgiram outras novas e desconhecidas. A saúde e a vida continuam o continuarão a ser dom de Deus. Como é sublime a pastoral da saúde que as nossas Comunidades exercem! Quantas vezes, após uma breve visita, o doente muda completamente de fisionomia. Entendeu o mistério da vida, da doença e da graça de Deus que está acima de tudo.
Várias vezes, Jesus relacionou a cura de doenças com a vinda do Reino de Deus. As curas eram equiparadas ao anúncio do Evangelho. “Jesus convocou os Doze e deu-lhes poder e autoridade sobre todos os doentes e para curar doenças. Ele os enviou para anunciar o Reino de Deus e curar os enfermos” (Lc 9,1-2).
Vamos nós também procurar tocar em Jesus, recebendo a Eucaristia, participando da Comunidade, ou aproximando-nos daqueles com os quais Jesus se identificou: os que têm fome, os doentes... (Cf Mt 25,31ss). Tocar em Jesus para nós é acreditar na sua presença continuada no mundo. A fé é um encontro pessoal com Deus, do qual Jesus é o sacramento visível a nós.
Certa vez, uma mulher procurou o padre para conversar. E começou a contar os seus problemas: com o marido, com os filhos, dificuldades financeiras, doenças...
Depois de um bom tempo, o padre cortou um pouquinho a conversa e disse: “Filha, até agora você relatou a ação do anjo mau na sua casa; fale agora da ação de Deus na sua vida! Certamente ele vai gostar muito”.
Aquela senhora caiu em si e percebeu o seu erro. Dali para frente, as suas conversas giravam em torno de coisas positivas, de bênçãos de Deus que ela recebia.
Maria Santíssima tem um cuidado especial pelos seus filhos e filhas enfermos. Basta visitar Lourdes, Aparecida e outros santuários marianos, para comprovar isso. Mãe dos doentes, rogai por nós!
E todos quantos o tocavam ficavam curados.







­­
MOTIVAÇÃO NO TRABALHO

Dá gosto trabalhar com ele
Escrito por Luiz Marins


Almoçando no refeitório de uma indústria, ouvi um grupo comentando sobre um colega de trabalho, na verdade um supervisor de turno. Fiquei impressionado ao ver que todos tinham por ele uma consideração muito grande. Curioso para saber os motivos de tantas opiniões positivas, perguntei o que tanto aquela pessoa (que estava ausente da mesa) fazia para que fosse tão querida.
Todos, sem muito pensar, disseram: “dá gosto trabalhar com ele!” E eu, insisti em querer saber os motivos concretos que faziam dele, esse colega tão especial. E eles começaram a enumerar as coisas simples e altamente eficazes que ele fazia - e que eu fiz questão de anotar:
• Ele está sempre pronto a colaborar, participar, dar ideias;
• Tudo o que ele faz é detalhadamente bem feito;
• Ele é educado. Agradece o tempo todo quem faz alguma coisa;
• Ele está sempre elogiando alguém, dizendo alguma coisa boa para as pessoas;
• Nunca vi ele reclamar da vida, disse um deles com a confirmação dos demais;
• Ele segue as normas e procedimentos sem criar caso e sem complicar;
• E outra vez: “Dá gosto trabalhar com ele!”
Após o almoço conversei com várias pessoas sobre esse mesmo supervisor e as opiniões eram sempre as mesmas: dá gosto trabalhar com ele!
Muita gente me dirá que essa pessoa não existe. Uma pessoa assim só mesmo em filme de ficção. Mas o melhor de tudo é que ela existe, tem nome, sobrenome e endereço e ao conversar com ela pude constatar ser uma pessoa realmente simples, equilibrada, agradecida, comprometida e se dizendo sempre muito feliz por acreditar que tinha como missão servir, atender, ajudar, fazer as pessoas serem melhores e mais felizes.
Quantas pessoas assim você conhece? E será que de nós alguém diria “dá gosto trabalhar com ele(a)”?
Pense nisso. Sucesso!







MOMENTO DE REFLEXÃO


Quando recebemos um convite para um aniversário, um casamento, a primeira preocupação, quase sempre, é: O que oferecerei como presente?
E ficamos a pensar o que será mais adequado, mais bonito, mais precioso, mais agradável.
Assim, consultamos catálogos, sites, visitamos lojas, verificamos preços. Afinal, o presente deve ser muito bom, mas deve caber no nosso orçamento.
Será que a pessoa apreciará o que escolhemos? Estará do seu gosto?
É sempre um grande dilema.
 Uma coisa é certa: não importa o tipo, o tamanho, a qualidade do presente. O mais importante é a intenção de quem dá e a gratidão de quem recebe.
 Assim aconteceu com Rita. Ela estava envolvida nos preparativos do casamento da filha. Eram tantas providências: o salão para a festa, a decoração, os músicos, o cerimonial, o bolo, as bebidas...
 Dois dias antes do casamento, ela estava revendo detalhes no salão onde seriam recepcionados os convidados, quando viu um senhor espreitando à porta.
Ela o cumprimentou e logo percebeu que era um solitário desejando conversar.  Ele contou que, em criança, sofrera um acidente, batera com a cabeça e por isso, passara sua vida num asilo.
Encontrava-se, por um período, em casa de um irmão e estava passeando antes do jantar. Quis saber o que é que iria acontecer no salão e, ante a notícia do casamento, perguntou se poderia vir dar uma espiada na festa.
Rita o convidou para a recepção.
Chegou o grande dia. No salão, a cerimônia, a música, o corte do bolo da noiva, risos, danças.
Então, alguém veio dizer a Rita que um cavalheiro estava na entrada e desejava lhe falar.
Era o homem solitário. Estava impecavelmente arrumado, mas tímido. Não desejou entrar. Rita foi buscar um pedaço do bolo da noiva e lhe entregou.
Ele ficou comovido e lhe deu um presente: É para a noiva, disse com orgulho.
Tratava-se de um pacote pequeno, mal embrulhado com papel pardo, atado com um barbante.
Ele se foi e Rita colocou o presente junto a outros tantos.
 Após a recepção, já em casa, ela principiou a anotar, com detalhes, cada um dos presentes e quem o tinha oferecido.
Quando chegou no pequeno embrulho, o abriu. Era uma pequena leiteira branca, de louça, dessas bem simples, que se usam em hospitais e em asilos.
Então Rita chorou. Chorou pela felicidade da sua filha e pela solidão daquele homem, que passara a maior parte da sua vida numa casa para doentes mentais.
Chorou pelo gesto de amor daquele estranho. E, na lista, escreveu: Uma leiterinha – Sr. Fulano, Asilo Tal.
 Mais tarde, quando sua filha arrumou a casa, dispôs os presentes, colocou a leiterinha em destaque, no meio de outras lindas peças de prata.
Ela se comovera com a dádiva daquele homem. Era um presente especial, de um mundo solitário para um outro de esperança.
Um testemunho de amor de uma vida para outra.
 Feliz é quem sabe ser grato ao que recebe, com a certeza de que a pessoa que o escolheu, comprou, embrulhou e lhe ofereceu aquele objeto com toda sua afeição.
Por isso, todo presente é sempre muito especial. Ele é mensageiro do afeto de alguém. Muito próximo de nós ou simples conhecido, esse alguém despendeu seus pensamentos, seu tempo para nos agraciar com um mimo.
Pensemos nisso

Do artigo Testemunho de amor, de Rita Du Tot

Diário de Domingo 07/02/2016


Domingo, 07 de fevereiro de 2016


“Onde é necessária a astúcia não há lugar para a força.” (Heródoto)



EVANGELHO DE HOJE
Lc 5,1-11


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 1Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se a seu redor para ouvir a palavra de Deus. 2Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. 3Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões.
4Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”. 5Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. 6Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. 7Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem.
8Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” 9É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. 10Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”. 11Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Pe. Antônio Queiroz CSsR

Deixaram tudo e o seguiram.
Este Evangelho narra o chamado por Jesus dos três primeiros apóstolos: Pedro e os dois irmãos Tiago de João. No texto aparecem os três passos da vocação, que sempre aparecem na Bíblia:
1) O espanto e o assombro do homem, quando se vê em contato com Deus.
2) A missão concreta confiada por Deus ao homem. A iniciativa da vocação sempre parte de Deus.
3) A resposta incondicional dos vocacionados ao chamado de Deus.
O objetivo da vocação, o “para quê”, que é a missão, é sempre o seguimento de Cristo de uma forma concreta. O chamado à fé, ao batismo, à crisma, à eucaristia, à vida em Comunidade e à santidade são dimensões universais que estão em todas as vocações. Os outros aspectos são específicos, isto é, podem haver para um e não para outro. É o Corpo Místico de Cristo, do qual cada um de nós é um membro diferente e com função diferente. Todos os batizados têm, além da vocação universal, uma vocação específica, assim como todos os membros do corpo têm uma função própria. Podemos comparar também com um time de futebol, no qual o juiz não aceita dentro de campo alguém que não tenha uma posição definida. Como é importante nós acertarmos os passos nos aspectos gerais da vocação e procurarmos descobrir e seguir a nossa vocação específica!
Há uma continuidade entre aquilo que o cristão fazia e a missão que recebe. Os três eram pescadores, tornaram-se pescadores de homens. Assim, na vocação não acontece ruptura ou diferença muito grande entre o que a pessoa já fazia e a missão que recebe.
“Avança para águas mais profundas”. Para nós significa um avanço nos nossos métodos e atividades na Igreja. Aqui na margem já não dá mais peixe, por isso precisamos avançar. Métodos que no passado davam resultado, hoje podem não dar mais.
“Não tenhas medo”. Avançar para águas mais profundas nos dá medo. Medo de não dar certo, medo de deixar aquilo que estamos acostumados a fazer e iniciar algo novo, medo de afundar... Mas, como disse Pedro, “em atenção à tua palavra”, vou avançar.
Como é importante a virtude da esperança! É ela que nos leva a dar um passo à frente. O povo fala: “A esperança é a última que morre”. A esperança é uma virtude que dinamiza todas as outras virtudes. Podemos perder qualquer virtude, mas que nunca percamos a esperança, pois ela nos leva a continuar na luta, ainda que tudo ao nosso redor diga “não”.
Quando Jesus pediu que avançassem para águas mais profundas, Pedro reagiu: “Senhor, trabalhamos a noite inteira e nada pescamos! Jesus podia ter respondido: Por isso mesmo. Do jeito que vocês estão fazendo, não dá mais peixe. Que bom se nós obedecermos a Deus e dermos um passo à frente, baseados na Palavra dele.
“Deixaram tudo e seguiram a Jesus”. Essa é a última etapa da vocação. O chamado de Deus sempre implica em jogarmos de corpo e alma ao seguimento dele, deixando tudo o mais. Depois, como Jesus prometeu, ganharemos cem vezes mais tudo o que deixamos. Deus não aceita dividir espaço com outros “deuses” ou apegos nossos. Ele nos quer por inteiro, pois estaremos em boas mãos e não nos vai faltar nada.
Seria interessante nós hoje nos colocarmos diante de Deus em oração e procurarmos responder: Que tipo de cristão sou eu? Será que somos como Pedro, Tiago e João que, em obediência à palavra de Jesus, avançaram para águas mais profundas? Se o formos, com certeza veremos um resultado tão surpreendente que ficaremos espantados.
Havia, certa vez, um homem que tinha um enorme medo de rato. Tanto que começou a pedir a Deus que fosse transformado em um rato. Deus atendeu ao seu pedido e o transformou em rato. Mas agora, como rato, ele passou a ter medo de gato. Morria de medo de gato. Pediu novamente para Deus e este o transformou em um gato. Agora sim, pensou. Mas logo surgiu o medo de cachorro. Não podia nem pensar em cachorro. Nova prece, novo atendimento. Foi transformado em um cachorro. Entretanto, o problema continuou. Agora ele tinha medo de onça. Só pensava em onça e nem conseguia dormir. Mais uma vez a prece e a resposta positiva de Deus. Foi transformado em onça. Mas agora o seu medo era de homem, pois este, com sua arma, pode matar a onça. Vivia tremendo de medo dos homens. Pediu desculpas a Deus e lhe disse que queria voltar a ser homem.
Para atendermos ao chamado de Cristo para avançar em direção a águas mais profundas, não podemos ter medo. “Não tenhais medo”, disse Jesus. O medo é, às vezes, algo subjetivo e denota falta de fé. Quanto mais fé, menos medo nós teremos. Ter fé, no fundo, é ter coragem.
Maria Santíssima foi a cristã que deu a melhor resposta vocacional do mundo. Ninguém a superou, nem Abraão, nem Isaías, nem Ester, nem os Apóstolos. Maria do “sim”, rogai por nós.
Deixaram tudo e o seguiram.








­­
VÍDEO DA SEMANA

Relacionamentos saudáveis - Pe. Fábio de Melo





https://www.youtube.com/watch?v=F9z9ProYGdM








MOMENTO DE REFLEXÃO


O ancião descansava sentado em velho banco à sombra de uma árvore, quando foi abordado pelo motorista de um automóvel que estacionou ao seu lado:
- Bom dia!
- Bom dia! Respondeu o ancião.
- O senhor mora aqui?
- Sim, há muitos anos...
- Venho de mudança e gostaria de saber como é o povo daqui. Como o senhor vive aqui há tanto tempo deve conhecê-lo muito bem.
- É verdade, falou o ancião. Mas por favor me fale antes da cidade de onde você vem.
- Ah, É ótima! Maravilhosa! Gente boa, fraterna... Fiz lá muitos amigos. Só a deixei por imperativos da profissão.
- Pois bem, meu filho. Esta cidade é exatamente igual. Vais gostar daqui.
O forasteiro agradeceu e partiu. Minutos depois apareceu outro motorista e também se dirigiu ao ancião:
- Estou chegando para morar aqui. O que me diz do lugar?
O ancião, lançou-lhe a mesma pergunta:
- Como é a cidade de onde você vem?
- Horrível! Povo orgulhoso, cheio de preconceitos, arrogante! Não fiz um único amigo naquele lugar horroroso!
- Sinto muito, meu filho, pois aqui você encontrará o mesmo ambiente...
Assim somos nós....vemos no mundo e nas pessoas algo do que somos, do que pensamos, de nossa maneira de ser.
Se somos nervosos, agressivos ou pessimistas, assim será o mundo e só acharemos problemas e conflitos.
Em outras palavras, o mundo tem a cor que lhe damos através das nossas lentes...da nossa maneira de ver as coisas.
Se vemos o mundo com lentes escuras do pessimismo, tudo à nossa volta nos parecerá escuro...envolto em trevas.
Se estamos turvados pelo desânimo, o universo que nos rodeia se apresenta desesperador.
Mas, se ao contrário, estivermos otimistas, sentiremos que em todas as situações há aspectos positivos e cheios de entusiasmo.
A cor do mundo, portanto, depende da nossa ótica...da maneira como estamos nos sentindo, afinal, o exterior estará sempre refletindo o que levamos no interior.

Ser otimista é ser gerador de adrenalina emocional, que estimula o sangue, impulsionando ao avanço, à alegria. Cultivando o otimismo nos sentimentos adquirimos visão para perceber o lado bom da vida que nos rodeia...teremos confiança em Deus e tudo será belo, e ao nosso redor teremos alegria e felicidade.

Diário de Sábado 06/02/2016


Sábado, 06 de fevereiro de 2016


“Não leve a vida muito a sério. Você veio ao mundo chorando, então saia dele sorrindo.” (Gabriel Sparks)



EVANGELHO DE HOJE
Mc 6,30-34


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 30os apóstolos reuniram-se com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado. 31Ele lhes disse: “Vinde sozinhos para um lugar deserto, e descansai um pouco”. Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo que não tinham tempo nem para comer. 32Então foram sozinhos, de barco, para um lugar deserto e afastado. 33Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles. Saindo de todas as cidades, correram a pé, e chegaram lá antes deles. 34Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Pe. Antônio Queiroz CSsR


Eram como ovelhas sem pastor.
O Evangelho de hoje começa com o amável convite de Jesus aos Apóstolos, que acabavam de chegar da sua missão apostólica, satisfeitos e cansados: “Vinde sozinhos para um lugar deserto e descansemos um pouco”.
Entretanto, o povo descobriu para onde iam, e foi a pé, por terra. Assim, quando chegaram, encontraram uma multidão os esperando! Jesus “teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. E começou a ensinar-lhes muitas coisas”.
É interessante o modo de Jesus se relacionar com a multidão. Ele disse uma vez: “Eu conheço as minhas ovelhas e elas me conhecem” (Jo 10,14). Jesus evitava aquele messianismo político, pelo qual os seus contemporâneos judeus ansiavam. Evitava também o sectarismo gregário de massa. O seu contato era personalizado, dando origem ao Povo de Deus, ou à Comunidade cristã, na qual todos se conhecem e se amam, assim como o pastor conhece suas ovelhas.
“Foi vontade de Deus santificar e salvar os homens, não isoladamente e sem conexão alguma de uns com os outros, mas constituindo um Povo, que o confessasse em verdade e o servisse em santidade” (Concílio Vat. II, LG, 9).
Os primeiros cristãos entenderam bem essa lição e se uniam em Comunidades, onde viviam unidos como irmãos, tendo um só coração e uma só alma. Hoje a Igreja, pelo fato de ter milhões de membros, pode dar a impressão de ser massa. Mas não é. É só observar as nossas paróquias e Comunidades.
Várias vezes os evangelistas escrevem que Jesus sentiu compaixão. Ele tinha dó das pessoas carentes, das que sofriam, e aqui, das que estavam como ovelhas sem pastor. E ele não parava só no sentimento de compaixão, mas fazia o que ele podia pelo povo.
Jesus não possuía nada, não tinha nem onde reclinar a cabeça. Mesmo assim, não se preocupava consigo mesmo, mas com os outros. Quantos cristãos e cristãs têm esse mesmo coração! É deles que nascem as diversas pastorais e as atividades missionárias das Comunidades. Quando sentimos compaixão, e rezamos, Deus nos indica algum caminho.
Que bom seria se nós, ao nos depararmos com situações de carência, material ou espiritual, sentíssemos compaixão, uma compaixão ativa que se transforma depois em ação!
Certa vez, um homem terminou de construir a sua casa. Ficou linda. Ele a mobiliou com móveis novos, todos no mesmo estilo.
Então convidou um amigo para almoçar com ele e ver a casa. Terminada a refeição, mostrou toda a casa para o amigo, depois perguntou: “Falta alguma coisa? Pode dizer sem acanhamento, que vou comprar hoje mesmo”.
O amigo criou coragem e falou: “Eu sinto que está faltando Deus na sua casa!” O dono da casa se surpreendeu, porque não havia pensado nesse componente da casa. E ficou perdido, confuso, sem saber o que fazer, pois Deus não dá para se comprar!
Quantas casas hoje são assim: têm tudo, menos o principal que é Deus. Que sintamos compaixão, uma compaixão ativa, como fez o visitante da nova casa. “O que adianta a alguém ganhar o mundo inteiro, se vier a perder-se e a arruinar a si mesmo?” (Lc 9,25).
Maria Santíssima foi uma mulher ativa na luta pelo bem do povo. Vemos os seus anseios expressos no magnificat, e levados à ação nas bodas de Caná, ao pé da cruz, no Cenáculo etc. Santa Mãe Maria, o povo continua como ovelhas sem pastor; dai-nos um coração semelhante ao vosso!
Eram como ovelhas sem pastor.









­­
CASA, LAR E FAMÍLIA

Como limpar a canalização sem usar produtos químicos


Um dos problemas mais incómodos que pode  acontecer no nosso lar é quando são obstruídos os canos do banheiro ou da cozinha. É algo bastante comum e costuma afectar os trabalhos de limpeza, além de produzir odores desagradáveis. Hoje em dia, encontramos muitos produtos de limpeza no mercado que podem nos facilitar o trabalho de desobstrução do encanamento de uma forma efectiva e rápida.

Entretanto, por precaução e pelo cuidado com o planeta, esses produtos não são recomendados, já que costumam estar carregados de produtos químicos e de substâncias tóxicas que podem afectar tanto a saúde de quem o manipula, como o meio ambiente onde ele é utilizado.

Vinagre branco, bicarbonato de sódio e sal para limpar a canalização

Limpar os canos com regularidade pode prevenir futuras obstruções e danos maiores dentro dos mesmos. Uma excelente opção para limpar naturalmente os canos é misturar uma chávena de bicarbonato de sódio, uma chávena de sal de mesa e uma chávena de vinagre de vinho branco.
Como fazer :

Em primeiro lugar,  deve eliminar toda a água da pia e posteriormente deitar sobre o orifício de drenagem os ingredientes na seguinte ordem:

A chávena de bicarbonato de sódio.
A  chávena de sal.
A  chávena de vinagre de vinho branco, de preferência  quente.

Deixe que os ingredientes  por 10 minutos e, por último, deita uma chávena de água a ferver.

Esse tipo de tratamento é ideal para eliminar todo tipo de gorduras e óleos que se acumulam na canalização .

Sal para limpar a canalização

Um truque mais simples para limpar os canos do seu lar consiste em utilizar uma boa quantidade de sal e água bem quente.
O devo fazer?

Ponha para esquentar um copo de água no micro-ondas e logo depois, acrescente 3 colheres de sal. Quando a mistura estiver pronta, jogue-a sobre o encanamento e deixe-o descansar a noite toda.









MOMENTO DE REFLEXÃO


Conta-se que uma senhora, cujo trabalho exigia leitura constante, começou a ter dificuldades com os seus olhos, por isso foi consultar um especialista.
Depois de um exame, o profissional lhe disse: "seus olhos estão somente cansados; você precisa descansá-los."
Ela replicou: "mas isso é impossível, por causa do tipo de trabalho que eu faço".
Depois de alguns momentos, o médico respondeu: "tem janelas em seu local de trabalho?"
"Oh, sim," respondeu ela com entusiasmo.
"Das janelas da frente pode-se ver os picos de montanhas distantes, e das janelas dos fundos pode-se contemplar um belo e produtivo pomar."
O médico respondeu: "é exatamente isto o que você precisa".
Quando sentir seus olhos cansados, olhe para as suas montanhas por uns dez minutos - por vinte minutos seria melhor.
"Olhar para longe vai descansar os seus olhos!"
Esse fato singelo pode nos trazer valiosos ensinamentos.
Se for verdade que no âmbito físico podemos descansar os olhos, olhando para longe, também pode ser verdadeiro para as questões espirituais.
Os olhos da alma muitas vezes estão cansados e fracos de tanto focalizar problemas e dificuldades.
Nesse momento, olhar à distância e para o alto vai ajudar você a restaurar sua perspectiva espiritual.
Às vezes você sente a sobrecarga das dificuldades da vida. No entanto, se voltar os olhos para Deus, poderá visualizar seus problemas na devida proporção e renovar suas forças e o seu bom ânimo.
Vamos, levante os seus olhos!
Quando as imagens dos problemas começarem a ameaçar a sua disposição para a luta, eleve o olhar e busque paisagens distantes.
Quando você vislumbra os obstáculos de um ponto de vista elevado, eles parecem menos ameaçadores e facilmente conseguirá superá-los.
Mas se os observa de um ponto inferior, eles assumem proporções gigantescas e paralisam a sua vontade de vencer.
Vamos lá... desvie, por alguns minutos, seu olhar.
Olhe para a gigantesca força que habita o infinito azul, a quem chamamos Deus.
Pode ter certeza de que o socorro virá. Uma onda de tranqüilidade lhe invadirá a alma e aplacará os seus olhos cansados.
E essa onda de harmonia facilitará a solução dos problemas.
Sua alma se aquietará e as dificuldades farão silêncio.
E nesse silêncio você ouvirá as respostas que o seu olhar cansado buscou no infinito.
Pense nisso, e quando os olhos da alma estiverem cansados, eleve o olhar ao Senhor da Vida e Nele encontrará o alívio que busca.
Quando os dias frios e cinzentos do inverno cobrirem o seu olhar com as brumas escuras da tristeza, abra as cortinas do horizonte e contemple a primavera invencível, que logo recobrirá com tapetes perfumados os campos crestados pela invernia.

Quando as dores da alma ameaçarem a sua esperança, rasgue as cortinas do tempo e mire a face sorridente da eternidade a lhe dizer, como quem sabe a verdade: esse dia de sombras também passará.

Diário de Sexta-feira 05/02/2016


Sexta-feira, 05 de fevereiro de 2016


''O destino decide quem vamos encontrar na vida, as atitudes decidem quem fica.!!



EVANGELHO DE HOJE
Mc 6,14-29


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!


Naquele tempo, 14o rei Herodes ouviu falar de Jesus, cujo nome se tinha tornado muito conhecido. Alguns diziam: “João Batista ressuscitou dos mortos. Por isso os poderes agem nesse homem”. 15Outros diziam: “É Elias”. Outros ainda diziam: “É um profeta como um dos profetas”.
16Ouvindo isto, Herodes disse: “Ele é João Batista. Eu mandei cortar a cabeça dele, mas ele ressuscitou!” 17Herodes tinha mandado prender João, e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado.
18João dizia a Herodes: “Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão”. 19Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia. 20Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava.
21Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galiléia. 22A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: “Pede-me o que quiseres e eu te darei”. 23E lhe jurou dizendo: “Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino”.
24Ela saiu e perguntou à mãe: “Que vou pedir?” A mãe respondeu: “A cabeça de João Batista”. 25E, voltando depressa para junto do rei, pediu: “Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista”.
26O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados. 27Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão, 28trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe. 29Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.



Palavra da Salvação
Glória a vós Senhor







MEDITAÇÃO DO EVANGELHO
Pe. Antônio Queiroz CSsR

É João Batista, a quem mandei cortar a cabeça, que ressuscitou.
Neste Evangelho, o evangelista Marcos conta para nós como foi o martírio de S. João Batista, e por quê.
O fato de Marcos situar este relato entre o envio dos doze Apóstolos e o seu regresso, adquire um valor de sinal. O martírio de João é uma antecipação e um anúncio da sorte final que correrão Jesus e os seus discípulos. É a sina dos profetas.
O evangelista começa relatando várias opiniões sobre Jesus, entre elas a de Herodes: “É João Batista, a quem mandei cortar a cabeça, que ressuscitou”.
O motivo do assassinato foi que Herodes se casara com Herodíades, mulher de seu irmão Filipe, e João reprovava-lhe este ato. Por isso Herodes queria eliminá-lo. Mas Herodes respeitava João e “gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava”. Isso mostra a fragilidade do caráter de Herodes.
A ocasião chegou quando Herodes deu um banquete pelo seu aniversário, e a filha de Herodíades, chamado Salomé, segundo o historiador Flávio Josefo, dançou diante dos comensais. Herodes entusiasmou-se tanto que jurou dar à menina qualquer coisa que ela pedisse, mesmo que fosse a metade do seu reino. Salomé, instigada pela mãe, pediu a cabeça de João Batista, e ele atendeu. Poucos anos depois, em 39, Calígula lhe tiraria todo o reino, enviando-o para o desterro em Lião.
Vemos no relato uma impressionante aproximação entre o luxo e a luxúria, a embriaguês e o crime passional. Isso do lado do assassino. Do lado do mártir, o que nos interessa, vemos a aproximação entre a vida austera e penitente, e a coragem profética. O profeta não deve ter medo de denunciar, para a pessoa certa e com palavras certas, as situações anti-evangélicas.
Outra mulher, Ester, também por encantar o rei, Assuero, recebeu a promessa da “metade do seu reino”. Graças a essa promessa, ela libertou o povo israelita da escravidão da Babilônia (Cf livro de Ester).
Os martírios de João Batista e de Jesus são parecidos. Ambos morreram vítimas de sua luta pelo Reino de Deus, um reino de verdade, de justiça, de amor verdadeiro e de bom exemplo.
O escândalo de Herodes, ao se casar com a cunhada, era o tipo da coisa que todo mundo sabia, mas ninguém tinha coragem de abrir a boca. Se ele vivesse hoje, certamente denunciaria tantos escândalos semelhantes que vemos todos os dias. Criticaria também outros pecados e injustiças, cometidas especialmente por autoridades, chefes e gente importante. Por isso, também hoje João Batista não viveria muito tempo; nem ele nem Jesus. “Felizes os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus” (Mt 5,10).
Havia uma família, cujos filhos eram contra a oração em comum às refeições. Mas a mãe não se deixava levar por eles. Quando acabava de por a comida na mesa, ela dava um sorriso, fazia o sinal da cruz e rezava uma oração curta e bonita, pedindo a bênção de Deus para a comida e para outras coisas da família. Em seguida, rezava a Ave Maria.
Os filhos ficavam emburrados, e o marido em cima do muro. Alguns respondiam a Santa Maria de cabeça baixa, ou engolindo a voz, outros nem isso faziam. E a mãe perseverou assim anos e anos.
Hoje ela é falecida, e os filhos são ótimos cristãos. Fazem em casa o mesmo que a mãe fazia. Como é importante não ter respeito humano dentro de casa!
O profeta é persistente, ele ou ela não se deixa levar pela onda do mundo pecador, mas sempre dá testemunho de Cristo e de sua Igreja. Como o nosso mundo precisa de outros João Batista, e de outras mães como esta!
Maria Santíssima é o melhor exemplo de mãe que temos, exemplo dado a nós pelo próprio Deus. Por isso o seu Filho “crescia em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens”.
É João Batista, a quem mandei cortar a cabeça, que ressuscitou.







­­
CULINÁRIA

Pão de liquidificador

800 ml de água morna
1/3 xícara de óleo
1 colher de sopa de açúcar
1 colher de sopa de sal
1 ovo inteiro
1 envelope de fermento fleischmann
1 kg de trigo (mais ou menos)

Modo de Preparo

Bata no liquidificador
Coloque em uma bacia e acrescente aos poucos mais ou menos 1 kg de trigo
A massa fica bem mole
Apenas misture com uma colher de pau
Unte as formas de pão (duas médias)
Coloque a massa e espere crescer até dobrar de volume
Asse em forno médio até dourar


Frango no capricho

Ingredientes

3 xícaras (chá) de mussarela ralada grosso
3 xícaras (chá) de molho branco grosso
óleo para untar
cheiro-verde picado
1 tomate, sem sementes, picado em cubinhos
sal e pimenta-do-reino
3 xícaras (chá) de sobras de Peito de frango desfiados
1 lata de milho verde
3 colheres (sopa) de óleo
1 cebola picada

Molho

4 colheres (sopa) rasas de margarina (60 g)
4 colheres (sopa) rasas de farinha de trigo (40 g) para cada xícara (240 ml) de leite.
sal e pimenta a gosto
1 pitada de noz-moscada

Como fazer

Frite a cebola no óleo até ficar transparente.
Junte o milho verde e o frango desfiado.
Tempere com sal e pimenta a gosto.
Refogue por mais 3-4 minutos, respingando com um pouco de água para que não fique ressecado.
Adicione o tomate e o cheiro-verde e mexa bem.
Numa fôrma refratária untada com óleo, despeje metade da mistura de frango e cubra com metade do Molho brancoe da mussarela.
Repita as camadas, terminando com a mussarela.
Leve ao forno quente (190°C), preaquecido, para gratinar a superfície (cerca de 20 minutos).

Molho

Dissolva a farinha de trigo no leite.
Em seguida leve todos os ingredientes ao fogo até ferver. Reserve.








MOMENTO DE REFLEXÃO


Seu nome é Joe. Tem o cabelo um tanto quanto selvagem, usa velhas camisas que até tem alguns furos, calças jeans e, na maioria das vezes, nenhum calçado.
Esta foi sua indumentária durante os seus quatro anos de faculdade.
É brilhante.
Um tipo meio estranho (aliás, muito estranho), mas muito brilhante.
Acabou por se tornar um cristão durante o período de faculdade.
Situada em uma rua do campus, a igreja era freqüentada por pessoas muito bem vestidas e muito conservadoras.
Um dia Joe decidiu ir até lá.
Adentrou com aquele seu jeito: descalço, calças jeans, camiseta e seu cabelo selvagem.
A cerimônia já tinha começado e Joe andou pelos corredores à procura de algum lugar vago. A igreja estava completamente cheia e ele não conseguiu encontrar um assento.
Podia-se perceber que para algumas pessoas a situação era incômoda, mas ninguém disse nada.
Joe foi chegando cada vez mais perto do altar e quando percebeu que não havia nenhum assento vago, ele simplesmente sentou-se direto no tapete.
Embora fosse um comportamento perfeitamente aceitável em meio à uma faculdade, isto nunca tinha acontecido naquela igreja.
Agora as pessoas estavam visivelmente irritadas e a tensão podia ser sentida no ar.
 O ministro percebeu que saindo dos fundos da igreja, um velho padre caminhava lentamente em direção à Joe.
O diácono está com seus quase oitenta anos, o cabelo chega a ser prateado, veste um elegante terno e traz um relógio de bolso.
Um homem devoto, muito elegante, muito digno, muito nobre.
Caminha com um bastão e enquanto anda em direção ao jovem, todos dizem a si mesmos
- Não se pode responsabilizá-lo pelo que irá fazer.
Não se deve esperar que um homem com esta idade e formação, vá compreender um jovem da faculdade sentado no chão da igreja...
Passa-se um bom tempo até o homem alcançar o jovem.
A igreja está em total silencio, à exceção do estalar do bastão.
 Todos os olhos estão fixos nele.
 Não se ouve nem uma respiração qualquer.
As pessoas estão pensando, o ministro não pode fazer a leitura até que o diácono faça o que tem que fazer.
E então vêem aquele homem idoso deixar cair seu bastão no chão.
 Com grande dificuldade se abaixa e senta-se ao lado de Joe e lhe diz
- Assim você não estará sozinho.
Estão todos ainda sufocados pela emoção, quando o ministro recupera o controle e diz,
- O que estou a ponto de lhes dizer, vocês jamais se lembrarão.
O que vocês acabaram de assistir, jamais se esquecerão.


Tradução SergioBarros